terça-feira, 3 de setembro de 2013

AS LIGAÇÕES DE JOSÉ JÚNIOR DA ONG AFROREGGAE COM TRAFICANTES DE DROGAS

O encontro dos parlamentares da bancada evangélica e dos Direitos Humanos com o secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, trouxe mais constrangimento ao delegado Márcio Mendonça, da Delegacia de Combate às Drogas. O que era um bate-papo sobre como foi conduzida a polêmica investigação que levou o pastor Marcos Pereira à cadeia, deixou o policial numa saia justa. Mendonça confessou aos deputados que nunca falou com os vizinhos, com o porteiro ou foi até o “luxuoso” apartamento na Avenida Atlântica onde, como escreveu no inquérito, o pastor promovia orgias sexuais.
As falhas nas investigações, como O DIA mostrou na edição de domingo, pautaram o encontro do secretário com os parlamentares. Eles destacaram a manipulação das testemunhas como a questão mais grave encontrada no inquérito conduzido pelo delegado Márcio Mendonça. Algumas alegam que toparam acusar pastor após receber a proposta de ganhar casa e emprego no AfroReggae — coordenado por José Júnior e uma das parte no processo. 
Márcio Mendonça também foi pego de surpresa na hora que os deputados o questionaram sobre as ligações de José Júnior com traficantes de drogas — entre eles, o traficante Elias Pereira da Silva, o Elias Maluco. O delegado, responsável por investigar o crime organizado, disse que desconhecia a amizade, mas iria apurar.
De acordo com o deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ), Beltrame, ao lado da chefe de Polícia Civil, Martha Rocha, avisou que não podia fazer mais nada, uma vez que a investigação já está na Justiça. Depois do encontro com o secretário, os deputados se reuniram com o procurador de Justiça, Marfan Vieira.

Um comentário:

  1. Na Polícia Militar do Rio de Janeiro, o número de pedidos de baixa cresceu muito!

    Salários baixos, pouca perspectiva e más condições de trabalho estão entre os motivos para o abandono da carreira policial-militar. Falta de interesse pela profissão é comum em todo o país. O que leva o Militar Estadual a tomar esta atitude é de cunho estritamente financeiro, tendo em vista a CRISE SALARIAL que assola a Corporação e a FALTA DE PERSPECTIVA PROFISSIONAL. Para onde vai o dinheiro público? "QUEM VIVE PARA PROTEGER, MERECE RESPEITO PARA VIVER."

    A Segurança Pública não é prioridade no Rio de Janeiro, pois o ESTADO não investe em seus profissionais. O Policial Militar do Rio de Janeiro não tem um salário digno! É preciso PRESERVAR O PODER AQUISITIVO do PM do Rio, REAJUSTANDO significativamente os SOLDOS da Corporação. O Governo do Estado do Rio de Janeiro, com a segunda maior arrecadação de impostos do Brasil, poderia pagar muito melhor os Bombeiros e Policiais Militares.

    O vencimento bruto do soldado PM/BM no RJ é de apenas R$ 2.077,25 (dois mil e setenta e sete reais e vinte e cinco centavos). O valor está R$ 815,22 abaixo do SALÁRIO MÍNIMO NECESSÁRIO, que foi estimado pelo DIEESE em R$ 2.892,47 (dois mil, oitocentos e noventa e dois reais e quarenta e sete centavos) e visa suprir as NECESSIDADES VITAIS BÁSICAS previstas no artigo 7º, inciso IV, da Constituição Federal de 1988. Sérgio Cabral precisa conceder somente 39,25% de reajuste salarial para cumprir o referido dispositivo constitucional.

    PEC 300/2008 - Não ao salário de fome!

    QUANTO DEVERIA GANHAR POR MÊS UM PRAÇA DA PMERJ OU DO CBMERJ:

    SUBTENENTE ----------------------------- R$ 12.876,39
    PRIMEIRO-SARGENTO ---------------- R$ 11.203,84
    SEGUNDO-SARGENTO ----------------- R$ 9.531,28
    TERCEIRO-SARGENTO ----------------- R$ 7.858,72
    CABO ------------------------------------------ R$ 6.186,16
    SOLDADO ------------------------------------ R$ 4.513,61

    OBS: OS SUPRACITADOS VALORES SÃO PAGOS AOS INTEGRANTES DA PMDF E DO CBMDF.

    Como vamos sediar a COPA DO MUNDO de 2014 e os JOGOS OLÍMPICOS de 2016 se não conseguimos nem pagar um SALÁRIO DIGNO aos funcionários públicos que prestam SERVIÇOS ESSENCIAIS à população fluminense (Bombeiros e Policiais Militares)? É preciso oferecer o MÍNIMO DE DIGNIDADE aos integrantes da PMERJ e do CBMERJ. O Rio de Janeiro é a principal cidade do país, a POLÍCIA FLUMINENSE não pode ter uma remuneração tão baixa!

    ResponderExcluir