sábado, 31 de maio de 2014

O Governo, usa e abusa do policial militar

 
Sou o CB PM lotado no 29 BPM, situado em Itaperuna interior do estado. 
 
Venho através deste informar os fatos relativos a utilização de 50 policiais de nossa unidade pelo 2° batalhão de campanha, situado na capital dentro do cfap . Fomos apresentados por nossa unidade no dia 22/05 onde tomamos conhecimento de nossa escala, e fomos informados que iremos trabalhar em turnos de 12x60 com inicio sempre as 9:00 . 
Seria uma ótima escala, não fosse o fato de termos que sair de casa as 2:00 da madrugada pra chegar as 9 da manha na capital . Somos todos militares estaduais e iremos cumprir nossa missão, mas nos deixa perplexos o descaso com o ser humano. Pois não queremos mais folgas que os outros policiais. Mais ao levar nossas dificuldades aos nossos superiores levamos também a solução, pois uma dobra de serviço com uma consequente dobra da folga já iria amenizar muito as cansativas viagens de mais de 6 horas de duração que estaremos sujeitos . Ao levar o problema e a solução ao comando do 2° batalhão de campanha fomos informados que a escala de 12x60 é determinação do estado maior geral da PMERJ e que não iria adiantar pleitear dobra de serviços e ponto final . 
Além disso a corporação não esta disponibilizando ônibus pra condução dos PPMM estão nos ameaçando caso não cheguemos em tempo sem prover nenhuma condição pra tal coisa. Não estamos recebendo passe para viagens de ônibus e nos foi informado que não será tolerável a apresentação do policial no batalhão mais próximo de sua residência caso o mesmo não tenha condições de chegar onde se encontra escalado . 
Dito o exposto gostaria de esclarecer ao ilustre deputado que caso os policiais venham a pagar do bolso suas passagens de ida e volta, ate o fim da copa iremos gastar em torno de 2 mil reais o que dispensa qualquer comentário quanto a inviabilidade, e a corporação em relação a isso se pronuncia dizendo que tem comida e cama pra todos no cfap, que se não pode ir pra casa que se mude pro cfap durante a copa, chegou a nosso conhecimento que não iremos receber as diárias pagas pelo governo federal a outras forças de segurança durante a copa , não temos condução por parte de nossa corporação nem respaldo para utilizar o regulamento a nosso favor, nos apresentando prontos pro serviço na unidade mais próxima. 
Por tanto a nós militares do interior só resta contar com o apoio deste meio de comunicação , pedimos que publiquem no blog essa denuncia pois já não temos a quem recorrer no âmbito interno da corporação . Certo de sua colaboração agradeço em meu nome e em nome dos outros 49 militares do 29° BPM que se encontram abandonados pela corporação nesse momento. 

RECEBIDO POR EMAIL: sosbombeiros.com@gmail.com

Justiça mandar soltar o vereador Marco Prisco

Agência Brasil


A Justiça Federal na Bahia mandou soltar o vereador Marco Prisco, que liderou o movimento grevista da Polícia Militar (PM) na Bahia. Ele está preso na Penitenciária da Papuda, no Distrito Federal. Na decisão, a Justiça impôs medidas cautelares, entre elas o afastamento de Prisco da presidência da Associação de Policiais e Bombeiros e seus Familiares do Estado da Bahia (Aspra).
De acordo com a decisão, Prisco não poderá frequentar quarteis militares e manter contato com diretores de associações de militares. O juiz também proibiu o vereador de sair de Salvador sem comunicar a Justiça e determinou que ele seja monitorado eletronicamente.
Marco Prisco foi preso em Salvador, no dia 18 de abril, mas foi transferido a Papuda porque a ordem judicial determinava que ele deveria ficar recolhido em instituição prisional federal.
Ele liderou movimento grevista dos policiais militares da Bahia, encerrado no dia 17 de abril. A prisão do vereador, no entanto, foi motivada por outra greve, também liderada por ele, em 2012. No ano passado, o Ministério Público Federal na Bahia denunciou Prisco e mais seis pessoas por crimes contra a segurança nacional durante essa paralisação.
Marco Prisco chegou a pedir habeas corpus no Supremo Tribunal Federal (STF), mas a defesa desistiu do pedido para libertá-lo. No dia 3 deste mês,  o vereador sofreu um infarto no presídio e ficou internado em um hospital público de Brasília.
Por causa desse problema de saúde, os advogados do vereador pediram ao Supremo que ele passasse a cumprir prisão domiciliar. Após o pedido, uma junta médica formada por dois profissionais do setor de saúde do STF fez um relatório e concluiu que Prisco “não apresenta, no momento, evidência de cardiopatia que exija tratamento hospitalar ou domiciliar”.
Com base na conclusão, no dia 16 de junho, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, havia pedido que o vereador fosse transferido para o presídio federal em Porto Velho, Rondônia.

Sem viatura, PMs vão de trem de Deodoro à Central do Brasil

JORNAL EXTRA

De acordo com os PMs, a locomoção via transporte público aconteceu porque a corporação não tinha viaturas suficientes. A PM, contudo, nega essa informação, e assegura que o procedimento é normal. De uma forma ou de outra, ainda segundo os policiais, apenas um ônibus, em várias viagens de ida e volta, foi usado para levá-los do Cfap, em Sulacap, até a estação de trem de Deodoro. De lá até a Central do Brasil, na média repassada pela SuperVia, um trajeto de 40 minutos, em vagões repletos de PMs — muitos deles obrigados a se manter de pé.
— Não deram nenhuma explicação oficial, só falaram que seria assim e pronto.







quinta-feira, 29 de maio de 2014

Líder comunitário é preso por receptação no Centro de Niterói

 Policiais do 12º BPM (Niterói) lotados na 1ª Companhia Destacada de Policiamento do Morro do Estado prenderam na tarde de ontem, em um dos acessos aos morros da Chácara e Arroz, no Centro, o presidente da Associação de Moradores, das duas comunidades, Carlos Eduardo Barros Lisboa, o Dudu, de 32 anos, e Denner Rodrigues Ângelo da Silva, de 19. Segundo a polícia, Denner foi detido dirigindo um Fiat Linea que seria clonado e pertenceria ao líder comunitário.
“Denner não portava habilitação e levantamos que o carro era clonado, tendo sido roubado de um casal na área da 34ª DP (Bangu) em 7 de fevereiro deste ano. O veículo estava com a placa e o chassis adulterados”, informou o delegado Gláucio Paz, da 76ª DP (Centro), onde o caso foi registrado. 
O delegado investiga se o veículo era usado por traficantes do Terceiro Comando Puro (TCP) para transportar drogas e armamento entre as comunidades controladas pela facção criminosa. Segundo Gláucio Paz, Dudu já possui passagem na área da 73ª DP (Neves), por posse de munições. Ele teria sido preso ano passado, portando 15 munições para fuzil. Dessa vez, foi indiciado por receptação, junto com Denner.
Na delegacia, parentes do líder comunitário disseram à polícia que Dudu havia comprado o carro sem saber que era roubado e clonado.

Disque-Denúncia divulga cartaz de responsáveis pelo tráfico na Cidade de Deus

O Disque-Denúncia lançou, nesta quarta-feira (28), o cartaz com as fotos de 10 criminosos que fazem parte do tráfico de drogas na Cidade de Deus, em Jacarepaguá, zona oeste do Rio de Janeiro.


Presos vendendo drogas na Vila Aliança

Cinco homens foram presos durante uma operação realizada por policiais militares do 14º BPM (Bangu), na Vila Aliança, em Senador Camará, na zona oeste do Rio, na tarde desta quarta-feira (28).
De acordo com a PM, durante a ação, os agentes surpreenderam os suspeitos comercializando drogas em uma barraca na linha férrea, próxima a Rua Coronel Tamarindo.
Com eles a PM apreendeu três granadas, 2.037 sacolés de cocaína, 288 trouxinhas de maconha, carregador de munição e um rádio transmissor.
A ocorrência foi encaminhada para a 34ª DP (Bangu).

Servidores do Degase pedem apoio na Alerj

SIND-DEGASE

Servidores do Degase estiveram na tarde desta quarta-feira (28) na Alerj (Assembleia legislativa). O objetivo do SIND-DEGASE foi pedir o apoio dos deputados para o envio imediato das mensagens de progressão e do reajuste salarial. O governador Pezão também esteve no parlamento.
Pezão discursou na Plenária para agradecer a doação de R$ 70 milhões para ampliação do programa das UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora).
Cerca de 40 servidores do Degase estiveram na casa legislativa e se juntaram a outras categorias que reivindicam também reajuste salarial.
Assembleia Geral com Indicativo de Greve
O grupo reuniu-se nas escadarias da Alerj após o discurso do governador e decidiu realizar uma Assembleia Geral com Indicativo de Greve na próxima quinta-feira (05/06), um dia após o prazo de 60 dias dado pela Justiça para que o Governo atenda as reivindicações da categoria.
Além do retorno imediato do Plano de Cargos e Salários e do Auxílio Risco, os servidores do Degase querem o mesmo índice de reajuste concedido aos inspetores penitenciários durante este Governo e não o índice que será dado à Educação conforme apresentaram os representantes do Poder Executivo na audiência de conciliação.



terça-feira, 27 de maio de 2014

Policiais apreendem uma tonelada de maconha na Vila Aliança

Policiais do 14ºBPM (Bangu), com o apoio do Batalhão de Operações Especiais (Bope), apreenderam na manhã desta terça-feira cerca de uma tonelada de maconha, na Vila Aliança, em Bangu, na Zona Oeste do Rio. Os agentes continuam realizando a operação na comunidade e dois suspeitos foram presos, além de quatro motos roubadas e duas pistolas apreendidas.
Na segunda-feira, agentes da 33ªDP (Realengo) já haviam realizado outra operação na comunidade, quando apreenderam cocaína com embalagens com imagens do mascote oficial da Copa do Mundo, o Fuleco. Além das drogas, os policiais apreenderam um fuzil Colt calibre 223, duas granadas, maconha e cadernos com anotações da contabilidade do tráfico.

segunda-feira, 26 de maio de 2014

Três PMs são baleados na Zona Oeste do Rio

Marco Aurélio da Silva do Nascimento foi atingido na cabeça quando chegava em casa, na Rua Abílio Barreto, em Guaratiba, por volta das 4h. O PM - que é lotado no 40º BPM (Campo Grande) e está cedido para o Batalhão de Campanha da Maré - foi abordado por bandidos e reagiu. Durante o confronto, Marco Aurélio foi ferido e levado para o Hospital estadual Rocha Faria, em Campo Grande. Segundo a Secretaria estadual de Saúde, o estado do sargento é grave.
Também de madrugada, o sargento Marcelo Santana foi baleado no peito ao reagir a um assalto que ocorria num posto de gasolina na Estrada do Campinho, em Campo Grande.  O PM é lotado no 18º BPM (Jacarepaguá) e também foi levado para o Rocha Faria. Seu estado é estável.
Um cabo lotado no 18º BPM (Jacarepaguá), que estava de folga, foi atingido por tiros, na manhã desta segunda-feira, quando caminhava pela calçada da Avenida Gemário Dantas. Dois suspeitos em uma moto teriam cometido o crime. O PM foi socorrido no Hospital Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca.

Bandidos vasculham UPA em busca de policiais feridos

Minutos após a Unidade de Policia Pacificadora da Cidade de Deus ter sido atacada por criminosos na noite deste domingo, quatro homens armados vasculharam a Unidade de Pronto Atendimento da comunidade em busca de policiais feridos. Um policial militar de uma cabine ldo 18º BPM (Jacarepaguá) localizada em frente à unidade de saúde comunica por rádio o fato. “UPA em frente a cabine. Elemento armado entrou e vasculhou a UPA e saiu. Mais três elementos no Peugeot” disse o policial por rádio. No ataque, que aconteceu a UPP da Cidade de Deus o cabo Vinícius Salles de Oliveira foi ferido no braço por um dos disparos. Tiros também estilhaçaram portas de vidro da sede da UPP. O cabo foi socorrido na UPA da Cidade de Deus e depois levado para o Hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, onde permanece internado sem risco de vida.

Confusão entre moradores e militares na Maré

A prisão de um rapaz terminou em confusão entre soldados do Exército e moradores da favela Nova Holanda, no Complexo da Maré, zona norte do Rio, na tarde do último sábado (24). Um vídeo divulgado no Facebook (veja abaixo) mostra parte do confronto entre moradores e ilitares. A confusão teria sido iniciada após a prisão de um jovem com drogas.

Sargento da PM é baleado e bandido morre durante tentativa de assalto

Um sargento da Polícia Militar foi baleado e um bandido morreu durante uma tentativa de assalto na tarde deste domingo (25), no bairro Esplanada, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense.
O PM do 20º BPM (Nova Iguaçu), identificado como Paulino Melo Huguenin, estava de folga, passeando de carro acompanhado de sua esposa, quando foi surpreendido por três homens armados em outro veículo que tentaram assaltá-los.  
Paulino reagiu, iniciando uma troca de tiros. Um dos bandidos foi atingido e morreu no local. O sargento levou um tiro no braço e outro de raspão no peito e foi levado para o Hospital da Posse, no mesmo município.
Com o  criminoso morto, foi apreendida uma pistola calibre 40. Um outro assaltante também foi baleado, mas conseguiu fugir com o terceiro comparsa.

domingo, 25 de maio de 2014

Policial militar é ferido em ataque a UPP da Cidade de Deus

JORNAL EXTRA
Um policial militar ficou ferido no fim da noite deste domingo após um ataque a Unidade de Polícia Pacificadora da Cidade de Deus. Segundo informações passadas pela sala de operações do 18º BPM (Jacarepaguá), por volta das 20h40min. deste domingo dois homens passaram em uma moto atirando contra a sede da UPP Cidade, que fica na Rua Edgar Werneck, próximo à praça da Cidade de Deus. O cabo Vinícius Salles de Oliveira, que estava dentro da base, foi atingido por um dos disparos no braço.
O policial foi socorrido na Unidade de Pronto Atendimento da Cidade de Deus, de onde foi levado para o Hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca. Ele permanece em observação, mas não corre risco de morte. Os dois homens que efetuaram os disparos conseguiram fugir. Policiais fazem buscas na comunidade para tentar localizar os criminosos.

PMs apreendem mais de 70 kg de maconha no Morro do Querosene

Policiais da UPP São Carlos realizaram a apreensão de 72 kg de maconha no Morro do Querosene, no Rio Comprido, na Zona Norte, na noite deste domingo. De acordo com os PMs, essa foi a maior apreensão desde a pacificação do complexo.
A droga foi encontrada dentro de uma casa durante patrulhamento que os policiais realizavam a pé na comunidade. Ninguém foi preso.

O major Rômulo André é apontado como um dos chefes da suposta quadrilha de policiais militares


O escândalo provocado por denúncia do Ministério Público (MP), que pediu a prisão preventiva de 12 policiais militares acusados de montar esquema de cobrança de propina a motoristas do transporte alternativo dentro do 6º BPM (Tijuca), parece não ter fim. O major Rômulo Oliveira André, apontado pela investigação como um dos principais mandantes da quadrilha fardada, trocou de unidade. O boletim interno 87 da Polícia Militar, publicado na segunda-feira, divulgou a transferência do oficial, que deixou o 27º BPM (Santa Cruz) para trabalhar no 14º BPM (Bangu).
O major foi citado pelo então sargento Adalci Dias de Carvalho em uma escuta telefônica feita com autorização da Justiça, no dia 6 de junho passado. Numa conversa com o colega Eduardo Carvalho Mendonça, Adalci comentou que iria retirar um carregamento de refrigerantes com funcionários da transportadora Della Volpe, responsável pela distribuição da bebida. De acordo com o Ministério Público, o diálogo mostra indícios de irregularidades.
Apesar da transferência, a corporação confirmou, por meio de nota, que os ‘policiais investigados estão afastados das ruas e fazem funções administrativas’. Segundo a PM, seis dos indiciados seguem no 6º BPM (Tijuca), onde o grupo atuava quando foi investigado.
O tenente-coronel Márcio de Oliveira Rocha, ex-comandante da unidade, pediu exoneração do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) no dia seguinte à publicação da primeira reportagem e voltou a integrar a Diretoria Geral de Pessoal (DGP), a ‘geladeira’ da PM. Em agosto do ano passado, três meses após escutas indicarem a liberação de três motos por determinação do comandante, Rocha deixou o 6º BPM para assumir o Batalhão de Choque.
O deputado estadual Altineu Cortes (PR) criticou a omissão da Polícia Militar no episódio e revelou que irá cobrar providências da Corregedoria Geral Unificada (CGU). “É uma vergonha a omissão da cúpula da PM nesse caso claro de corrupção. Será que é porque envolve oficiais?”, questionou.
O MP indiciou os policiais militares, acusados de arrecadarem mais de R$ 100 mil por mês, por formação de quadrilha, corrupção passiva, organização criminosa e prevaricação.
ESCUTAS
29 DE MAIO DE 2013
Acidentalmente, segundo o MP, Adalci deixa o celular ligado, o que possibilitou o grampo telefônico de uma conversa com os sargentos Marcelo Pereira Mariano e Márcio Luiz Sigolo Bastos sobre cobranças de propina da quadrilha fardada.
Marcelo - “Tem uma obra ali na Jaguari. Pode meter a p..., hein!”
Sigolo - “É na Rua Araxá”.
Adalci - “Não, tava falando com o tal de Marcelo. É o Marcelo lá da...”
Sigolo - “Da Charlie (setor C). É também”.
Marcelo - “Ih, não. Não tem nada com ele. Empurra mesmo, parceiro”.
Sigolo - “Mas tem uma coisa que eu quero te falar. Porra, aquele negócio daquelas van ali do... do Alto da Boa Vista pra Barra. Acabou, né?”
Adalci - “Acabou”.

Bandidos ameaçam a PM em São Gonçalo

PM DO RIO JÁ TEVE 5 COMANDANTES

ISTOÉ INDEPENDENTE

Segurança Pública
Pacificação...distante

Quem frequenta o Palácio Guanabara diz que já foram melhores as relações entre o secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, e o comandante-geral da PM, José Luís Castro Menezes.
A menos de um mês da Copa do Mundo, a situação da PM nas UPPs seria uma das divergências entre ambos. Com Beltrame no comando da política de segurança do Rio, a PM teve cinco comandantes em seis anos. A exoneração de Castro engordaria a estatística.

A dura realidade dos policiais militares lotados em UPPs

 BLOG DO GAROTINHO


Não deixem de ler o relato que me foi enviado por policial militar lotado em uma UPP, que mostra a dura realidade que ele e seus colegas enfrentam, a falta de estrutura e de condições até para se alimentar, e derruba o mito de que existe um convívio harmonioso entre policiais e moradores. Em seguida vou lhes passar outras informações importantes, que a imprensa nunca publicou para vocês entenderem melhor o que acontece nas UPPs.


Prezado futuro Governador do Estado do Rio de Janeiro. Bom dia Vossa Excelência.

Primeiramente agradeço pela iniciativa de tratar de assuntos de interesse da população carioca. E como trabalho em uma UPP vou restringir meu assunto à elas.

Eu trabalho na escala 12h x 12h e 12h x 60h, o que é massacrante, pois passamos a maior parte do tempo em pé. Com o passar das horas do plantão é comum sentirmos câimbras e dormências nas pernas. Porém se quisermos sentar para aliviar um pouco este mal-estar, temos que fazê-lo nos becos e vielas da comunidade, arriscando assim nossas próprias vidas pois acabamos por ficar exposto, longe do trailer onde a UPP está baseada.

Para diminuirmos esse risco, fazemos 1/4 (um quarto) de hora entre a nossa guarnição para que este repouso seja possível, sendo assim: Um soldado fica em pé vigiando, para o outro poder descansar por 15 minutos. Isso numa escala de 12 horas em pé! Para irmos ao banheiro é outra dificuldade. Temos que contar com a boa vontade dos pequenos comerciantes locais para que assim, possamos utilizar os banheiros de botecos e bares. Porém, no turno da madrugada, no qual todo o comércio local já está fechado, temos que fazer nossas necessidades fisiológicas nas ruas ou em matos, o que para mim é uma vergonha, sendo eu uma agente de polícia, uma representante da segurança pública do Estado.

Isso sem contar que em muitas comunidades, por ordem do tráfico, os comerciantes locais não podem vender nenhum tipo de alimento ou água mineral que seja para os policiais. Caso nós policiais quisermos fazer alguma refeição, precisamos sair da comunidades. Se perguntar à qualquer outro policial que trabalha em uma UPP, ele vai lhe confirmar todas estas informações.

Agora expresso meu questionamento: Será que com essas situações tão adversas e precárias, não merecíamos uma escala de trabalho melhor? É sabido que nosso trabalho é bem diferente de um policial lotado em um batalhão. Portanto, nós que somos desarranchados, precisamos urgente de uma escala de trabalho mais flexível, para vivermos com mais dignidade, e termos um repouso compatível, para que com isso, possamos prestar um serviço de excelência e mais qualidade à população do estado do Rio de Janeiro.

Atenciosamente


Realmente é uma situação complicada. Bem, para quem não é da Polícia Militar, o termo "desarranchar" é usado quando o policial não faz suas refeições no batalhão, no rancho. Nesses casos ele recebe uma verba para comer, que é hoje de R$ 180 por mês.

As UPPs (contêineres) não possuem nem geladeira, nem micro-ondas ou forno elétrico. Se o policial levar uma marmita vai ter que ficar fora da geladeira e depois comer tudo frio, se não estragar, como acontece no alto verão. Se sair da comunidade para comer, estará se ausentando da área da UPP, consequentemente será punido. Na comunidade os comerciantes não querem vender para eles, por ordem dos traficantes. E aí como é que fazem? Como disseram dois policiais militares de UPPs com quem conversei ontem, eles vivem de comer salgadinhos e biscoitos.

Além do problema da alimentação, os policiais se queixam de falta de coletes, armas velhas que emperram, além dos contêineres que não oferecem nenhuma proteção em caso de tiros.

Nada disso a imprensa noticia. Só se fala das "maravilhas", mas se esconde da população a dura realidade e o sofrimento dos policiais.

Polícia Militar do Rio faz escolta de carros-fortes


Oficial de Justiça é recebido à bala


A entrega de um mandado judicial acabou em tiroteio na manhã de ontem, no Morro do Bonfim (Niterói). De acordo com a PM, um oficial de Justiça foi até a sede do batalhão, na Avenida Jansen de Melo, e pediu apoio para entregar o documento na comunidade dominada pelo tráfico de drogas. Quando chegaram na entrada do local, os bandidos atiraram contra a viatura da polícia. 
O oficial de Justiça abandonou o local e os PMs pediram reforço do Grupamento Aeromarítimo (GAM). Houve intenso confronto no local, mas ninguém ficou ferido.

sábado, 24 de maio de 2014

Policiais de UPP entram em confronto com bandidos no Complexo do Alemão

JORNAL O DIA
Policiais da UPP do Complexo do Alemão entraram em confronto com bandidos durante um patrulhamento no Areal, na tarde deste sábado. Segundo a assessoria de imprensa das UPPs, os militares foram surpreendidos com tiros e revidaram. Os bandidos fugiram.
Em uma varredura na região do confronto, foi encontrada uma submetralhadora, deixada pelos bandidos e cinco bombas de fabricação caseira. A ocorrência foi encaminhada à 22ª DP (Penha).

CORONEL PAÚL EXPLICA EM VÍDEO ESCÂNDALO ENVOLVEND O SECRETÁRIO BELTRAME


Secretário de Segurança Beltrame e o escândalo das viaturas da PM
O vídeo é o primeiro de uma série a respeito das acusações feitas pelo Ministério Público contra o Secretário de Segurança Beltrame de improbidade administrativa e de superfaturamento de contratos de compra e manutenção de parte da frota operacional da PMERJ. 

ALERJ FAZ "MANOBRA" PARA PROTEGER BELTRAME

A Comissão de Segurança Pública e Assuntos de Polícia aprovou a convocação do Secretário de Estado de Segurança Pública José Mariano Beltrame, para esclarecer sobre a presença da Força Nacional na segurança do Rio de Janeiro, a convocação dos policiais militares no horário de folga e sobre o  processo por improbidade administrativa no superfaturamento das viaturas da PM. Mas o Presidente da ALERJ PAULO MELO anulou a convocação do Secretário que permanece blindado.

Soldado foi preso em flagrante ao tentar pegar uma arma utilizando o nome de outro PM


 Lotado no Batalhão de Policiamento em Grandes Eventos, o soldado Rodrigo Ferreira Rocio, de 27 anos, foi preso em flagrante ao tentar pegar uma arma utilizando o nome de outro PM num quartel. Há pouco mais de dois anos na corporação, ele também é suspeito de ter furtado pelo menos sete armas em quatro unidades diferentes da corporação. 
A prisão ocorreu no 9º BPM (Rocha Miranda), na manhã desta sexta, quando o PM, que estava de folga, apresentou-se na Reserva Única de Material Bélico do batalhão. Ele disse que estava escalado para trabalhar no Regime Adicional de Serviço (RAS) e deu o nome e registro de outro policial. 
No entanto, para azar do soldado Rocio, o policial citado por ele, coincidentemente, estava de serviço e já havia se apresentado e recebido o armamento que lhe era destinado. Desconfiado, o sargento responsável pediu a identidade dele e descobriu a fraude. Para piorar sua situação, Rocio tinha colocado placa fria em seu veículo — uma Fiat Tipo cinza — para dificultar sua identificação. Ele recebeu voz de prisão e foi encaminhado à Unidade Prisional da PM, antigo BEP, em Benfica. 
A Polícia Militar investiga a informação de que o soldado já teria levado uma pistola do 14º BPM (Bangu), outras duas do 41º BPM (Irajá) e quatro fuzis (sendo três do Batalhão de Choque (BPChoque e um do Regimento de Polícia Montada Coronel PM Enyr Cony dos Santos). Cada pistola .40 e cada fuzil 556 podem ser vendidos, no mercado negro, em média, por R$ 5 mil e R$ 30 mil, respectivamente. Será feito um levantamento de todas as unidades onde houve registro de sumiço de armamento e haverá investigação de cada caso para apurar se houve a participação do soldado — que já responde por falsificar uma papeleta médica, quando lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Providência, para ficar de licença durante dez dias.

Recompensa de R$ 1.000 por traficantes suspeitos por morte de PM

 O Disque-Denúncia oferece recompensa de R$ 1 mil para informações sobre a localização dos traficantes Eduardo Pereira Maciel, o Eduardinho 2D; Sérgio Luiz Rodrigues Ferreira, o Salgueiro ou Problema; e José Luiz Moreira da Silva Filho, o Zé Pequeno. Eles são suspeitos de participação no tiroteio na favela da Lagoa, em Magé, baixada fluminense, que terminou com um policial morto e dois feridos, na noite de quinta-feira (22).
O sargento Fábio de Melo da Silva, de 38 anos, foi baleado na cabeça, chegou a ser levado para o Hospital Estadual Adão Pereira Nunes, em Saracuruna, Duque de Caxias, na baixada fluminense, mas não resistiu aos ferimentos. Há 12 anos na PM, ele era casado e tinha duas filhas.
Na operação, o comandante do Batalhão de Magé (34º BPM), tenente-coronel André Henrique Oliveira da Silva, foi ferido de raspão na mão, mas passa bem. O subtenente Hebson de Oliveira Carvalho foi atingido por dois tiros no braço e operado no Hospital Adão Pereira Nunes.

sexta-feira, 23 de maio de 2014

PM suspeito de matar taxista após briga na porta do Barra Music é preso

Rafael Guedes Soares, 27 anos, suspeito de matar a tiros o taxista Rafael José Rodrigues, 31 anos, em frente ao Barra Music após uma briga, na madrugada do último sábado, foi preso em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, na noite desta sexta-feira. Soares é soldado da Polícia Militar e lotado no 22º BPM (Maré). Ele foi identificado por agentes da Divisão de Homicídios (DH) graças a imagens de circuito interno perto da casa de shows, que mostraram a placa de seu carro e possibilitaram o rastreio.
Antes da prisão de Rafael, outro policial foi ouvido na DH e negou envolvimento com o crime. De acordo com testemunhas, a briga aconteceu por desavença quanto ao preço que o taxista cobraria para passar por uma blitz da Lei Seca com o carro do policial.

“O Rafael teria que dirigir o carro dele e depois voltar a pé. Ele cobrou R$ 100 e falou que, se ele não quisesse pagar, poderia consultar outra pessoa”, disse uma das testemunhas, que prefere o anonimato. A revelação causou indignação na família do taxista, que tem irmã, cunhado e cunhada na corporação. “Não consigo aceitar que um colega de farda tirou a vida do meu irmão. Como PM, aprendi a cuidar dos outros, a ser cordial, a fazer com que a população se aproxime da gente”, desabafou a irmã da vítima, Rafaele Rodrigues, 29 anos, há dois na corporação. “Não admito que esse homem use a farda que amo e respeito.”

Aluno que dançou em vestiário ganha apoio de Marcelo Freixo para continuar na PM

Jornal O DIA
Para continuar na PM, Rafael Francisco Carvalho ganhou ontem um aliado de peso: o presidente da Comissão de Direitos Humanos e Cidadania da Alerj, Marcelo Freixo (PSol). Ele defendeu a permanência do aspirante na corporação. “O que prejudica a imagem da PM é a violência, a tortura em episódios de treinamento, como aconteceu com a morte de Paulo Aparecido”, afirmou o deputado, referindo-se ao episódio no qual o jovem e mais 32 alunos passaram mal em um treinamento no Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças (Cfap), no final do ano passado.
“Se esse rapaz que dançou for expulso será mais um ato de violência da PM. E não é essa PM que a sociedade clama. É preciso uma visão menos militar dos fatos”, analisou Marcelo Freixo.
Sonho virou pesadelo
O sonho de Rafael de virar policial militar virou pesadelo por causa de uma dancinha desengonçada. De cueca, ele foi filmado por colegas num vestiário da PM. O vídeo foi parar na internet, e o que seria apenas brincadeira se transformou em drama para o jovem e outros dois aspirantes. Eles, que se formariam hoje, às 10h, no 20º BPM (Mesquita), na Baixada Fluminense, e fariam o juramento como militares, foram proibidos de participar da solenidade.
O trio será submetido a Conselho Escolar de Disciplina (CED) e pode ser expulso da corporação em tempo recorde. Além de Rafael, uma aluna que filmou a dança e outro que publicou o vídeo foram punidos. De acordo com a PM, a formatura dos estudantes fica pendente até a decisão do CED.
Nas imagens, ele dança de cueca puxando a camiseta contra o corpo animadamente. Outros policiais também assistem ao ‘show’. Procurada, a PM informou que abriu investigação para apurar o caso. Para o deputado estadual Flávio Bolsonaro (PP), vice-presidente de Comissão de Segurança Pública e Assuntos de Polícia da Alerj, Rafael deveria ter feito prova para o grupo Gaiola das Popozudas e pedido vaga para o clipe da música ‘Beijinho no ombro’, da cantora Valesca Popozuda. Porém, ainda segundo ele, ser expulso da corporação seria uma espécie de pena administrativa de morte.
O parlamentar defende que a PM tem transgressões muitos mais graves para combater. “Foi um momento de descontração. A PM tem que expulsar aquele que vende armas para traficantes de drogas, que mata e extorque as pessoas nas ruas”, analisou o deputado.

quinta-feira, 22 de maio de 2014

Policial morre após tiroteio durante confronto na favela da Lagoa em Magé


Um cabo da PM morreu, e dois policiais ficaram feridos, entre eles o comandante do 34º BPM (Magé), durante uma operação no bairro Lagoa, no mesmo município. O militar morto foi baleado na cabeça e não resistiu. Já um subtenente foi atingido no ombro e passa por cirurgia no Hospital de Magé, e o tenente-coronel André Henrique de Oliveira da Silva, que comanda a unidade, foi baleado de raspão na mão, mas passa bem.
Policiais do 34º BPM, acompanhados inclusive do comandante da unidade, fazem uma operação na Lagoa para tentar prender os criminosos que participaram do confronto que terminou com os militares feridos.

Construção da 'arena VIP' do tráfico


Campo de futebol com grama sintética, cobertura, churrasqueira, piscina e até uma área que seria usada como camarote. O complexo de lazer estava sendo construído por traficantes do Terceiro Comando Puro (TCP) no alto do Morro da Serrinha, em Madureira, Zona Norte do Rio. Mas as obras do local, que era chamado de ‘Arena VIP' pelos bandidos, foram interrompidas por policiais do 9º BPM (Rocha Miranda), que ocupam a favela há uma semana.
Segundo a polícia, o projeto era bancado pelo chefão do tráfico na Serrinha, Walace de Brito Trindade, o Lacosta. Grande quantidade de material de construção, como tijolos, areia e pedras, foi deixada pelo bando no local. Ainda de acordo com os PMs, moradores eram impedidos de usar a área de lazer da bandidagem. Além da parte para fazer churrasco que estava praticamente pronta, o campo de futebol já tinhas as traves e receberia grama sintética em breve.
Policiais militares afirmam que todo o material da obra foi levado para o alto da comunidade por mototaxistas, que foram obrigados pelo chefão do tráfico a fazer o transporte. Na Rua Licurgo, na localidade conhecida como Raia, os bandidos também se apossaram de uma antiga quadra de esportes para construir uma piscina. Assim como na parte alta, a área seria vetada para quem não fosse da quadrilha ou parente dos criminosos.

quarta-feira, 21 de maio de 2014

Policial Militar é baleado no rosto no Complexo do Alemão



Lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Nova Brasília, o soldado Fernandes  foi baleado no rosto, na noite desta quarta-feira. Ele estava dentro de uma viatura, quando criminosos passaram atirando contra o carro.
O policial foi levado para a UPA do Alemão, e em seguida transferido para o Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha. 

Aluno da PM é punido após dança em vestiário da corporação

O aluno da Polícia Militar filmado por colegas dançando em um vestiário da corporação foi identificado como Rafael Francisco Carvalho. O que seria uma brincadeira se transformou de drama para o rapaz e outros dois alunos do curso. Eles iriam se formar nesta quinta-feira no 20º BPM (Mesquita) e fariam juramento como policiais, mas foram proibidos. O trio será submetido a Conselho Escolar de Disciplina (CED) e pode ser expulso da corporação em tempo recorde. Além de Rafael, uma aluna que filmou a dança e outro que publicou o vídeo foram punidos. De acordo com a PM, a formatura dos estudantes fica pendente até a decisão do CED. Nas imagens, ele dança de cueca colocando a camiseta contra o corpo animadamente. Procurada, a PM informou, nesta terça-feira, somente que o rapaz já foi identificado, bem como a unidade onde ele é lotado, e que abriu uma investigação interna para apurar o caso.

Polícia prende criminosos após publicação de fotos na internet

 Policiais militares do 9º BPM (Rocha Miranda) prenderam mais de 30 suspeitos e apreenderam cerca de 20 armas no Morro da Serrinha, em Madureira, no Subúrbio do Rio, no prazo de uma semana. Todos serão encaminhados para o Complexo Penitenciário de Gericinó.
Entre os presos, estão três suspeitos de integrar a quadrilha do traficante Marcelo Santos das Dores, conhecido como Menor P, que atuava no Conjunto de Favelas da Maré, na Zona Norte do Rio. Eles foram identificados após a publicação de fotos em redes sociais. Nas imagens, os suspeitos apareciam segurando um fuzil de uso exclusivo das Forças Armadas.

O secretário de Segurança do Rio deveria ser afastado do cargo

O Ministério Público (MP) ajuizou ação na 7ª Vara de Fazenda Pública pedindo a condenação por improbidade administrativa do secretário de segurança pública JOSÉ MARIANO BELTRAME e da sua ex-colaboradora Suzy das Graças Almeida Avelar, além dos gestores da empresa Júlio Simões Logística S/A. 


   O caso envolvendo superfaturamento na Secretaria de Segurança ganhou novos capítulos nesta terça-feira (20). O deputado estadual Geraldo Pudim (PR-RJ) protocolou um recurso na Corregedoria da Polícia Federal no Rio de Janeiro pedindo providências administrativas e policiais. Beltrame está sendo acusado de improbidade administrativa após denúncias investigadas pela 7ª Promotoria da Tutela Coletiva e pelo Tribunal de Contas do Rio. Pudim entende que, com base na legislação, Beltrame deveria ser afastado do cargo que ocupa no governo e responsabilizado disciplinar e penalmente, como acontece com policiais federais envolvidos em irregularidades.
A ex-subsecretária de Gestão Estratégica na Secretaria de Segurança, Susy das Graças de Almeida Avellar, que é alvo de investigação do Ministério Público no esquema de superfaturamento de viaturas da Polícia Militar, foi assessora de Planejamento e Orçamento do Detran entre 2003 e 2006. Quem confirma a informação é o deputado federal Hugo Leal (PROS), que de 2003 a 2005 foi presidente do órgão. Susy, ao lado do secretário de Segurança José Mariano Beltrame, é acusada de improbidade administrativa no caso das viaturas.
LEIA A REPORTAGEM COMPLETA NO JORNAL DO BRASIL 

PMs trocaram tiros com criminosos na Cidade de Deus e Morro do Fogueteiro

 Os policiais da UPP faziam o patrulhamento de rotina no Morro do Fogueteiro quando foram surpreendidos por homens armados em uma rua da comunidade. Durante o tiroteio, um cabo da PM foi ferido na mão. Ele foi socorrido por outros policiais e levado para o Hospital Central da Polícia Militar, onde passou por uma cirurgia.
Durante a madrugada, houve confronto também entre policiais e criminosos na Cidade de Deus. O movimento de policiais, na manhã desta quarta, era intenso na comunidade. De acordo com informações da Polícia Militar, agentes da UPP faziam patrulhamento na região quando se depararam com os bandidos. Houve tiroteio e um carro da polícia foi atingido por pelo menos seis disparos. Um PM ficou ferido, foi levado para o Hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, e liberado em seguida. Ninguém foi preso e não houve apreensão.

terça-feira, 20 de maio de 2014

LIMITAÇÃO DA CARGA HORÁRIA NA PMERJ / AUDIÊNCIA PÚBLICA NA ALERJ

 Meus Amigos.
Desde 2013 alerto para os malefícios – para a tropa e para a sociedade – resultantes da excessiva carga horária imposta a PPMM do RJ (relembre: http://youtu.be/OowYIXTrTRY) e, após minha representação e várias denúncias encaminhadas a sua Ouvidoria, o Ministério Público (MP) propôs um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) ao Governador Pezão.
      Dentre outros pontos, segundo o MP – e agora não é mais só o Bolsonaro “querendo ganhar votos em ano eleitoral”, como insistem em difamar alguns na PMERJ – “estudos e pesquisas (a que muitos de vocês responderam por e-mail a meu gabinete) mostram que a exposição dos PMs a carga de trabalho excessiva é o principal motivo para o estresse profissional. Isso pode provocar abalo emocional, frustração com a corporação, dificuldade de relacionamento com a comunidade e a família, acarretando prejuízos físicos e psíquicos.”
      A audiência pública, cancelada na semana passada, sobre a “Necessidade de Regulamentação da Carga Horária de PPMM”, será realizada na Alerj, na próxima quinta-feira (22/Maio), às 14 horas, conforme convite abaixo:
CARGA HORÁRIA DA PM EM DEBATE NA ALERJ

FLÁVIO BOLSONARO
Deputado Estadual RJ
http://www.twitter.com/flaviobolsonaro
deputado@flaviobolsonaro.com.br

Pezão nega aumento para a Polícia Civil

JORNAL O DIA
O governador do estado, Luiz Fernando Pezão, comentou nesta terça-feira sobre a prometida paralisação de policiais civis, prevista para esta quarta. Ele negou a possibilidade de aumento para a categoria, a principal reivindicação dos sindicatos. Os agentes cruzam os braços por 24 horas em adesão à paralisação nacional convocada pela Confederação Brasileira de Trabalhadores Policiais Civis (Cobrapol)
"Teve uma decisão do Supremo proibindo esse greve. As reivindicações são justas de todos os segmentos, mas aqui a gente fez o dever de casa. Claro que se puder dar mais, darei mais. Mas não agora. Acabei de dar um reajuste de 12%", disse Pezão.
A categoria dos policiais pede a incorporação da gratificação do programa Delegacia Legal ao salário, o que representaria um aumento de R$850. Pezão lembrou a Lei de Responsabilidade Fiscal para dizer que não cometeria "nenhuma loucura" para atender às reinvindicações dos grevistas.



'Não vou cometer nenhuma loucura', diz o governador sobre a reivindicação dos policiais

"Não vou cometer nenhuma loucura dando um aumento que não possa pagar depois e perder todas as conquistas que tivemos. Não vou fazer isso no último ano de governo com a Lei de Responsabilidade Fiscal. Hoje o funcionalismo trabalha 30 dias e recebe no primeiro dia útil. Décimo - terceiro em dia. Então, essas conquistas a gente não pode perder".
O governador citou ainda dados sobre o investimento do governo com Segurança Pública. "Demos às forças de segurança mais de 120% de aumento nos mais de sete anos do nosso governo. Acabamos de dar o dobro do IPCA para os policiais militares e civis, agentes penitenciários e bombeiros. Quando entramos o estado gastava com Segurança Pública 2,2 bilhões de reais. Hoje gasta 9,4 bilhões de reais. Agora, para dar mais reajuste, tem que ter recurso".
Sobre o tamanho da adesão, o governador fez referência à greve dos professores, que segundo ele, acabou frustrada pela baixa adesão. "Não sei qual será a adesão. Os professores também decretaram e apenas 0,3% aderiram a greve. A gente tem que ver o que está por trás desses movimentos".
O presidente do Sindicato dos Funcionários da Polícia Civil (Fernando Bandeira), disse por sua vez que a categoria pode decidir deflagrar a greve a partir da próxima segunda-feira. "Nós vamos fazer uma assembleia na próxima segunda. O destino da greve vai ser decidido nessa reunião", declarou.
Decisão anunciada nesta segunda
A decisão foi anunciada nesta segunda-feira por dois sindicatos. O comissário Fernando Bandeira, do Sindicato dos Funcionários da Polícia Civil do Rio (Sinpol), disse que a expectativa é de que mais de 60% dos agentes não trabalhem, e que a categoria vai respeitar a norma de que 30% de efetivo tenha que trabalhar normalmente.
Segundo o presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Rio (Sindpol), Francisco Chao, os agentes vão atender todas as ocorrências de violência, como roubos, estupros e homicídios, além de prisões em flagrantes. No entanto, nenhuma investigação será realizada neste dia. “Nossa tentativa de negociar com o governo já dura um ano. O ex-governador Sérgio Cabral nos recebeu em dezembro e prometeu conversar, mas empurrou o caso para o atual, Luiz Fernando Pezão. Até agora não tivemos nenhuma resposta e o clima de insatisfação é muito grande na categoria”, afirmou Chao.
O complexo de delegacias Cidade da Polícia, no Jacarezinho, foi o local escolhido como ponto de encontro da categoria no dia da paralisação para discutir a situação. Dali, eles partem para o Clube Municipal, na Tijuca, onde haverá assembleia às 19h.
A remuneração base de um policial em início de carreira, gira em torno de R$ 939,14. Com as gratificações por tempo de serviço, cargo e do programa Delegacia Legal, pode chegar a R$ 3.700. A categoria quer que este última benefício, de R$ 850, seja incorporado ao salário, entre outras reivindicações.
Em nota, a Polícia Civil diz que considera inadequada a paralisação porque há negociação em andamento. “Todas as medidas necessárias visando o bom atendimento à população serão tomadas pela chefia, que acredita no bom senso da categoria para manter o canal de negociação aberto”, diz o texto. Cerca de 40 policiais participaram ontem de reunião na sede do Sinpol, no Centro. A expectativa era de que 850 agentes participassem. Na sexta-feira, o Sinpol promoverá um ato, às 10h, em frente à Chefia de Polícia Civil, também no Centro.

Policiais civis de vários estados decidem fazer paralisação na quarta-feira


 Os sindicatos dos policiais civis dos estados de Alagoas, Bahia, Minas Gerais, Pará, Rio de Janeiro, Paraíba, Rondônia, Santa Catarina e São Paulo decidiram aderir a uma paralisação de 24 horas na quarta-feira (21). O ato é organizado pela Confederação Brasileira de Trabalhadores Policiais Civis (Cobrapol) e visa um nivelamento do salário dos policiais em todo o país e de melhores condições de segurança e infraestrutura para a categoria.
De acordo com o presidente do sindicato dos policiais civis do Estado do Rio de Janeiro, Fernando Bandeira, todos os setores do órgão vão aderir à greve, respeitando o mínimo de 30% em serviço, como previsto na lei. Em um nova assembleia na quarta-feira (21), a categoria vai decidir se a paralisação se estenderá. A incorporação das gratificações de serviço, o aumento no valor do tíquete-refeição e do vale transporte são as principais reivindicações do Sinpol. Continue lendo PORTAL G1

PM baleado durante tiroteio na Avenida Brasil


Um tiroteio na Avenida Brasil deixou um policial militar e dois bandidos feridos, na noite desta segunda-feira. O confronto aconteceu na saída da Rodovia Presidente Dutra para a Avenida Brasil por volta das 22h.
Segundo as primeiras informações, policiais do 41°BPM (Irajá) acharam suspeita a ação de seis homens em um Voyage prata. Os suspeitos não obedeceram a ordem de parar e tentaram fugir, iniciando a perseguição com troca de tiros. O confronto terminou na altura do Conjunto Residencial João Adil de Oliveira, conhecido como Conjunto Amarelinho, em Irajá, onde os criminosos tentaram refúgio. Quatro foram capturados e dois conseguiram fugir.
Mauro César Santos, de 28 anos, e Wagner da Silva Rodrigues, de 43, e Anderson Adão, de 26, foram encaminhados para a 39ªDP (Pavuna), onde o caso foi registrado. Com o bando, os PMs apreenderam uma pistola 9mm, munições, dois carregadores e uma granada.
Durante o tiroteio, a viatura policial e um táxi foram atingidos. O cabo Santana, com ferimentos na boca e no braço, foi levado, com a ajuda de um taxista, para o Hospital Federal de Bonsucesso e transferido para o Hospital Central da Polícia Militar, no Estácio. Os dois criminosos baleados foram levados para o Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha, onde um permanece internado sob custódia.

segunda-feira, 19 de maio de 2014

Policial militar é encontrado morto dentro de casa

Um policial militar foi encontrado morto, na noite deste domingo (19), na Rua Délio Guaraná, 89, no bairro do Éden, em São João de Meriti, na Baixada Fluminense. Uma jovem, que estava acompanhada do PM, também foi morta. 
O policial foi identificado como Bruno Paolo dos Santos Couto era lotado na Coordenadoria Especializada em Tecnologia da Informação e Comunicação (Cetic). A jovem Bárbara Guimarães de Melo seria a namorado do policial.
Testemunhas contaram que a casa onde o Bruno morava estava aberta. Vizinhos foram conferir e encontraram o casal sem vida. O fato aconteceu por volta das 19h. Policial militares foram acionados.
Ainda não há informações sobre os assassinos. A Delegacia de Homicídios da Baixada assumiu as investigações do crime.


Habeas corpus de Prisco é julgado nesta terça

 
O habeas corpus do vereador Marco Prisco (PSDB) será julgado nesta terça-feira (20), às 14h, no plenário do Superior Tribunal Federal (STF). O julgamento consta na pauta da Corte e está sob relatoria do ministro Ricardo Lewandowski. A informação é do advogado do edil, Vivaldo Amaral, que fará a defesa no STF, que será desenvolvida no tempo de 15 minutos. Em abril, Lewandowski negou um pedido de liminar para a soltura de Prisco.  Prisco ainda está internado no Hospital Regional da Asa Norte, para onde foi levado desde o último dia 4, após uma suspeita de infarto. Segundo o último boletim divulgado pela Secretaria de Saúde do Distrito Federal, ele aguardava a realização de uma endoscopia. Líder das últimas três greves da Polícia Militar baiana, o vereador está preso temporariamente há exatos 30 dias no Presídio da Papuda, em Brasília, por crimes contra a segurança nacional, praticados durante a greve de 2012. A ação judicial que desencadeou a prisão foi movida pelo Ministério Público Federal na Bahia (MPF-BA).

PM TERÁ QUE MARCAR PONTO

COLUNA DO SERVIDOR

Os policiais militares do Estado do Rio terão que marcar ponto eletrônico para controlara carga horária de  trabalho e assegurar, assim, o cumprimento da jornada de trabalho e a escala específicas da classe. A novidade integra o Termo de Compromisso de Ajustamento (TAC) de conduta entre o Ministério Público e o estado, a que O DIA teve acesso com exclusividade. O texto prevê diversas alterações nas rotinas administrativas da corporação. 
A PM também terá que respeitar um intervalo mínimo de descanso de trabalho de 12 horas. E regulamentar um sistema de compensação de horas de jornada de trabalho. Um dos trechos normatiza o uso dos equipamentos de proteção individual do policial militar. De acordo com o termo de compromisso, os PMs serão submetidos a exames periódicos. Também haverá adequação das condições dos ambientes de trabalho, garantindo o acesso à infraestrutura e equipamentos corretos. 
A partir da vigência da minuta, todos os policiais devem receber treinamento adequado para o uso dos equipamentos. Também haverá a preocupação quanto à oferta adequada de equipamentos de contenção não letais para cada PM. Por conta do alto número de afastamentos de policiais, haverá ações mais rígidas para preservara integridade física dos militares. Serão desenvolvidas ações que vão garantir o mapeamento dos riscos das atividades. O objetivo é adotar medidas preventivas e de acompanhamento da saúde dos policiais militares de acordo o tipo de atuação. 


domingo, 18 de maio de 2014

Auxílio-invalidez


Bombeiros, policiais militares, civis e inspetores de administração penitenciária que passaram a ter o direito de receber o auxílio-invalidez do governo do estado serão submetidos a uma perícia médica para comprovar que estão incapacitados para o trabalho. Publicada no último dia 5, a Lei 6.764/2014 aumentou o valor do benefício de R$ 2 mil para R$ 3 mil por mês e ampliou o número de casos em que a ajuda pode ser paga. Antes, apenas os paraplégicos e os tetraplégicos a recebiam. Agora, quem teve algum membro amputado ou foi acometido por alguma outra incapacidade física ou mental também poderá ganhar a quantia, desde que o problema de saúde seja comprovado.
Os novos contemplados deverão procurar suas corporações para abrir processos administrativos solicitando o pagamento. Vale lembrar que o auxílio-invalidez só é repassado se o motivo da incapacidade do policial, do bombeiro ou do inspetor penitenciário tiver sido causado por um acidente de trabalho.
No caso de quem já recebe o auxílio, haverá um reajuste do valor no pagamento relativo a este mês, cujo depósito está programado para o dia 2 de junho. Entretanto, parte dos R$ 3 mil previstos em lei ainda não virão agora. Isso porque, de acordo com a Secretaria estadual de Planejamento, como a lei que reajustou o benefício entrou em vigor no último dia 5, não foram abrangidos os 31 dias de maio. Assim , o valor a ser pago agora aos beneficiários será de R$ 2.870,97, passando para R$ 3 mil a partir da folha de junho, creditada em julho.
Atualmente, o governo do estado repassa o auxílio-invalidez a 66 servidores, sendo 56 policiais militares, cinco policiais civis e cinco bombeiros.
COMO REQUERER
polícia militar
O servidor deve procurar a Diretoria de Inativos e Pensionistas (DIP) para fazer um requerimento do benefício. O trâmite do processo dura, em média, 30 dias. A DIP fica no 4º BPM, na Rua Francisco Eugênio 228, em São Cristóvão.
Polícia Civil
Os requerimentos são feitos na chefia da corporação (Rua da Relação 42, no Centro do Rio) ou na unidade na qual o servidor trabalhou. Deve-se levar cópias da ata de inscrição de saúde e da publicação do ato de aposentadoria, e originais do contracheque atualizado e a da sindicância que apurou a causa da invalidez.
Corpo de Bombeiros
Procurar a DIP, na Praça da República 45, no Centro do Rio, dentro do Quartel Central. O valor é pago retroativamente à data do pedido.
Inspetores penitenciários
Ir à Secretaria estadual de Administração Penitenciária, na Praça Cristiano Ottoni s/nº, na Central do Brasil.

sábado, 17 de maio de 2014

Polícia Militar vai chamar 812 aprovados da seleção de 2010

A Polícia Militar do Rio foi autorizada, pelo governador Luiz Fernando Pezão, a convocar mais 812 aprovados no concurso para preencher vagas de soldado realizado em 2010. Serão chamados mais 566  homens e 246 para mulheres, que deverão se apresentar no Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças (Cefap), em Sulacap, na Zona Oeste do Rio, na sexta-feira, dia 23. Esse concurso ofereceu 3.600 oportunidades. Cerca de 13 mil já foram convocados. Até julho, vamos abrir um novo concurso para mais seis mil policiais — afirmou o governador. Em junho, outro edital será lançado com seis mil vagas para o mesmo posto de soldado. Será preciso ter nível médio completo, carteira de habilitação e idade de 18 (no curso de formação) a 30 anos (no ato de inscrição). Para o sexo masculino, a altura mínima exigida será de l,65m. Para as mulheres, de l,60m.

sexta-feira, 16 de maio de 2014

FALSO POLICIAL

Policiais da Delegacia de Roubos e Furtos (DRF) penderam, na noite desta quinta-feira, um suspeito de se passar por policial militar em Niterói. Anderson da Silva Oliveira, de 47 anos foi detido em flagrante, em São Gonçalo, pelos crimes de porte ilegal de arma e falsificação de documento público.


Coronel reformado quer calar o blog MILITAR LEGAL

JORNAL CAPITAL


O capitão da Polícia Militar Melquisedec Nascimento é alvo de uma ação cível indenizatória [danos morais] que tramita no Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, proposta por um coronel reformado da mesma corporação. Segundo o advogado Armando Junior, que defende o capitão, a ação é baseada em comentário feito por anônimo no blog Militar Legal, de responsabilidade de seu cliente.
 O advogado disse ao Capital que o processo movido contra seu cliente é oriundo de uma postagem que reproduziu uma notícia publicada por um grande órgão de imprensa em 2010, dando conta que um volumoso processo envolvendo 42 policiais com o jogo do bicho - a descoberta da fortaleza de Castor de Andrade, em 1994, a partir da Operação Mãos Limpas - perderia a validade em três meses. “O blog Militar Legal só procedeu e agiu como um ‘banco de dados’, não criando qualquer fato novo ou inverídico daquele já noticiado na imprensa”, explicou Armando Junior. 
- Entendo que, o autor da ação ‘atirou’ sobre o meu cliente para daí vir a forçar uma defesa ou contestação conflitante entre o responsável pelo Blog primário e secundário. Achando o autor da ação que o secundário possa auxilia-lo na luta real com o primário assim buscando com o conflito se beneficiar sobre o primário. Além disso, todos da instituição castrense conhecem a trajetória do capitão Melquisedec no seu ambiente familiar, social e, especialmente funcional, sua vida simples e sua vocação militar e como um agente de estado, até mesmo o autor sabe, todos sabemos, o Fluminense Football Club sabe - dissertou o advogado.
Ao ser perguntado se a ação poderia ser uma nova tentativa de cercear seu cliente de exercer o direito à manifestação, visto que o blog é um dos mais influentes junto ao corpo de policiais militares do Estado, o advogado afirmou: “...obviamente essa é uma possibilidade e sempre existe a tentativa de calar a voz de qualquer cidadão que exerce seu direito de opinião, garantindo pela Constituição Federal, principalmente quando esse cidadão é um policial militar”.
A “fortaleza” do contraventor Castor de Andrade, que funcionava na Rua Fonseca 1040, em Bangu, foi estourada por uma operação do Ministério Público em 1994, quando promotores encontravam uma “lista do bicho” contendo registros de pagamentos de propina, da qual constavam 42 policiais. No 'bunker' de Castor, foram apreendidos US$ 3 milhões. A ação ganhou grande destaque no noticiário de grandes órgãos de imprensa.

Rapaz preso no Caramujo tinha foto portando fuzil no telefone celular

 Policiais da 78º DP (Fonseca) estão investigando imagens encontradas no celular de Márcio de Carvalho Melchiades da Silva, de 21 anos, preso na noite de terça-feira, durante operação de policiais do 12º BPM (Niterói) no Complexo do Caramujo, em Niterói.
 
De acordo com a polícia, enquanto tentava fugir do cerco formado pelos PMs, Márcio ligou para um criminoso identificado apenas como Telhado, supostamente para falar sobre a ação na comunidade. Segundo as investigações, Telhado é apontado como líder do tráfico da comunidade e é investigado por agentes da Divisão de Homicídios por participação na morte do sargento da PM Joílson da Silva Gomes, no final de fevereiro. 
 
Além dos telefonemas, a polícia encontrou no celular do acusado diversas fotografias dele posando com armas de grosso calibre. Em uma delas, Márcio aparece portando dois fuzis. Em outra imagem, ele posa com um fuzil equipado com mira telescopia e carregadores. 
 
Ainda de acordo com a polícia, Márcio, que já possuía outras anotações criminais, seria morador do Morro do Cantagalo, na Zona Sul do Rio, e estava no Caramujo passando um tempo na casa de parentes. 
 
Policiais da DH vão investigar se ele também está envolvido no assassinato de Joilson.

Disque-Denúncia oferece R$ 20 mil por informações sobre chefe da Vila Aliança


O Disque-Denúncia (2253-1177) está oferecendo R$ 20 mil para quem oferecer informações sobre o traficante Rafael Alves, de 31 anos. Conhecido como Peixe, ele é o chefe do tráfico da Vila Aliança, na Zona Oeste, e está foragido desde 2009. Ele seria o "proprietário" do time de futebol que disputou o campeonato amador de futebol da comunidade, em março, com o uniforme da seleção brasileira.

Associações de policiais militares descartam greve

Associações preferem, primeiro, negociar com o comando da PM e o governo 
A Associação de Praças da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros Militar do Rio de Janeiro (Aspra) e a Associação de Militares Auxiliares e Especialistas (Amae) descartaram, ontem, o início de uma greve dos PMs. Na semana passada, policiais militares compartilharam, pelas redes sociais, mensagens de uma possível paralisação a partir do dia 15 de junho. Esta semana, a informação era que a categoria cruzaria os braços já no dia 26 de maio.
— Primeiramente, queremos decidir que propostas vamos apresentar ao governador, já na semana que vem disse Vanderlei Ribeiro, presidente da Aspra.
O capitão Melquisedec Nascimento, presidente da Amae, disse que a associação é contrária à greve. 

DEBATE SOBRE O RAS COMPULSÓRIO

Deputado Paulo Ramos debate com Vanderlei Ribeiro (presidente da ASPRA) sobre a suspensão das folgas dos policiais militares visando aumentar o efetivo policial nas ruas.

quinta-feira, 15 de maio de 2014

Coronel da PM dá detalhes sobre denúncias contra Secretaria de Segurança

JORNAL DO BRASIL


O Ministério Público ajuizou a ação civil pública contra o Secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, pedindo o bloqueio de seus bens e a suspensão dos direitos políticos por oito anos. Beltrame é acusado de improbidade administrativa após denúncias investigadas pela 7ª Promotoria da Tutela Coletiva e pelo Tribunal de Contas do Rio de Janeiro. O TCE observou “claros indícios de superfaturamento de preços” em três contratos assinados pela Secretaria de Segurança e duas empresas do grupo Júlio Simões. Em sua acusação, o Ministério Público observou que foram apresentadas notas fiscais genéricas e relatórios sintéticos, além do pagamento por serviços não prestados.
Os contratos foram assinados para a aquisição, gestão e manutenção de viaturas policiais. Segundo o Ministério Público, “os valores gastos a título de gestão de frota e manutenção dos veículos se aproximam do dobro do valor gasto com a aquisição dos veículos”. Assim, em dois anos e meio de contratação, seria possível adquirir dois veículos zero quilômetro por preço inferior ao pago por um veículo e por sua manutenção e gestão. Ainda assim, haveria uma sobra de cerca de R$ 67 mil.
O Ministério Público também observou que ao longo de quase quatro anos, o governo do estado efetuou um pagamento mensal no valor de R$ 100 mil por um serviço que deveria ser prestado pela contratada. O sistema de gestão online, contudo, não foi executado durante esse serviço.
A denúncia
Os contratos firmados pela Secretaria de Estado de Segurança do Rio (Seseg) com o grupo Júlio Simões, no período de 2008 e 2009, haviam sido denunciados ao Ministério Público Estadual pelo ex- Corregedor da Polícia Militar, coronel Paulo Ricardo Paúl, no ano de 2009. Paúl teve acesso ao conteúdo do contrato e afirma que as cláusulas garantiam uma negociação "casada", ou seja, para compra e manutenção da frota da PM. "O comando da PM na época não aceitou esse acordo, então foi feito pela Secretaria de Segurança", contou o coronel.
Pelas informações de Paúl, cada carro comprado da marca Gol saiu a R$ 110 mil, pagos até o final do contrato que foi parcelado em 30 meses. Os serviços de manutenção incluíam troca de óleo e troca de pastilha de freio, entre outros. "Eu comecei a receber as denúncias sobre esse contrato absurdo de outros colegas da corporação, em 2009. Fiz um relatório com todos os dados coletados e dei entrada no Ministério Público no dia 24 de agosto de 2009, que por sua vez abriu um inquérito civil", afirmou o coronel Paúl, que também contou que solicitou à PM uma cópia do contrato no dia 23 de julho de 2009, mas o seu pedido foi negado pela corporação.
"Por ter passado pela Corregedoria, as pessoas confiavam muito em mim e me procuravam para denunciar casos como esses", destacou o coronel. Uma outra denúncia recebida por Paúl dizia respeito ao conserto das viaturas em caso de colisão. "É de praxe a corporação pedir o orçamento para três empresas do setor e optar pela melhor oferta. Quanto ao pagamento ele é feito pelo militar, se ficar comprovado que a batida foi causada por ele. Pois bem, recebi a denuncia que os inquéritos técnicos abertos para investigar os acidentes, sempre apresentavam os nomes das mesmas empresas, uma delas era a Júlio Simões e as outras duas ficavam em Olaria. Com isso, podemos considerar que o policial também era lesado nessa negociação, já que o preço do prejuízo saía do bolso dele", afirmou Paúl.         

O contrato assinado entre Seseg e o grupo Julio Simões não abrangia a manutenção de toda a frota da PM, segundo Paúl. "Somente os carros novos eram atendidos pela Julio Simões. A outra parte da frota era mantida da mesma forma de sempre, ou seja, sem os recursos da PM. Como isso era possível? Com o excedente da verba do 'rancho' [nome dado às verbas para alimentação] ou por 'vaquinhas' feitas pelos próprios policiais. Aquelas viaturas da marca Hilux apresentam muito problemas no disco de embreagem e acabaram encostadas, porque não eram mantidas pela empresa contratada e nem a PM tinha verba para consertá-las. Essa é a realidade da corporação", contou o coronel. O oficial levantou um questionamento que ele acredita ser importante: "se esse contrato era tão vantajoso como foi considerado na época pela Seseg, por que não estenderam o mesmo acordo para a Polícia Civil?", pergunta o coronel.
O coronel Paúl lembrou que 12 executivos da empresa Julio Simões foram presos durante a Operação Nêmesis, deflagrada no ano de 2009, na Bahia, que apurou fraudes em contratos de compra e manutenção de 191 viaturas da Polícia Militar da Bahia, assinados por empresários da empresa, lobistas e representantes do alto escalão da PM. Os executivos presos estavam com R$ 46 mil que servia de propina para pagamento dos envolvidos no esquema.
A Júlio Simões criou mais uma empresa para compor o seu grupo, a CS Brasil Transportes de Passageiros, Serviços Ambientais e Engenharia, como consta na Ata de Reunião da Diretoria realizada no dia 01 de julho de 2009. A nova empresa atual em Mogi das Cruzes, em São Paulo. Um vídeo postado no Youtube por um internauta critica os serviços da CS Brasil.

Acusações
A ação civil pública apresentada pelo Ministério Público pede a condenação de todos os envolvidos no esquema. O Coronel da Polícia Militar, Álvaro Rodrigues Garcia, responde por ter homologado o processo licitatório na modalidade Pregão Presencial nº 23/2010 e firmado o contrato nº 46/PMERJ/2010, autorizando as despesas e os pagamentos superfaturados. Já o Grupo Júlio Simões é responsabilizado por ter figurado como beneficiário dos atos de improbidade administrativa.
O Estado do Rio de Janeiro é acusado de ausência de detalhamento dos custos do objeto contratado, superfaturamento e pagamentos irregulares feitos à contratada. O secretário José Mariano Beltrame é acusado de improbidade administrativa, assim como sua ex-colaboradora, Susy das Graças de Almeida Avelar. O pedido de indisponibilidade de dos bens, segundo o Ministério Público, é para garantir o ressarcimento integral do dano de R$ 134 milhões aos cofres públicos. Procurada para comentar o caso, a Secretaria de Segurança Pública se limitou a dizer que "o secretário José Mariano Beltrame não foi notificado oficialmente". Segundo o Ministério Público, na segunda-feira a ação foi levada ao Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, onde será julgada para que, se acatada a denúncia, o Secretário de Segurança seja notificado pela justiça.

Operação Serrinha apreende 50 kg de cocaína

 Policiais militares do 9° BPM (Rocha Miranda) apreenderam cerca de 50 kg de cocaína durante operação na Comunidade da Serrinha, em Madureira. A operação iniciou por volta das 5h da manhã desta quinta-feira (15/05) e teve como objetivo coibir o tráfico de drogas na localidade. 
A ação contou com apoio do 2° Comando de Policiamento de Área (CPA) e do COE (Comando de Operações Especiais), do qual fazem parte o Batalhão de Operações Especiais (BOPE), o Batalhão de Ações com Cães (BAC) e o Grupamento Aeromarítimo (GAM). 
No total, 15 pessoas foram detidas. Destas, 4 ficaram feridas durante confronto com os policiais e foram socorridas para o Hospital Estadual Carlos Chagas, onde permanecem custodiadas. Foram apreendidos 6 fuzis, 8 pistolas, 6 granadas, 7.600 cápsulas de cocaína, o que totaliza cerca de 50kg da droga, 609 frascos de cocaína, 110 papelotes de maconha e 62 frascos de lança perfume. Ao todo, 16 motos foram apreendidas, 4 destas eram roubadas. O material será levado para a 29ª DP.