quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

SINPOL ESCLARECE AS ACUSAÇÕES DA ORGANIZADORA DO EVENTO DE DOMINGO EM COPACABANA

NOTA DE ESCLARECIMENTO AOS POLICIAIS E FAMILIARES DE POLICIAIS VÍTIMAS DA VIOLÊNCIA URBANA
– Causa estranheza os ataques da cabo Flávia Louzada, uma das coordenadoras do movimento de familiares de policiais vítimas da violência urbana, que junto com a advogada Zoraide Vidal, mãe da policial civil Ludmila Fragoso – associada do SINPOL, morta por bandidos em 2006 – estiveram no Sindicato pedindo apoio ao movimento das mães que perderam seus filhos para à criminalidade, ato realizado neste domingo (14/12) em Copacabana. Tanto Flávia Louzada quanto Zoraide Vidal pediram o carro de som do Sindicato, alegando que não tinham condições de alugar um.
– Em sua página do Facebook (pasmem) ela afirma o péssimo tratamento dado pelo SINPOL aos familiares dos policias mortos e que o Sindicato teria monopolizado o “microfone”. Na verdade, aconteceu justamente o contrário: os familiares de policiais militares e civis que estiveram no SINPOL com a Flávia Louzada e Zoraide Vidal foram muito bem recebidos e tiveram seus pedidos atendidos, sem pagar um tostão sequer.
– Quem estava lá viu que a todo momento o presidente do SINPOL, inspetor Leonardo Motta, franqueava o microfone aos familiares de policiais militares e civis vítimas da violência. Muitas vezes levando o microfone para a pista, facilitando a mensagem de quem quisesse dar o seu recado.
– O presidente do SINPOL, Leonardo Motta, só pegou o microfone por volta das 9:30h, quando observou que o gerador do caminhão estava ligado há quase uma hora e ninguém se habilitava para conduzir os trabalhos – nem Flávia e nem Zoraide Vidal.
– O SINPOL não só ofereceu gratuitamente o carro de som solicitado, como também atendeu o pedido de ajuda financeira feito pelas coordenadoras, oferecendo em espécie cerca de R$ 1 mil para ajudar com as despesas do movimento. Além disso, fez para Zoraide e Flávia Louzada um panfleto com mil cópias intitulado “A vida do policial é sagrada!” Como toda vida é!” Outro panfleto com mil cópias, a pedido de Zoraide, foi feito mostrando as reivindicações dos policiais civis. Fora isso, o Sindicato fez a divulgação do evento na mídia contribuindo para a maciça presença de familiares e policiais. Todo apoio foi oferecido! Flávia Louzada e Zoraide Vidal, entretanto, preferiram adotar um comportamento antiético e acusações infundadas.
– Um outro policial fala no Facebook da cabo Flávia Louzada que ela caiu na “arapuca“ do diretor Bandeira. Mas que arapuca se foram os próprios familiares que procuraram o SINPOL pedindo o carro de som e recursos para tocar o ato público?
– Ela alega ainda que o ato foi transformado em ato político. Aliás, o movimento é um ato político sim, visto que entre as posições tomadas durante a manifestação, estava o abaixo assinado para incluir na Constituição crime hediondo praticado contra integrantes das forças de segurança. Esse documento será entregue ao Congresso Nacional quando atingir 1 milhão de assinaturas.
– A agressão desmedida de Flávia Louzada, pessoalmente e no Facebook, pretendeu com sua irresponsabilidade e ingratidão insuflar policiais militares contra os civis. O momento, senhoras e senhores, é de serenidade e união! E nosso inimigo em comum são os criminosos que estão caçando nossos PMs e policiais civis.
– A bem da verdade, nos despedimos desejando a toda família policial civil e militar um bom Natal e que em 2015 as esperanças se renovem!
Diretoria do Sindicato dos Policiais Civis – SINPOL

video

6 comentários:

  1. A sou PM e acho que quem errou foi a CB PM Flavia pois nao tem nada de pedir favor a um sindicato que nunca abracou a causa que só ve a sua propria causa eu gostaria de um dia ver essa união mas por conta de algins sindicatos não há. Me lebro de 2011 que eles abandonaram a greve.
    Pesso a todos os pm e pc que nao se deichem levar por sindicatos que só pensam em politicagem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que se expliquem,pois segundo informações o carrro de som foi pago.Onde enfiaram o dinheiro?Por isso nunca vai dar certo,querer apoio de Sindicatos e o Associações,muitos só querem aparecer.E se alto promover,é muita indignação,se aproveitar até em momentos difícéis e levantar um dinheiro nas desgraças alheias.Acorda Pmerj,acorda Cbmerj.

      Excluir
  2. Os policiais civis traem todos os atos conjuntos da área de segurança pública quando conseguem alguma promessa somente para eles ou melhor para eles. Vide o inspetor Chao e o último aum então.

    ResponderExcluir
  3. União PM e PC? Somos como água e óleo, não nos coadunamos. Nós PMs não temos que procurar essa tal de SINPOL para solicitar ajuda alguma, tão pouco esses PC para nada. Cada um no seu quadrado, meus amigos, no RJ não temos só os marginais como desafetos.

    ResponderExcluir
  4. Todo policial que levanta alguma bandeira em prol da corporação É QUE TEM PRETENSÕES POLÍTICAS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que se expliquem todos que vieram a Deputados Estaduais,até o paisano já sabe disso,só querem aparecer as custas dos outros.Vamos parar de hipocrisia,sem essa de ser Coronel,então não está lutando pela Tropa,vai enganar os trouxas.

      Excluir