segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Divisão de Homicídios (DH) diz que tenente foi executado por traficantes, mas Corpo de Bombeiros o considera desertor

 
Mãe luta para limpar a memória de militar executado

Não bastasse a dor de perder o único filho de forma trágica, a dona de casa Rita de Cassia Coimbra Neves vem travando uma batalha para limpar a ficha do tenente do Corpo de Bombeiros Rodrigo José Neves Groetaers, de 22 anos. O militar desapareceu em fevereiro de 2012, em Bangu, e, segundo a Polícia Civil, foi morto por um traficante da Vila Vintém. Mas, como o cadáver jamais foi encontrado, o oficial é considerado por sua corporação um desertor.
“É muito humilhante. Meu filho fez três anos de academia para falarem que ele é desertor e fazerem isso com a memória dele. Eles (o Corpo de Bombeiros) sabem que a polícia já concluiu o inquérito que constatava a morte”, diz Rita de Cássia, chorando.
O caso foi investigado pela Divisão de Homicídios (DH). Um mês depois do desaparecimento, Dona Rita recebeu a visita de policiais e bombeiros em sua casa, em Jacarepaguá. “No dia 12 de março estiveram aqui o delegado Rivaldo (Barbosa, titular da DH) e mais algumas pessoas da polícia e dos bombeiros para me darem a notícia de que ele tinha sido morto por um traficante”, conta a mãe do militar, que espera uma posição dos Bombeiros.
“O que mais me revolta é não me darem resposta. Não precisam me pagar nada, mas não sujem a memória do meu filho como desertor. Ser bombeiro era o sonho do Rodrigo. O que me restou foi isso”.
Corporação diz não ter sido notificada sobre morte
Procurado pela reportagem, o Corpo de Bombeiros deu sua posição sobre o caso. Por meio de nota da assessoria de imprensa, a corporação afirma não ter sido notificada pela polícia da morte do tenente Rodrigo Groetaers e por isso não pode mudar a condição de desertor do militar.
“No caso do tenente citado, existe um processo de deserção na Auditoria de Justiça Militar. Sobre a informação da declaração de morte, a corporação ainda não foi notificada pela Justiça nem pela Polícia Civil”, diz a nota.
A mãe do tenente, no entanto, rebate a corporação. “Quando os policiais estiveram na minha casa para comunicar a morte havia bombeiros juntos. Oficiais, enfermeiros e até ambulância. Como então podem não ter sido notificados?”, indaga Dona Rita.
Polícia Civil à disposição
Segundo a Polícia Civil, o inquérito que apurou o desaparecimento e a morte de Rodrigo foi enviado ao Ministério Público. Sobre a posição dos Bombeiros, a assessoria da Policia Civil, em nota, informa que foi enviado à corporação relatório sobre a investigação e completa dizendo que o delegado Rivaldo Barbosa está à disposição para quaisquer esclarecimentos que sejam necessários.
Entrou em rua errada
O desaparecimento de Rodrigo aconteceu no dia 12 de fevereiro de 2012. Ao sair de uma festa em Bangu, ele tomou o caminho errado para casa, na Praça Seca, e acabou entrando na Vila Vintém. O militar foi confundido com um miliciano e morto pelo traficante conhecido pelo vulgo de ‘Piranha’. Um mês depois, o bandido foi morto pelo sogro, e sua esposa procurou a polícia e contou os detalhes da morte do militar.

10 comentários:

  1. Se fosse pra fuder o bomba, antes de ter terminado o inquérito, já tava na rua

    ResponderExcluir
  2. fora coronel simoes!!!!!! BABAO DO SERGIO CABRAL CORRUPTO!!!!

    ResponderExcluir
  3. ///OS CEL.BOMBEIROS ADILSON PERINEI //VULGO TARADO DE MENORES E PEDÓFILO/// CONTINUA SOLTO RECEBENO SALARIO GORDO DE CORONEL E NAO FOI CONDENADO EXPULSO..E CEL.BM. PARAISO .TRAFICAnte DE ARMA S PARA BAMDIDOS Do brasil///////e drogas continua solto..quer pais e esse e cbmerj.sem justiça....

    ResponderExcluir
  4. A DIGNIDADE DOS MILITARES ESTADUAIS PRECISA SER DISCUTIDA, POIS TRATA-SE DE UMA CATEGORIA QUE PRESTA SERVIÇOS ESSENCIAIS À POPULAÇÃO!

    Salários baixos, pouca perspectiva e más condições de trabalho estão entre os motivos para o abandono da carreira policial-militar no Rio de Janeiro. A falta de interesse pela profissão é comum em todo o país. O que leva o Militar Estadual a tomar esta atitude é de cunho estritamente financeiro, tendo em vista a CRISE SALARIAL que assola a Corporação e a FALTA DE PERSPECTIVA PROFISSIONAL. Para onde vai o dinheiro público? "QUEM VIVE PARA PROTEGER, MERECE RESPEITO PARA VIVER."

    A Segurança Pública não é prioridade no Rio de Janeiro, pois o ESTADO não investe em seus profissionais. O Policial Militar do Rio de Janeiro não tem um salário digno! É preciso PRESERVAR O PODER AQUISITIVO do PM do Rio, REAJUSTANDO significativamente os SOLDOS da Corporação. O Governo do Estado do Rio de Janeiro, com a segunda maior arrecadação de impostos do Brasil, poderia pagar muito melhor os Bombeiros e Policiais Militares.

    O vencimento bruto do soldado PM/BM no RJ é de apenas R$ 2.077,25 (dois mil e setenta e sete reais e vinte e cinco centavos). O valor está R$ 815,22 abaixo do SALÁRIO MÍNIMO NECESSÁRIO, que foi estimado pelo DIEESE em R$ 2.892,47 (dois mil, oitocentos e noventa e dois reais e quarenta e sete centavos) e visa suprir as NECESSIDADES VITAIS BÁSICAS previstas no artigo 7º, inciso IV, da Constituição Federal de 1988. Sérgio Cabral precisa conceder somente 39,25% de reajuste salarial para cumprir o referido dispositivo constitucional.

    Como vamos sediar a COPA DO MUNDO de 2014 e os JOGOS OLÍMPICOS de 2016 se não conseguimos nem pagar um SALÁRIO DIGNO aos funcionários públicos que prestam SERVIÇOS ESSENCIAIS à população fluminense (Bombeiros e Policiais Militares)? É preciso oferecer o MÍNIMO DE DIGNIDADE aos integrantes da PMERJ e do CBMERJ. O Rio de Janeiro é a principal cidade do país, o CORPO DE BOMBEIROS e a POLÍCIA MILITAR FLUMINENSE não podem ter remunerações tão baixas!

    ResponderExcluir
  5. PM: Entrevista com a oficial Júlia Liers

    http://www.youtube.com/watch?v=fVglnLz5YX4

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prestem atenção no período compreendido entre 8:55 a 9:26:

      "A PROMOÇÃO PELO TEMPO DE SERVIÇO ACABA DESESTIMULANDO O POLICIAL MILITAR A ESTUDAR, PORQUE ELE ENTRA NAQUELE ESTÁGIO DE ACOMODAÇÃO E NÃO ESTUDA, E ISSO É MUITO RUIM PARA A QUALIFICAÇÃO DELE."

      Excluir
    2. Concordo com o que a Capitão falou no período compreendido entre 8:55 e 9:26.

      Excluir
  6. ELES ESTÃO PREOCUPADOS É COM O AMARILDO, PMERJ E CBMERJ NÃO INTERESSA AO GOVERNO AO MP E A OAB

    ResponderExcluir
  7. Esse era heroi d verdade; todo mundo na rocinha sabe do envolvimento da familia do amarildo cm o trafico de drogas agora o filho de 157,lei 11343,213&214 td cp/atualizado codigo penal foi tda familia de merda

    ResponderExcluir