quarta-feira, 13 de março de 2013

Na UPP da Penha bandidos continuam desafiando o estado

Policiais de UPP na Penha dizem viver com medo dos bandidos, que circulariam armados
 

O princípio fundamental das 30 Unidades de Polícia Pacificadora instaladas até agora é o controle dos territórios — antes dominados pelo tráfico de drogas ou pela milícia. Seis meses depois da chegada de uma UPP no Parque Proletário, no Complexo da Penha, porém, bandidos continuam desafiando o estado. Segundo PMs da unidade, eles circulam armados, inclusive com fuzis, e inibem o trabalho da polícia.
— A gente tem medo de andar pela favela, de fazer patrulhamento a pé e dar de cara com a bandidagem — revela um soldado da UPP, que pediu para não ser identificado.
De acordo com policiais, a ronda deveria ser feita por duplas de PMs, mas só é realizada com pelo menos seis homens. Tudo para evitar confrontos com os traficantes. A situação piora à noite e durante a madrugada.
— Tem ataque a tiro contra a gente pelo menos uma vez por semana. Tá "brabo" — desabafa outro soldado.
— Eles (os bandidos) ainda têm medo. Então, quando vêm a gente, eles abrem fogo para poder fugir — rebate um outro PM.
As marcas dos ataques dos traficantes estão na base da UPP do Parque Proletário. O contêiner tem uma marca de tiro e, segundo os policiais, o aparelho de ar-condicionado já teve que ser trocado por causa das perfurações.A fachada do supermercado localizado atrás da sede também foi atingida. O último ataque ao local aconteceu há um mês, quando bandidos em motos passaram atirando por volta das 5h.
— É muito difícil trabalhar assim. A gente chega e não sabe se vai embora vivo — diz outro soldado.

Reclamação das escalas na unidade

Além da insegurança para andar pelas vielas do Parque Proletário, os policiais militares da UPP denunciam problemas nas condições de trabalho. Eles reclamam da falta de itens básicos, como água filtrada para beber. O CPP informou, no entanto, que "existem bebedouros disponíveis na base comunitária, na sede administrativa do Parque Ary Barroso e no contêiner da Praça São Lucas."
Os policiais ainda reclamam do esquema de escala implantado. Todos os praças trabalham 12 por 36 horas e alegam que o justo seria trabalhar 12 horas e folgar 48.
Há duas semanas, uma equipe do jornal  recebeu uma carta de PMs da UPP reclamando da escala implantada: "Nossas escalas não nos deixam ter vida social e muito menos fazer serviços extras para dar dignidade às nossas famílias. 12 x 36 muitos residentes não podem muitas vezes ir para casa. 12 x 24 e 12 x 48 — RAS e Proeis comprometidos. Queremos o previsto, 12 x 48 já!".
A assessoria de imprensa do CPP informou que as escalas de serviço de todas as UPPs foram alteradas por determinação do coordenador de Polícia Pacificadora, coronel Paulo Henrique de Moraes. A nova escala determina que o policial trabalhe em média 44 horas semanais: "Porém, fica a cargo de cada comandante de UPP adequar as escalas de acordo com o efetivo e o trabalho".

LEIA A REPORTAGEM TODA AQUI


 

9 comentários:

  1. Respostas
    1. relmente amigo, o cel seabra era o mais indicado para exercer o comando deste tipo de policia, este cel paulo henrique não tem perfil para este tipo de policia, porque se nao trata humanamente seus policiais como estes vao tratar bem a população? sobre a escala, esta que esta rolando é desumana pois o serviço de policia pacificadora é diferente dos demais, assim como o bope, mesmo que nao iguais, é um tipo de policia diferenciada, alem do terreno que trabalha, essa escala nao da vazão ao cansaço excessivo.

      Excluir
    2. não tá satisfeito, não suporta, é amamaezado, estuda e pede pra sair, ou conquista e encontre outra solução, que tem olha que tem....

      Excluir
    3. sai detrás da mesa oficial.

      Excluir
  2. NÃO HOUVE MELHORIA SALARIAL NA POLÍCIA MILITAR E NO CORPO DE BOMBEIROS (RJ)

    Como vamos sediar a COPA DO MUNDO de 2014 e os JOGOS OLÍMPICOS de 2016 se não conseguimos nem pagar um SALÁRIO DIGNO aos funcionários públicos que prestam SERVIÇOS ESSENCIAIS à população (Bombeiros e Policiais Militares)???

    Um Estado que possui a 2ª MAIOR ARRECADAÇÃO de impostos do Brasil não pode pagar o PIOR SALÁRIO do país aos MILITARES ESTADUAIS!

    Salário Mínimo Necessário estimado pelo DIEESE (referente ao mês de Fevereiro de 2013), de acordo com o Inciso IV do Artigo 7º da CF/88: R$ 2.743,69 (dois mil, setecentos e quarenta e três reais e sessenta e nove centavos). Este é o valor mínimo que deve ser pago para suprir as necessidades vitais básicas de sobrevivência, conforme determina o supramencionado dispositivo constitucional!

    Salário do Soldado da PMERJ e do CBMERJ após o reajuste salarial concedido (23,3%): R$ 2.077,27 (dois mil e setenta e sete reais e vinte e sete centavos);

    http://www.dieese.org.br/analisecestabasica/salarioMinimo.html

    AINDA FALTA MUITO PARA O MILITAR ESTADUAL TER UM SALÁRIO DIGNO!

    Mesmo após o último reajuste salarial, os Bombeiros e Policiais Militares do Estado do Rio de Janeiro não recebem uma remuneração digna. Os SOLDOS dos CABOS e SOLDADOS da PMERJ e do CBMERJ permanecem ABAIXO DO SALÁRIO MÍNIMO vigente.

    SALÁRIO MÍNIMO: R$ 678,00
    SOLDO do CABO: R$ 590,77
    SOLDO do SOLDADO: R$ 512,91

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. COMPANHEIRO, VIRA O DISCO!!!

      Excluir
    2. o salario e´so isso nao da nem pra pagar a parcela do meu carro importado , estou sofrendo

      Excluir
  3. Temos mais poder que os oficias e no dia que acreditarmos nisso vai ser tudo nosso... Ai sim a escala vai voltar.... O morador quando quer sabe se mal educado com o Policial, mais quando alguém rouba a sua bolsa na Rua qual e numero que ele liga fala ai 190 e quem vai atender a ocorrência e o OFICIAL ou ponta da Lança... Pensem.....

    ResponderExcluir
  4. Toda vez que leio algo sobre as Upp´s lembro do tempo que fiquei na Upp da Nova Brasília. Senhores, não desejo aqui para ninguém! Os policias só têm paz no momento que vão para o 16º, fora isso, até chegar na Nova Brasília é agonia! Aquela ladeira na Itararé coloca os Pm´s vulneráveis! Na Upp não há aguá potável, não há alojamentos suficientes! Dome-se no chão no segundo andar, nos corredores, em qualquer local! E o que falar da Upp? MEU DEUS! Local desgraçado. Vielas e becos para todos os lados e simplesmente colocam um prédio, NÃO BLINDADO no meio. A noite toda hora é alerta de ataques, o efetivo é ridículo, não há fuzis suficientes, em fim, o local é macabro com pm´s largados! Que Jesus esteja lá com todos, aquela Upp não existe.

    ResponderExcluir