segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Beltrame diz que apesar de ataques, blindagem de UPPs não é prioridade

Agência Brasil.

O secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, disse que a blindagem dos contêineres das unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) não é prioridade da secretaria, que, entretanto, vai adotar uma série de ações para melhorar a situação dessas unidades policiais em 2015. Depois de acompanhar  o estudo e o mapeamento que está sendo feito sobre as UPPs, no QG da Polícia Militar, o secretário disse não há como fazer um planejamento completo que atenda a todo o Rio de Janeiro, mas as UPPs que estão planejadas serão instaladas.
Beltrame explicou que o estudo vai diagnosticar o que deve ser feito nas UPPs e "se o diagnóstico mostrar que temos que fazer operação policial, a operação será feita, mas se disser que temos que reocupar, a polícia vai reocupar". As bases de UPP, têm sido alvo frequente de ataques a tiros de traficantes, nos últimos meses, com muitos policiais feridos.
Na última segunda-feira, 8, policiais da UPP que faziam patrulhamento de rotina na comunidade Nova Brasília, no Complexo de Favelas do Alemão, subúrbio do Rio, prenderam três pessoas em um ponto de drogas na localidade conhecida como Divineia. Logo depois, os traficantes trocaram tiros com policiais e quatro militares ficaram feridos.
Durante o confronto, o grupamento de operações especiais, o Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) e o Batalhão de Choque (BPChoque), foram acionados, mas segundo relato de policiais locais, os agentes receberam ordem para não subir o morro e tiveram que recuar.
De acordo com Beltrame, a decisão é de quem está comandando no terreno: "Teria que ver com o comandante qual foi a motivação para que isso acontecesse. Mas eu duvido muito que qualquer força do grupamento de operações especiais não tenha condição de subir (o morro) e entrar em qualquer lugar do Rio de Janeiro. Temos que ver, efetivamente, o que aconteceu".
O Disque-Denúncia informou à polícia que alguns ataques poderiam acontecer às UPPs. Segundo o secretário, a polícia tinha conhecimento da informação, mas a questão é que a configuração geográfica e urbanística da favela permite que os criminosos, de uma maneira covarde, façam os disparos.
Para Beltrame, o poder público tem uma série de medidas para tomar antes da blindagem e o estudo que está sendo feito aponta para outras necessidades. "Ainda não há necessidade de partir para esse tipo de ação. O que temos que fazer é um gerenciamento de recursos humanos muito bem feito, um reestudo dessas áreas e avançar de uma maneira que não haja necessidade disso. Se chegar a um ponto em que o número de vítimas aumente ou isso não cesse, é uma coisa a se pensar. Mas, em princípio, não há essa possibilidade", afirmou.
De acordo com Beltrame, algumas comunidades que não têm UPP estão muito perigosas, como o Chapadão, a favela da Lagartixa, além de localidades de Santa Cruz e da Baixada Fluminense. Segundo o secretário, estão sendo planejadas UPPs para esses locais, mas primeiro tem que ser feita uma consolidação do programa de UPP existente, para poder adiantar o processo à frente com um pouco mais de tranquilidade.
Na zona oeste do Rio, as comunidades de Antares, Cesarão e a favela do Rola, não têm a presença da UPP e sofre frequentemente com ataques de criminosos. O secretário reconheceu o problema e disse que a polícia procura atuar na região realizando operações sistemáticas, mas essas comunidades passam por um problema antigo e crítico e o projeto de UPP tem que ir caminhando gradativamente, pois não há uma solução milagrosa.

8 comentários:

  1. É UM SAFADO HIPÓCRITA, SE FOSSEM FILHOS DELE, AÍ SIM SERIA A PRIORIDADE. CADE AS VIATURAS, QUE SERIAM SORTEADAS PARA OS PMs? E AGORA NÃO TEM DINHEIRO NEM PARA PAGAR UM PANETONE PARA O POBRE DO PM, ESSES LADRÕES ROUBAM TODO DINHEIRO DA SEGURANÇA PÚBLICA, E DEPOIS QUEREM CHAMAR OS POLICIAIS DE BANDIDOS, ESSE PAÍS É O ÂNUS DO MUNDO MESMO, PRA NÃO DIZER OUTRA COISA.

    ResponderExcluir
  2. FALSAS UPPS EM MACAÉ, SE VC FOR LA NO LAGOMAR, SÓ VAI ENCONTRAR 2 POLICIAIS, E NA MALVINA E NOVA HOLANDA 3 EM CADA BASE COVARDIA COM OS POLICIAIS MILITARES E COM A POPULAÇÃO ISSO ESTA VIRANDO O ANTIGO GPAE, QUE TBM NÃO FUNCIONAVAM NOS MORROS.

    ResponderExcluir
  3. ISSO PQ NÃO É O FILHO DELE QUE ESTA LÁ E NEM A MÃE, FICO TRISTE DE VER ELE DANDO ESSE DEPOIMENTO EU TINHA OUTRA IMAGEM DELE, AGORA CADA VEZ MAIS ME DECEPCIONO COM ELE.

    ResponderExcluir
  4. O ESTADO GASTOU MILHÕES EM CABINES E TORRES BLINDADAS PARA DAR O MÍNIMO DE DIGNIDADE AO POLICIAL DE SERVIÇO.E OS SEMI DEUSES CMTs DE BATALHÕES, POR PURO CAPRICHO FECHAM ESSAS BASES .FICANDO ELAS SE DETERIORANDO AO RELENTO E OS PPMM FICAM NAS VTRS BASEADAS PARA SEREM ALVEJADAS......PMerda....AGORA COBRAM UPPS TUDO K O.....E O FIM DO RANCHO?????? TUDO UTOPIA!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  5. Esse cara é um idiota mesmo. Esse papo de séries de medidas, e conversinha prá boi durmir. E a sociedade, a imprensa ainda acredita nisso !

    ResponderExcluir
  6. CLARO! SE EU LEVASSE A VIDA QUE O SR LEVA EU TAMBEM NÃO IRIA ME PREOCUPAR COM BLINDAGEM DE CONT..... POR QUE O SR ANDA EM CARRO BLINDADO E CHEIO DE SEGURANÇA ARMADO TÉ OS DENTES. PARA O SR, FACIL.

    ResponderExcluir
  7. Claro que não é prioridade, afinal de contas não é ele nem a família dele que fica lá né. Aí é mole!!!

    ResponderExcluir
  8. Onde estão as associações dos policiais militares aí do Rio? quando em outros comentários eu me referi a "quarteis de lata" era devido a esse tipo de coisa; garanto que se fosse outra classe de trabalhadores o ministerio do trabalho ja teria agido; como somos PM tudo pode ou então a gente houve: não tá contente, pede baixa. Esse secretário se promoveu às custas da PM nessas UPP, agora segue no proximo governo. Aqui vai uma sugestão; sr secretário mude a sua secretaria para uma "casa de lata" ao lada de uma UPP, para comemorar a instalação dessas coisas.

    ResponderExcluir