terça-feira, 2 de setembro de 2014

"Não me toquem... Sou di menor"

SÃO PAULO
video

PM é baleado no Complexo do Alemão

Um policial militar da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Fazendinha foi atingido de raspão no pé, segunda-feira à noite, no Conjunto de Favelas do Alemão. De acordo com a Coordenadoria de Polícia Pacificadora (CPP), o PM foi socorrido para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da região, onde recebeu um curativo e foi liberado.
Homens do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) e do Grupamento de Intervenções Táticas (GIT) das UPPs fizeram varredura na parte alta da favela, em uma região de mata onde funcionava uma antiga pedreira, que seria para onde os bandidos teriam fugido. O policiamento foi reforçado.
Os policiais estavam em patrulhamento pela escadaria da localidade conhecida como Travessa São José, entre as ruas Canitar e Relicário, quando foram vítimas de disparos de armas de fogo efetuados por criminosos. Os agentes revidaram.

Candidatos a soldado da PM reclamam de prova e dizem que edital não foi respeitado

A prova de soldado da Polícia Militar do Rio (Pmerj), realizada no último domingo, não agradou aos mais de 105 mil inscritos. Muitos reclamaram que o teste estava em desacordo com o edital.
Além do desencontro das questões com o edital, os candidatos também alegaram que o concurso apresentava um grau de dificuldade maior que o exigido. Para eles, a parte de Informática, Geografia e História estavam extremamente difíceis.
“Estou estudando desde o ano passado. Muitos candidatos investiram dinheiro e tempo para chegar na hora da prova e não cair o que estudamos. Em Informática, caíram questões de Microsoft Excel 2013, sendo que no edital constava o do programa de 2007. Foi uma falta de respeito”, desabafou a estudante Ana Paula de Souza, de 28 anos.
No domingo, um candidato foi desclassificado ao tirar uma foto do cartão resposta da prova. Imagens do cartão de respostas estão circulando em grupos de discussão de candidatos à prova da PM, no Facebook. “Isso é fora do comum. Essa prova precisa ser cancelada. Organização péssima. Não tinha supervisão legal. Muita gente indo ao banheiro ao mesmo tempo”, comentou Amanda de Santos Costa, 27, que fez a prova pela primeira vez em uma faculdade particular na Praça XI.
Nesta terça-feira, os candidatos vão pedir a anulação do certame em um protesto que será realizado em frente à Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro. A PM, em nota, informou que a Exatus — banca responsável pela elaboração e organização do concurso —, por meio de seu site, disponibiliza a ferramenta para recursos, com prazo de três dias a partir da divulgação do gabarito, ocorrido ontem. Em relação às falhas tanto na segurança quanto na organização do concurso, a PM afirmou que vai cobrar uma explicação da empresa.
A corporação garantiu ainda que em cada município, onde foi realizada a prova, havia policiais com a missão de conferir se tudo estava sendo cumprido conforme o edital. Se forem constatadas falhas, o Centro de Recrutamento e Seleção de Praças (CRSP) será mobilizado e repassará à Diretoria de Logística (DL), setor da PM responsável pelas licitações, a investigação.
Se forem comprovadas as irregularidades, pode haver punições previstas na Lei das Licitações, que vão desde a advertência até a suspensão de participar de novos c

Preso em São Gonçalo era procurado pela Interpol

 
Apontado pela polícia como armeiro do tráfico do Morro da Alma, no bairro Amendoeira, em São Gonçalo, o polonês  Galas de 41 anos, foi preso por policiais do Grupamento de Ações Táticas (GAT) do 7ºBPM (São Gonçalo).
Segundo a polícia, Galas - que é ex-militar - era o responsável pela manutenção do armamento dos criminosos e estava gerenciando a venda de drogas na comunidade. Com ele, os agentes apreenderam um fuzil calibre 762 com seis munições, uma carabina 22, sete munições de calibre 28, uma balança de precisão, uma caixa de ferramentas para a manutenção de armas, além de 300 cápsulas de cocaína e material para embalagem de drogas.
 
A suspeita é de que o acusado tenha buscado abrigo no Morro da Alma após a implantação da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) na Favela da Rocinha, em São Conrado, Zona Sul do Rio, em setembro de 2012. O tráfico nas duas comunidades é controlado pela mesma facção criminosa, a Amigos dos Amigos (ADA). 
 
Galas foi surpreendido dormindo dentro de sua residência, na Rua Xingu, e não resistiu à prisão. Os PMs contaram que chegaram ao acusado após prenderem o cunhado dele, Gabriel Gerônimo Felipe Ramos, 18, que atuava como olheiro do tráfico. O jovem foi flagrado com um rádio transmissor.
 
Para tentar evitar a prisão, Gabriel teria dito que, se fosse solto, apontaria a casa do chefe do tráfico. Os policiais fingiram aceitar o acordo e deram voz de prisão aos dois. 
 

domingo, 31 de agosto de 2014

Candidato posta foto do cartão de respostas e é desclassificado do concurso da PMERJ

O candidato Alberto Barros Diniz Junior foi desclassificado do concurso de soldados da Polícia Militar do Rio de Janeiro enquanto fazia a prova, neste domingo.
O candidato, que realizava o teste no campus Centro da Estácio de Sá, na Av. Presidente Vargas, teria postado uma foto do cartão de respostas em branco em uma rede social, através do celular, em plena sala de aula. É proibido usar qualquer tipo de aparelho eletrônico durante a prova.
Alberto deixou a sala e não terá sua prova corrigida. O caso foi registrado na 6ª DP.

Policiais militares acusados de estuprar mulheres no Jacarezinho são expulsos da corporação

O Comando da Polícia Militar informou neste domingo (31) que excluiu os quatro policiais militares suspeitos de terem praticado crime de violência sexual contra duas mulheres e uma adolescente na comunidade do Jacarezinho na madrugada do dia 5 de agosto. Os quatro ainda respondem ao processo perante a Justiça.
Segundo a PM, teriam praticado o crime de violência sexual os soldados Gabriel Machado Mantuano, Renato Ferreira Leite, Anderson Farias da Silva e Wellington de Cássio Costa Fonseca. "A conduta grave desses policiais militares, em desacordo com os ensinamentos recebidos durante a formação, atentou contra o sentimento de dever e decoro da classe. A ocorrência deste crime, por agentes garantidores da lei, é inadmissível", justificou o comando da PM.

O perfil do policial militar que combate a violência no Rio

Atualmente, a Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro tem sido alvo de críticas devido ao comportamento de alguns PMs. Mas, a população não conhece quem  está por trás de uma simples farda. Até Agosto de 2014 foram registradas 14 mortes de policiais em serviço e outras 59 durante suas folgas. Os dados foram confirmados pela assessoria da corporação.
Para ser um policial militar, o candidato passa por uma prova objetiva, realizada através de concurso público, além de provas práticas, testes físicos, exames médicos e, ainda, pesquisa social.
Depois disso, o concorrente é encaminhado para o Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças (CFAP), em Sulacap, na Zona Oeste, onde faz um curso para formação de soldados. O aspirante à vaga passa por um curso de formação que dura oito meses.


Em entrevista ao Portal Manchete On Line, o Coronel Frederico Caldas, atual comandante-geral das Unidades de Polícia Pacificadora (Upps), esclareceu questões importantes.
Segundo ele, a função de um policial militar são as que estão previstas no Artigo 144 da Constituição Federal, ou seja, a polícia ostensiva e a preservação da ordem pública.
Caldas destacou que a Polícia Militar do Rio trabalha 24 horas por dia. “A presença da PM pode estar através de um policial a pé, de viatura, seja atuando para evitar que um crime aconteça, seja em operações policiais”, disse o oficial. 
Existe um Regulamento de Promoção de Praças para aqueles que desejam seguir carreira dentro da corporação, onde são determinadas as condições de acesso à graduação superior. Normalmente, um acordo de tempo de serviço, cursos obrigatórios e situação disciplinar.  Em ordem crescente, os níveis hierárquicos são: Soldado, Cabo, 3º Sargento, 2º Sargento, 1º Sargento e Subtenente.

Quem está por trás da farda azul?
Caldas destacou que ainda não existe uma pesquisa socioeconômica para traçar o perfil do policial militar, mas, para entrar na corporação o candidato precisa ter o Ensino Médio completo e faixa etária entre 18 e 30 anos. Ele acrescentou que não é incomum encontrar policiais com cursos de graduação em nível superior ou mesmo pós-graduação.
“Não seria absurdo afirmar que somos recrutados majoritariamente nas classes sociais C, D e E. Apesar dos riscos da profissão, nossos concursos de acesso são bastante procurados, talvez por serem acessíveis, democráticos, meritórios e impessoais”, explicou o comandante.
Os militares correm vários riscos diariamente, o maior deles é arriscar a própria vida. A principal precaução de um PM é desenvolver as atividades sem oferecer perigo a si próprio, aos seus companheiros e, de uma maneira geral, a comunidade. E para que isto seja realizado com sucesso ele precisa confiar em seu treinamento, nos colegas de serviço e no seu equipamento.
Quando um PM morre dentro da corporação quando um PM morre é visto como ‘mais um sol que nasce’, no entanto nem todos sabem o significado desta expressão. Frederico Caldas afirmou que o fato de perder um companheiro é o mesmo que perder o sol, que é tão importante para nossa vida. Na verdade, é um verso da Canção do Policial Militar, cuja letra completa é a seguinte:

“Em cada momento vivido
uma verdade vamos encontrar
Em cada fato esquecido
uma certeza nos fará lembrar
Em cada minuto passado
mais um caminho que se descobriu
Em cada soldado tombado
Mais um sol que nasce no céu do Brasil
Aqui nós todos aprendemos a viver
demonstrando valor, pois o nosso ideal
é algo que nem todos podem entender
na luta contra o mal!
Ser Policial
é, sobretudo, uma razão de ser
É, enfrentar a morte,
mostrar-se um forte
no que acontecer
Em cada pessoa encontrada
mais um amigo para defender
Em cada ação realizada
um coração pronto a agradecer
Em cada ideal alcançado
uma esperança para outras missões
Em cada exemplo deixado
mais um gesto inscrito em nossas tradições
Em cada instante da vida
nossa polícia Militar
será sempre enaltecida
em sua glória secular!
Em cada recanto do Estado
deste amado Rio de Janeiro,
faremos ouvir nosso brado,
o grito eterno de um bravo guerreiro!
 Ser Policial
é, sobretudo, uma razão de ser
É, enfrentar a morte,
mostrar-se um forte
no que acontecer.”


Má conduta de alguns policiais reflete na corporação
O Coronel Frederico Caldas disse que esta informação é discutível. “É questionável a afirmação que o policial, de uma maneira geral, é mal visto. Certamente, as ações equivocadas de alguns policiais causam, em maior ou menor grau, desgaste à imagem da instituição, pois se espera de um policial, dentre outras coisas, a repressão ao crime – e não o seu cometimento. Mesmo com esse desgaste, vemos cada vez mais que as comunidades demandam a nossa presença, sobretudo aquelas que ainda não possuem UPP”, lembrou o oficial.
Em muitas comunidades pacificadas alguns moradores ainda ficam receosos com a presença dos PMs. Mas, Caldas garantiu que este temor é temporário e que a corporação trabalha arduamente parta retirar este rótulo.
“No que diz respeito à abordagem, foi produzido um manual, que está em fase final de aprovação por parte do Comando da Corporação e que será distribuído para todos os policiais militares das UPPs. A distribuição é parte de um movimento maior que inclui instruções e workshops, no sentido de atualizar e sensibilizar o policial a realizar abordagens com maior ética, respeito e educação. Quanto à permanência das UPPs nos locais, procuramos mostrar nas nossas ações diárias que o nosso compromisso com as comunidades é permanente e que viemos para ficar”, falou Frederico Caldas.
O oficial lembra que também existem ações punitivas para aqueles que têm desvio de conduta. Caldas traçou um panorama decisivo falando dos últimos anos. “A Corregedoria Interna da Polícia Militar foi redimensionada, tornando-se mais abrangente. Mais Delegacias de Polícia Judiciária Militar foram criadas, entre elas uma para atuar junto às UPPs”, finalizou o Comandante Geral das UPPs.

sábado, 30 de agosto de 2014

Cantineiro é detido com 15 celulares na Penitenciária Lemos Brito


Celulares encontrados dentro de caixas de bombons (Foto: Divulgalção/ SEAP)
O cantineiro da Penitenciária Lemos Brito, André Ramos da Rosa, de 35 anos, foi preso na manhã deste sábado (30), com 15 celulares que estavam escondidos dentro de três caixas de bombons, nas dependências da penitenciária, informou a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap). Denúncias fizeram com que a Coordenação das Unidades Prisionais do complexo Penitenciário de Gericinó e a direção da Penitenciária Lemos Brito realizassem o flagrante. Segundo a polícia o material seria entregue ao interno Alexandre Silva de Almeida, acautelado no mesmo local. Todos os envolvidos foram levados para 34ª DP, dentro do Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, Zona Oeste do Rio. A Seap vai abrir uma sindicância interna para apurar o ocorrido.

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Traficante oferece R$ 200 mil a PM ao ser preso

 Foi preso nesta quarta-feira (27) um dos chefes do tráfico do Morro da Providência, Centro da cidade. Como mostrou o Bom Dia Rio nesta quinta-feira (28), Aldinei Marcos da Costa Júnior, conhecido como Audi, ainda tentou subornar os PMs, oferecendo R$ 200 mil para ser liberado no caminho da delegacia. Segundo a polícia, o homem é suspeito de ordenar ataques a base da UPP da região.
A prisão foi feita em um dos acessos da comunidade, durante um patrulhamento de rotina. De acordo com os agentes, Aldinei foi parado em uma blitz por agentes da UPP e entregou uma habilitação falsa, mas foi reconhecido. O Disque Denúncia oferecia uma recompensa de R$ 1 mil por informações sobre o criminoso, que chegou a ser preso duas vezes, em 2006 e 2008.
Ainda segundo as investigações, Audi era responsável por comprar e distribuir armas para os criminosos do Morro da Providência. Após a prisão, a segurança foi reforçada na comunidade com apoio de PMs de outras UPPs próximas. Nenhuma troca de tiros foi registrada durante a noite.

Onde está o Secretário de Estado da Segurança Pública?