domingo, 1 de setembro de 2013

Investigação que colocou na prisão O PASTOR MARCOS PEREIRA levanta suspeitas de manipulação de testemunhas e provas ilegais

Farsa ou verdade? Os bastidores da investigação que colocou na cadeia o pastor Marcos Pereira mostram histórias de “pecados” que vão da manipulação de testemunhas ao uso de provas obtidas sem amparo legal. E escondem uma disputa ferrenha por dois territórios onde verbas públicas e privadas jorraram nos últimos anos, além de serem dois currais eleitorais de peso: os complexos do Alemão e da Penha.
A apuração policial colocou em lados opostos dois ex-amigos com vocação de resgatar traficantes do mundo do crime. De um lado, Marcos Pereira, acusado de estuprar ex-missionárias da sua igreja, a Assembleia de Deus dos Últimos Dias. De outro, o coordenador do grupo AfroReggae, José Júnior, que após denunciar o religioso por tramar a sua morte em parceria com o crime organizado, transformou assessores de seu grupo cultural em investigadores a serviço da Delegacia de Combate às Drogas (Dcod).
Um desses homens é o pastor Rogério Ribeiro Menezes. Ex-homem de confiança de Marcos Pereira, ele trocou a igreja pelo AfroReggae após ouvir os relatos da violência sexual que a mulher teria sofrido de Marcos Pereira por nove anos. Foi ele quem convenceu e levou — algumas vezes em seu próprio carro — todas as testemunhas à delegacia. Nem sempre de forma franciscana.
Numa gravação obtida pelo DIA , o religioso junto com o ex-traficante José Claudio Piuma, o Gaúcho, oferece emprego e casa para convencer uma pessoa a dizer na delegacia que o pastor estuprou a mulher e a filha, de 16 anos. E diz que tem autorização de José Júnior. “O Júnior já falou comigo novamente hoje... O que você, assim, pretender ajudar, eu assino embaixo... A gente arruma um emprego pra ele”.

EMPREGO E CASA PRÓPRIA
Em outro trecho da gravação, feita através de uma escuta ambiental, Rogério e Gaúcho conversam com a testemunha:
“(Basta você dizer...) Rogério, eu quero morar em Jacarepaguá, Rogério, quero morar em Niterói. Tu já conhece e nós vemo (sic) uma casinha pra tu lá”.
Pouco depois, Gaúcho e Rogério enfatizam a promessa de emprego:
“Você tem trabalho, tem tudo...”, diz Gaúcho.
“De repente, no AfroReggae”, comenta Rogério.
“No AfroReggae mesmo”, prossegue Gaúcho.
“Tá entendendo, de carteira assinada lá no AfroReggae”, finalizou Rogério, diante da testemunha.
José Júnior não enxerga conflito de interesses. Alega que a contratação obedeceu critérios profissionais e que é vítima de Marcos. “De todas as testemunhas, só duas ou três pessoas trabalham no AfroReggae. Elas denunciaram as violências que sofreram, os crimes que viram. Não há mentira”, sustenta.
Mas a coincidência passeou pelo caminho da investigação. Outra testemunha, no mesmo dia que começou a trabalhar no AfroReggae (6 de abril), foi levada pelo pastor Rogério à Dcod para acusar Marcos de encenar milagres e resgates de bandidos. E com um adendo: o depoimento aconteceu depois da meia-noite. Horário pouco convencional para uma delegacia especializada, com expediente reduzido e num inquérito que se arrastou por mais de um ano, mas que se repetiu. Ao todo, cinco pessoas foram ouvidas na polícia entre 22h e 1h.
OS 7 PECADOS CAPITAIS
PARCIALIDADE - Todas as testemunhas ouvidas no inquérito foram levadas por funcionários do AfroReggae, parte interessada na investigação. Algumas receberam a promessa de casa e emprego no próprio grupo cultural, onde cinco cumprem jornada regular de trabalho.
SEM APOIO LEGAL - Segundo os advogados, escutas divulgadas pela delegacia não foram autorizadas nos processos abertos por associação ao tráfico, estupro e coação de testemunhas. A acusação fala sobre interceptações, mas não há garantia de que as provas tenham sido obtidas legalmente.
CALADA DA NOITE - Cinco das principais testemunhas foram ouvidas tarde da noite e até de madrugada na Dcod. Em dois casos, depois da meia-noite. O expediente lá termina às 18h, como informam os plantonistas. Em um caso, o policial teve que ser chamado às pressas em casa.
DESCUIDO - Apesar de relatos de lavagem de dinheiro por parentes do traficante Márcio Nepomuceno e do pastor, não foram pedidas as quebras de sigilo financeiro e bancário. Testemunhas relatam contas em bancos e depósitos regulares (até R$ 50 mil). Só agora casos foram desmembrados.
PREGUIÇA - Testemunhas contaram que três pessoas foram mortas a mando do pastor e os corpos enterrados numa fazenda em Tinguá, Nova Iguaçu. Um ano depois, o local não foi vistoriado, e acusados tiveram tempo para eliminar evidências. Uma testemunha é, inclusive, ré confessa.
OLHOS FECHADOS - Um mesmo depoimento, que ganhou crédito por denunciar as farsas do pastor, foi ignorado pelos investigadores ao falar sobre ‘doações’ de dinheiro e bens públicos, feitos por três políticos importantes do estado — um deles, inclusive, é senador da República.
ESTACIONADO - Após um ano, a polícia ainda não descobriu o médico que seria responsável por fazer os abortos em vítimas de estupro que supostamente engravidaram do pastor. E isto apesar dos detalhes que as mulheres deram nos depoimentos e da facilidade de localizar o consultório.
Juíza criticou investigação
Curiosidades no inquérito foram sublinhadas pela juíza Cláudia Pomarico Ribeiro, da 43ª Vara Criminal, ao negar o pedido de interceptação telefônica feito pelo delegado Márcio Mendonça. Após criticar a investigação, destacou que entre as pessoas a serem ouvidas, uma morreu em 2008.
A decisão da juíza alertou advogados de Marcos: como o delegado ouviu, supostamente, o pastor dizer que estava com ‘saudade do rabo’ de uma missionária se a autorização de escuta foi cancelada?
O delegado, que em outra ocasião aceitou vídeo editado e colocou na cadeia o líder comunitário da Rocinha Willian de Oliveira, não quis comentar. Alegou sigilo profissional.
Inquérito se transforma em 4 processos
Aberto para investigar a ligação do pastor Marcos com o tráfico de drogas e a lavagem de dinheiro, o inquérito na Dcod acabou se transformando em quatro processos — dois por estupro e dois por coação de testemunhas, sendo um deles já arquivado e, em outro, a vítima recuou na acusação e acusou os policiais de prepararem seu depoimento.
“Falei 10 minutos e preencheram quatro páginas. Assinei porque fiquei com medo”, acusa Elisângela Cardoso de Jesus, que gravou um recado no celular deixado por funcionária no AfroReggae, o qual classifica como ameaça:
“Te cuida que o Diabo está furioso”. Para Júnior, o pastor cometeu os crimes e deve continuar preso. “Ele é a mente do crime. Assim que soube dos casos, falei com ele e ele mandou eu não me meter. Passei um tempo e denunciei”.
Ostentação dá lugar a pousada
Alvo de ataques do tráfico de drogas, que, de acordo com José Júnior, foram motivadas pelo processo e prisão do pastor Marcos, a casa onde foi erguida a Pousada do AfroReggae pertenceu ao crime organizado. Foi residência do traficante François Soares Suassuna, o Jansen, e símbolo da ostentação do tráfico: era a única casa de três andares naquele pedaço da Grota.
Após a morte de Jansen pelos colegas, em 2008, o imóvel foi repassado até ser adquirido pelo AfroReggae para ser sede do Projeto Na Favela. Para Júnior, não existe relação entre os atentados e o ex-morador. “Ele (tráfico)não quer é que lance novo projeto na comunidade. E a causa: o pastor”.
JOSÉ JÚNIOR, coordenador do AfroReggae
Criou a ONG após a Chacina de Vigário Geral para dar opção de cultura às crianças, mas ganhou destaque nos últimos oito anos, ao promover a reintegração de presos na sociedade, através do Projeto Empregabilidade.
Transformou-se em parceiro de artistas e cabo eleitoral do governo Sérgio Cabral (a quem chama pelo primeiro nome) com a pacificação. Abriu portas a bancos e empresas nos complexos do Alemão e da Penha. O AfroReggae recebe verbas da União, do Estado e do Município, além de parcerias empresarias.

 
MARCOS PEREIRA, pastor da Igreja Assembleia de Deus dos Últimos Dias
Ex-garçom que se transformou no pastor dos bandidos regenerados e policiais, Marcos ganhou musculatura financeira e política na gestão dos governos Anthony e Rosinha Garotinho. Com acesso franqueado às cadeias, converteu inúmeros líderes de facções criminosas e se notabilizou nacionalmente ao acabar com a rebelião de presos na Cadeia de Benfica — que, agora, testemunhas dizem ter sido uma farsa. Seu sucesso nas áreas carentes (já ajudou candidatos a deputado) o aproximou de políticos de vários partidos.



26 comentários:

  1. Na Polícia Militar/RJ, o número de pedidos de baixa cresceu muito!

    Salários baixos, pouca perspectiva e más condições de trabalho estão entre os motivos para o abandono da carreira policial-militar. Falta de interesse pela profissão é comum em todo o país. O que leva o Militar Estadual a tomar esta atitude é de cunho estritamente financeiro, tendo em vista a CRISE SALARIAL que assola a Corporação e a FALTA DE PERSPECTIVA PROFISSIONAL. Para onde vai o dinheiro público? "QUEM VIVE PARA PROTEGER, MERECE RESPEITO PARA VIVER."

    A Segurança Pública não é prioridade no Rio de Janeiro, pois o ESTADO não investe em seus profissionais. O Policial Militar do Rio de Janeiro não tem um salário digno! É preciso PRESERVAR O PODER AQUISITIVO do PM do Rio, REAJUSTANDO significativamente os SOLDOS da Corporação. O Governo do Estado do Rio de Janeiro, com a segunda maior arrecadação de impostos do Brasil, poderia pagar muito melhor os Bombeiros e Policiais Militares.

    O vencimento bruto do soldado PM/BM no RJ é de apenas R$ 2.077,25 (dois mil e setenta e sete reais e vinte e cinco centavos). O valor está R$ 815,22 abaixo do SALÁRIO MÍNIMO NECESSÁRIO, que foi estimado pelo DIEESE em R$ 2.892,47 (dois mil, oitocentos e noventa e dois reais e quarenta e sete centavos) e visa suprir as NECESSIDADES VITAIS BÁSICAS previstas no artigo 7º, inciso IV, da Constituição Federal de 1988. Sérgio Cabral precisa conceder somente 39,25% de reajuste salarial para cumprir o referido dispositivo constitucional.

    PEC 300/2008 - Não ao salário de fome!

    QUANTO DEVERIA GANHAR POR MÊS UM PRAÇA DA PMERJ OU DO CBMERJ:

    SUBTENENTE ----------------------------- R$ 12.876,39
    PRIMEIRO-SARGENTO ---------------- R$ 11.203,84
    SEGUNDO-SARGENTO ----------------- R$ 9.531,28
    TERCEIRO-SARGENTO ----------------- R$ 7.858,72
    CABO ------------------------------------------ R$ 6.186,16
    SOLDADO ------------------------------------ R$ 4.513,61

    OBS: OS SUPRACITADOS VALORES SÃO PAGOS AOS INTEGRANTES DA PMDF E DO CBMDF.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como vamos sediar a COPA DO MUNDO de 2014 e os JOGOS OLÍMPICOS de 2016 se não conseguimos nem pagar um SALÁRIO DIGNO aos funcionários públicos que prestam SERVIÇOS ESSENCIAIS à população fluminense (Bombeiros e Policiais Militares)? É preciso oferecer o MÍNIMO DE DIGNIDADE aos integrantes da PMERJ e do CBMERJ. O Rio de Janeiro é a principal cidade do país, a POLÍCIA FLUMINENSE não pode ter uma remuneração tão baixa!

      Excluir
    2. Cariocas sofrem com aumento da violência

      Bairros de Lapa e Santa Teresa apresentaram alta no índice de assaltos.

      De acordo com o Instituto de Segurança Pública (ISP), vinculado ao governo do Estado, os bairros da Santa Teresa e Lapa registraram alta no índice de assaltos em 39% e 13%, respectivamente, se comparados o primeiro semestre desse ano com o de 2012.

      Excluir
  2. A PMERJ TEM QUE CRIAR A PORTA ÚNICA DE ENTRADA NA CORPORAÇÃO.

    TODOS OS POLICIAIS MILITARES DEVEM INGRESSAR COMO SOLDADO PM.

    A PROMOÇÃO DE PRAÇAS POR TEMPO DE SERVIÇO TEM QUE ACABAR. A ASCENSÃO AUTOMÁTICA DEIXA O PM ACOMODADO.

    AS PROMOÇÕES ÀS GRADUAÇÕES DE CABO E DE 3º SARGENTO DEVEM SER CONQUISTADAS SOMENTE ATRAVÉS DE CONCURSOS INTERNOS.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. VOCE É DESAGREGADOR E DOENTE. O MOMENTO ATUAL NÃO É PARA ESSE TIPO DE DISCUSSÃO, POIS O MAIS IMPORTANTE AGORA É TRATARMOS DA NOSSA REMUNERAÇÃO, PARA QUE AÍ SIM POSSAMOS VALORIZAR AINDA MAIS OS MILITARES ESTADUAIS DE ACORDO COM A INSTRUÇÃO DE CADA UM. SEU DOENTE VAIDOSO, ENTENDEU AGORA???

      Excluir
    2. É, o pm fica acomodado na escala escrava de 24 X 48, no RAS OBRIGATÓRIO e sem direito a remuneração (escravo), se acomoda nos desvairios de ordens absurdas de uma administração covarde e política, e não me venha com essa babaquice de sempre dizendo que SE NÃO ESTÁ SATISFEITO PEDE PARA SAIR, pura viadagem temos que lutar por melhorias salariasi, condições de trabalho e respeito

      Excluir
    3. Exatamente, a PMERJ deveria substituir as PROMOÇÕES POR TEMPO DE SERVIÇO por uma REMUNERAÇÃO DIGNA, como a da PMDF, onde um soldado ganha R$ 4.513,61. Alguns jurunas não entendem que um triângulo no ombro não vai melhorar a vida deles em nada! Ninguém faz compras no supermercado com o "status". Nada pode substituir o salário.

      Excluir
  3. Hei de ver José Júnior na cadeia

    ResponderExcluir
  4. #VOLTABlogDaVerdadeRJ

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse blog era extremamente violento. Falar a verdade é uma coisa, agora incitar violência, humilhar as pessoas que têm opiniões diferentes são coisas diferentes.

      Excluir
    2. Opinião cada um tem a sua, sempre li o blog da verdade, postei e nunca me senti humilhada. Digo e repito #VOLTABlogDaVerdadeRJ.

      Excluir
    3. Até que o blog da verdade rj era interessante, mas dava uns vacilos quando faziam apologia ao crime e a violência.

      Isso não pega bem para policiais, pois precisam dar exemplos. Imagina ficar falando o tempo todo que a Ministra tinha que dá a buc*..., que o juiz tinha que levar bala na cara, que a Promotora, o coronel, a OAB eram filhos da p*...., que autoridade X tinha que morrer.(sabe essas coisas que não combinam com PMs). Todos nós temos opiniões diferentes, estamos num país democrático, porém temos que saber nos expressar. Agora também estou curioso em saber por que eles saíram do ar. Será que eles estão se reformulando ou as autoridades tomaram providências com as atitudes deles?

      Excluir
  5. Kd o BlogDaVerdadeRJ?????????????? Se for criado outro avisemmmmmmmm? Os Únicos blogs que leio é o S.O.S pmerj e o BlogDaVerdadeRJ pq sempre estao postando.
    #CriemOutroBlogDaVerdadeRJ!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Será que os administradores foram rastreados pelo MP, OAB, e TJ?

      Excluir
  6. Não tem provas que comprovem as denuncias de estupro. Tem alguma filmagem, foto ou áudio das vitimas? Houve coleta de semem? Não estou defendendo o pastor, porém, é certo de que está havendo uma grande manobra para mantê-lo preso. Tudo é sem provas que comprovem a materialização do fato, tudo foi bem articulado e só baseado apenas em falsas denuncias, a verdade é que querem mantê-lo preso.

    ResponderExcluir
  7. José Júnior é a mente do crime.

    ResponderExcluir
  8. Tem que voltar o blog verdade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O que aconteceu com o blog da verdade rj?

      Esse é aquele blog que ameaçava juízes, promotores, OAB e fazia apologia ao crime e violência e era repleto de palavrões?

      Excluir
  9. #CriemOutroBlogDaVerdadeRJ!

    ResponderExcluir
  10. É muito difícil achar um pastor honesto,a maioria adora o dinheiro,o Deus deles é o dinheiro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ESSE É O MESMO PENSAMENTO QUE A POPULAÇÃO TEM DA PMERJ, POIS POR CAUSA DE ALGUNS TODOS PAGAM. VAI VENDO ENTÃO!!!

      Excluir
    2. Bom comentário amigo Anônimo 2 de setembro de 2013 19:09!

      Excluir
  11. Rio - Um caso de violência sexual abalou esta sexta-feira a Academia de Polícia Dom João VI, da Polícia Militar, em Sulacap. Dois cadetes foram acusados de atacar, durante a madrugada, uma recruta. Embriagados, os alunos teriam invadido o alojamento da policial feminina, por volta das 4h. A dupla foi presa em flagrante e pode ser expulsa da unidade.
    Os dois alunos chegaram à academia, com outros dois estudantes, que decidiram não participar da ação. No quarto da jovem, eles tentaram beijá-la e agarrá-la à força. Foram autuados por atentado violento ao pudor e constrangimento com ameaça, crimes previstos no Código Penal Militar. As penas variam de um a seis anos de prisão.
    Em nota oficial, a PM informou ainda que os cadetes serão submetidos a Conselho Escolar de Disciplina. A mobilização em torno do caso começou ainda pela manhã. O comandante-geral, Luiz Castro, determinou apuração rigorosa e até o fechamento da escola para a preservação de provas. Agentes da Corregedoria da PM também foram para o local. Os envolvidos prestaram depoimento, na noite desta sexta-feira, na 2ª Delegacia de Polícia Judiciária Militar (DPJM). Depois eles foram levados para o Batalhão de Choque (BPChoque), no Centro, onde ficarão presos.
    A vítima também foi ouvida pelos investigadores. Ela foi submetida ainda a exame de corpo de delito no Hospital Central da Polícia Militar (HCPM), no Estácio. Os cadetes estavam fazendo curso de preparação para oficial, com duração de três anos. Já a recruta está estudando para se tornar soldado da PM, em prazo máximo de oito meses.
    Os alunos tinham autorização para deixar a unidade. A rotina na academia é considerada rigorosa. São proibidos, por exemplo, mascar chicletes e até assoviar. Os estudantes são recolhidos às 21h e, a partir das 22h, é considerado horário de silêncio.
    Foto: OBRIGADO PESSOAL A FORÇA DAS REDES SOCIAIS É TUDO! JUNTOS , TODOS SOMOS MAIS FORTES! A RESPOSTA VEIO ! LEIAMMMMMMMMMMMMMMMM! » Comandante quer rigor em apuração sobre cadetes suspeitos de abuso 31/08/2013 10:36:26 - Atualizada às 31/08/2013 10:39:21 Comandante quer rigor em apuração sobre cadetes suspeitos de abuso Futuros oficiais da PM teriam tentado agarrar e beijar recruta. Dupla foi presa em flagrante e pode ser expulsa da unidade Adriana Cruz Rio - Um caso de violência sexual abalou esta sexta-feira a Academia de Polícia Dom João VI, da Polícia Militar, em Sulacap. Dois cadetes foram acusados de atacar, durante a madrugada, uma recruta. Embriagados, os alunos teriam invadido o alojamento da policial feminina, por volta das 4h. A dupla foi presa em flagrante e pode ser expulsa da unidade. Os dois alunos chegaram à academia, com outros dois estudantes, que decidiram não participar da ação. No quarto da jovem, eles tentaram beijá-la e agarrá-la à força. Foram autuados por atentado violento ao pudor e constrangimento com ameaça, crimes previstos no Código Penal Militar. As penas variam de um a seis anos de prisão. Em nota oficial, a PM informou ainda que os cadetes serão submetidos a Conselho Escolar de Disciplina. A mobilização em torno do caso começou ainda pela manhã. O comandante-geral, Luiz Castro, determinou apuração rigorosa e até o fechamento da escola para a preservação de provas. Agentes da Corregedoria da PM também foram para o local. Os envolvidos prestaram depoimento, na noite desta sexta-feira, na 2ª Delegacia de Polícia Judiciária Militar (DPJM). Depois eles foram levados para o Batalhão de Choque (BPChoque), no Centro, onde ficarão presos. A vítima também foi ouvida pelos investigadores. Ela foi submetida ainda a exame de corpo de delito no Hospital Central da Polícia Militar (HCPM), no Estácio. Os cadetes estavam fazendo curso de preparação para oficial, com duração de três anos. Já a recruta está estudando para se tornar soldado da PM, em prazo máximo de oito meses. Os alunos tinham autorização para deixar a unidade. A rotina na academia é considerada rigorosa. São proibidos, por exemplo, mascar chicletes e até assoviar. Os estudantes são recolhidos às 21h e, a partir das 22h, é considerado horário de silêncio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oficiais da PM?? Nunca serão!!! São futuros ex-PMs. Perderam a oportunidade que muitos gostariam de ter tido, mas a PMERJ insiste no erro de manter duas portas de entrada na Corporação. Todos deveriam ingressar na Polícia Militar como SOLDADOS!

      Excluir
  12. Só não entendi o porque, que eles foram para o batalhão de choque já que temos o BEP. Lugar de vagabundo é na ruaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa e não na PMERJ.

    ResponderExcluir
  13. A Folha de SP/UOL mostra um vídeo do tratamento dado aos nossos policiais do Rio.


    http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2013/09/1335942-policiais-militares-dormem-no-chao-em-alojamento-no-rio-veja-video.shtml

    Att. Jon

    ResponderExcluir