sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Devido a protestos, Exército e PM do Rio reduzem efetivo em desfile cívico

 Os protestos marcados na internet para 7 de setembro levaram as Forças Armadas e a Polícia Militar a reduzir seus efetivos na participação do tradicional desfile cívico em comemoração ao Dia da Indepedência no Rio de Janeiro. O Exército, que coordena o evento na cidade, confirmou  a redução de 40% no efetivo – considerando também Aeronáutica e Marinha – em razão de ameaças de ataques durante o evento.
O desfile, marcado para às 9h de sábado (7), reunirá seis mil participantes do Exército, Marinha, Aeronáutica, Polícia Militar, Corpo de Bombeiros, Guarda Municipal, Polícia Rodoviária Federal Ex-Combatentes da Força Expedicionária Brasileira, escolas militares, além de entidades civis.

Segundo o Exército, com a diminuição do número de participantes, o tempo de evento será reduzido de três horas para, no máximo, duas. Além disso, o desfile, que terá carros de combate, viaturas militares e tropas a cavalo, ocorrerá apenas na Avenida Presidente Vargas, deixando a Avenida Rio Branco, no Centro, livre para que seja ocupada por manifestantes.
O relações-públicas do Comando Militar do Leste (CML), coronel Roberto Itamar Cardoso, admitiu que o motivo da medida são "ameaças de ações violentas" durante o desfile cívico.
"A redução do efetivo ocorreu a pedido das autoridades por conta das manifestações previstas. Não as pacíficas, que não alteram em nada o desfile, mas em razão das ameaças de ações violentas. Temos que considerar que não haverá apenas militares, mas crianças e idosos no evento. Por isso, todo o planejamento de segurança considerou a possibilidade de interferências violentas no desfile, agressões à tropa e ao patrimônio da União. Se isso ocorrer, o Exército vai atuar", explicou o coronel.
O Comando Militar do Leste informou ainda que ativará o Centro de Coordenação de Operações no Palácio Duque de Caxias, no Centro do Rio, para gerir segurança, inteligência e logística do evento.
Pela 1ª vez, PM levará apenas alunos
Tradicionalmente, policiais militares do Batalhão de Choque (BPChq), Batalhão de Operações Especiais (Bope), entre outras unidades da corporação, participam do desfile cívico anual. No entanto, pela primeira vez na história, a PM do Rio será representada no evento apenas por 200 alunos da Academia de Polícia Dom João VI. 
O objetivo é aumentar o efetivo da corporação no policiamento das ruas devido aos protestos. Policiais militares contaram à reportagem do G1 que há também um temor interno de que PMs do Batalhão de Choque – sempre presentes nos protestos – se tornem alvos de vaias e até mesmo agressões por parte dos manifestantes. Há pelo menos cinco protestos marcados para o próximo sábado em páginas do Facebook.

2 comentários:

  1. http://www.youtube.com/watch?v=bXrp2Hxg_3Y

    Na Polícia Militar do Rio de Janeiro, o número de pedidos de baixa cresceu muito.

    Salários baixos, pouca perspectiva e más condições de trabalho estão entre os motivos para o abandono da carreira policial-militar. Falta de interesse pela profissão é comum em todo o país. O que leva o Militar Estadual a tomar esta atitude é de cunho estritamente financeiro, tendo em vista a CRISE SALARIAL que assola a Corporação e a FALTA DE PERSPECTIVA PROFISSIONAL. Para onde vai o dinheiro público? "QUEM VIVE PARA PROTEGER, MERECE RESPEITO PARA VIVER."

    A Segurança Pública não é prioridade no Rio de Janeiro, pois o ESTADO não investe em seus profissionais. O Policial Militar do Rio de Janeiro não tem um salário digno! É preciso PRESERVAR O PODER AQUISITIVO do PM do Rio, REAJUSTANDO significativamente os SOLDOS da Corporação. O Governo do Estado do Rio de Janeiro, com a segunda maior arrecadação de impostos do Brasil, poderia pagar muito melhor os Bombeiros e Policiais Militares.

    O vencimento bruto do soldado PM/BM no RJ é de apenas R$ 2.077,25 (dois mil e setenta e sete reais e vinte e cinco centavos). O valor está R$ 815,22 abaixo do SALÁRIO MÍNIMO NECESSÁRIO, que foi estimado pelo DIEESE em R$ 2.892,47 (dois mil, oitocentos e noventa e dois reais e quarenta e sete centavos) e visa suprir as NECESSIDADES VITAIS BÁSICAS previstas no artigo 7º, inciso IV, da Constituição Federal de 1988. Sérgio Cabral precisa conceder somente 39,25% de reajuste salarial para cumprir o referido dispositivo constitucional.

    PEC 300/2008 - Não ao salário de fome!

    QUANTO DEVERIA GANHAR POR MÊS UM PRAÇA DA PMERJ OU DO CBMERJ:

    SUBTENENTE ----------------------------- R$ 12.876,39
    PRIMEIRO-SARGENTO ---------------- R$ 11.203,84
    SEGUNDO-SARGENTO ----------------- R$ 9.531,28
    TERCEIRO-SARGENTO ----------------- R$ 7.858,72
    CABO ------------------------------------------ R$ 6.186,16
    SOLDADO ------------------------------------ R$ 4.513,61

    OBS: OS SUPRACITADOS VALORES SÃO PAGOS AOS INTEGRANTES DA PMDF E DO CBMDF.

    Como vamos sediar a COPA DO MUNDO de 2014 e os JOGOS OLÍMPICOS de 2016 se não conseguimos nem pagar um SALÁRIO DIGNO aos funcionários públicos que prestam SERVIÇOS ESSENCIAIS à população fluminense (Bombeiros e Policiais Militares)? É preciso oferecer o MÍNIMO DE DIGNIDADE aos integrantes da PMERJ e do CBMERJ. O Rio de Janeiro é a principal cidade do país, o CORPO DE BOMBEIROS e a POLÍCIA MILITAR FLUMINENSE não podem ter remunerações tão baixas!

    ResponderExcluir
  2. ´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´DEIXE O POVAO PROTESTAR BASTAMTE PACIFICAMENTE COM ORDEM......POLICIA TEM QUER PROTESTAR TAMBEM POR SALARIO DIGNO PISO NACIONAL E QUALIDADE DE VIDA ...E DIGNIDADE E CONDIÇOES DE TRABALHO TAMBEM ...OU VAI FICAR NOVA MENTE NAS COSTAS DOS BOMBEIROS OU ESPERANDO CAI DO CEU.....ACORDEN A PEC300 E A SOLUÇAO ...POLICIAIS SAEM DO ARMARIO DE CIMA DO MURO..............OU VAO SER MAIS UM COVARDE OU MAIS UM VALENTE PARA LUTAR POR SUA DIGNIDADE...JUNTOS SOMOS FORTES..POLICIA XX BOMBEIROS........

    ResponderExcluir