quarta-feira, 13 de março de 2013

Traficante Celsinho da Vila Vintém causa tumulto em audiência


O traficante Celso Luiz Rodrigues, o Celsinho da Vila Vintém, causou tumulto, e precisou ser retirado da sala de audiências do Fórum de Bangu, na tarde desta quarta-feira, durante sessão do processo no qual responde por tráfico de drogas. Após xingar um policial civil, testemunha da ação, Celsinho saiu da sala por determinação do juiz Alexandre Abrahão, da 1ª Vara Criminal de Bangu.
Em seu depoimento, o criminoso, preso desde 2002, assumiu que chefiou o tráfico na Vila Vintém, e, ao ser questionado pelo magistrado sobre qual era sua ocupação, não titubeou: " Sou bandido, ué". Celsinho contou ainda que era trabalhador, mas, ao ver a filha doente, começou a praticar assaltos e tomou gosto pelo crime, principalmemte por causa das altas quantias de dinheiro que passou a ganhar.
O criminoso acusou policiais civis, inclusive o que era testemunha da ação, que foi chamado por ele de corrupto, de terem cobrado R$ 1 milhão para não indiciarem sua mulher, Deise Mara de Souza Rodrigues, que também é acusada no processo e está foragida, por envolvimento com o tráfico. Ainda segundo Celsinho, como ele não pagou o cobrado, a mulher foi incriminada. Deise é apontada pela polícia como a atual chefe do tráfico na Vila Vintém. O criminoso garantiu que a esposa não tem qualquer envolvimento com o crime: "O negócio é comigo", disse. Ele não quis, no entanto, dizer quem está na chefia do tráfico na comunidade, e disse que o que estão fazendo com a sua família é “maldade”.
Além de Celsinho, foram ouvidos outros três réus do processo - Fabiano de Moura Leite, Alexandre Bandeira de Melo e Elvécio Machado da Silva. A audiência durou cerca de cinco horas: começou pro volta das 14h40 e foi até 19h30.


4 comentários:

  1. A PMERJ deveria oferecer um salário inicial de no mínimo R$ 3.500,00 para os soldados. Profissionais de segurança pública têm dificuldade de conciliar dupla jornada de trabalho, pois a folga deveria ser o período de DESCANSO do Policial Militar.

    Como vamos sediar a COPA DO MUNDO de 2014 e os JOGOS OLÍMPICOS de 2016 se não conseguimos nem pagar um SALÁRIO DIGNO aos funcionários públicos que prestam SERVIÇOS ESSENCIAIS à população (Bombeiros e Policiais Militares)??? Infelizmente, o reajuste salarial de militares do Corpo de Bombeiros e da Polícia Militar foi insuficiente, ou seja, incapaz de oferecer qualidade de vida aos referidos servidores.

    NÃO HOUVE MELHORIA SALARIAL NA POLÍCIA MILITAR E NO CORPO DE BOMBEIROS DO RIO DE JANEIRO. AINDA FALTA MUITO PARA ALCANÇAR A TÃO SONHADA DIGNIDADE!

    O salário do Soldado da PMERJ e do CBMERJ, após o reajuste salarial concedido (23,3%), é de R$ 2.077,27 (dois mil e setenta e sete reais e vinte e sete centavos). Mesmo após o referido reajuste salarial, os Bombeiros e Policiais Militares do Estado do Rio de Janeiro não recebem uma remuneração suficiente para suprir as necessidades vitais básicas previstas no artigo 7º, inciso IV, da Constituição Federal de 1988. Segundo o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos, o Salário Mínimo Necessário referente ao mês de Fevereiro de 2013 foi estimado em R$ 2.743,69 (dois mil, setecentos e quarenta e três reais e sessenta e nove centavos).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Governo do Estado do Rio de Janeiro não pode pagar um SOLDO inferior ao SALÁRIO MÍNIMO vigente aos CABOS e SOLDADOS da PMERJ e do CBMERJ.

      SALÁRIO MÍNIMO: R$ 678,00

      SOLDO do CABO: R$ 590,77

      SOLDO do SOLDADO: R$ 512,91

      Excluir
    2. VIRA O DISCO SEU OTÁRIO!!!

      Excluir
    3. CALA A BOCA, SEU CORRUPTO!

      Excluir