quinta-feira, 19 de março de 2015

Psol do Rio pede expulsão do Deputado Federal Cabo Daciolo por defender policiais militares

A Executiva Estadual do Psol-RJ perdeu de vez a paciência com o deputado federal Cabo Daciolo e suas controversas posições. Em reunião nesta noite, a direção do partido decidiu pedir a expulsão do parlamentar, que ficará a cargo da Executiva Nacional. A gota d'água foi um discurso feito por ele sobre o caso do pedreiro Amarildo de Souza, que desapareceu em junho de 2013. Segundo ele, os policiais militares acusados de matar e esconder o corpo do pedreiro foram presos injustamente. "Vamos estar em Bangu 9 neste domingo, onde eu tenho 25 militares respondendo por um crime que não cometeram, 1'2 deles presos e um faleceu dia 13. São chefes de família. Solicitaremos a presença do Ouvidor Nacional de Direitos Humanos, juntos somos fortes, Deus está no Controle", declarou Daciolo discurso contundente na Câmara. leia a reportagem: O DIA


Em nota, a Executiva Estadual do Psol se "solidarizou" com a família de Amarildo, e afirmou que Cabo Daciolo "envergonha" o partido e sua militância.

Confira a íntegra da nota do partido

PSOL DO RIO DE JANEIRO SE SOLIDARIZA COM A FAMÍLIA DE AMARILDO E INDICA A EXPULSÃO IMEDIATA DO DEPUTADO CABO DACIOLO

Em novo pronunciamento, no dia de hoje, na tribuna da Câmara dos Deputados, o deputado cabo Daciolo, eleito pelo PSOL, mais uma vez envergonha o partido, sua militância, nossos eleitores e a população do estado do Rio de Janeiro, quando defende os policiais militares acusados pelo assassinato do pedreiro Amarildo e anuncia que os visitará na prisão para se solidarizar com eles.

Não é a primeira vez que o parlamentar faz declarações ou toma atitudes antagônicas com o programa, os princípios e a ética do PSOL.

No mesmo dia da sua posse, o deputado fez questão de tirar foto sorridente ao lado do fascista Jair Bolsonaro, na mesma semana em que a bancada do PSOL defendia a cassação do parlamentar por ter reivindicado o estupro e ter ofendido, com expressões machistas e misóginas, a deputada Maria do Rosário. Pouco depois, Daciolo defendeu que o ministro da Defesa deveria ser um oficial superior das Forças Armadas e adotou um discurso militarista, próprio da direita mais rançosa, em diversos pronunciamentos públicos. Mais grave ainda, recolheu assinaturas para uma PEC teocrática, contrária à laicidade do Estado, afirmando que “o poder não emana do povo, mas de Deus” — projeto que só não protocolizou por pressão de outros parlamentares da bancada e da direção do partido.

15 comentários:

  1. AH ENTENDI O PSOL ESTA SE SENTINDO AMEAÇADO,POR UNS MILITARES EM BRASILIA,NO MINIMO SO ACIOLI E O BOLSONARO SAO MILITARES,DAI VEM O MEDO DO PSOL,O PSOL VAO VER SE A FAMILIA DOS MILITARES MORTOS ESTAO QUERENDO UMA AJUDA FINANCEIRA OU ALIMENTICIA,AFINAL MUITOS MILITARES VOTARM EM VOCES COM CERTEZA SE VOTARAM O CABO ACIOLI,TEVE VOTOS PARA VOCES NE...........

    ResponderExcluir
  2. EU ACREDITO QUE O AMARILDO TENHA SIDO MORTO POR TRAFICANTES!

    ResponderExcluir
  3. Policiais Militares esperam, desde quando ingressaram na PMERJ, por um SALÁRIO DIGNO!

    O salário do Policial Militar do Estado do Rio de Janeiro está defasado. Menor salário da PMERJ e do CBMERJ deveria ser de R$ 3.182,81 (três mil, cento e oitenta e dois reais e oitenta e um centavos), afirma DIEESE. O salário do Soldado está em torno de R$ 2.382,00. A defasagem salarial é de R$ 800,81!

    O piso salarial da categoria (Militares Estaduais), em Fevereiro de 2015, deveria ter sido de R$ 3.182,81 (três mil, cento e oitenta e dois reais e oitenta e um centavos), de acordo com o DIEESE (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos). No entanto, o valor continua insuficiente para suprir as necessidades vitais básicas de um Soldado da Polícia Militar ou do Corpo de Bombeiros. Todos os meses, o DIEESE calcula qual seria o salário mínimo necessário com base nos preços da cesta básica.

    O recruta (Aluno do CFSd) já deveria ingressar nos quadros da PMERJ ou do CBMERJ recebendo o referido valor (R$ 3.182,81).

    A Constituição da República Federativa do Brasil, promulgada em 5 de outubro de 1988, define o salário mínimo como aquele fixado em lei, nacionalmente unificado, capaz de atender às suas necessidades vitais básicas (do trabalhador) e às de sua família com moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social, com reajustes periódicos que lhe preservem o poder aquisitivo, ...¨(Constituição Federal, art. 7o - IV). Para calcular o Salário Mínimo Necessário, o DIEESE considera o preceito constitucional de que o salário mínimo deve atender às necessidades básicas do trabalhador e de sua família e que é único para todo o país. Usa como base também o Decreto lei 399, que estabelece que o gasto com alimentação de um trabalhador adulto não pode ser inferior ao custo da Cesta Básica Nacional.

    O Salário Mínimo Necessário, calculado mensalmente como uma estimativa do que deveria ser o salário mínimo vigente é, também, um instrumento utilizado pelos sindicatos de trabalhadores para denunciar o descumprimento do preceito constitucional que estabelece as bases para a determinação da menor remuneração que vigora no país. O valor atual do Salário Mínimo Necessário é R$ 3.182,81 (três mil, cento e oitenta e dois reais e oitenta e um centavos).

    O Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos é uma criação do movimento sindical brasileiro. Foi fundado em 1955 para desenvolver pesquisas que fundamentassem as reivindicações dos trabalhadores.

    O custo de vida no Rio de Janeiro é o maior do país!

    Salário Mínimo Necessário divulgado pelo DIEESE, referente ao mês de Fevereiro/2015: R$ 3.182,81 (três mil, cento e oitenta e dois reais e oitenta e um centavos).

    ResponderExcluir
  4. O salário mínimo teria que ser R$ 3.182,81 para garantir o básico, ou seja, para suprir as necessidades vitais básicas.

    O SOLDO DO SOLDADO PM ESTÁ ABAIXO DO SALÁRIO MÍNIMO NOMINAL ou VIGENTE (R$ 788,00).
    O VENCIMENTO DO SOLDADO PM ESTÁ ABAIXO DO SALÁRIO MÍNIMO NECESSÁRIO (R$ 3.182,81).

    "Quando o Estado abandona seus servidores, deixando-os à mercê do outro lado, é porque, muito provavelmente, o Estado está do outro lado." (Giovanni Falcone, Juiz italiano especializado em processos contra a máfia siciliana Cosa Nostra)

    Dieese: valor do salário mínimo deveria ser R$ R$ 3.182,81 para suprir despesas previstas na Constituição Federal de 1988. Portanto, o menor salário da PMERJ e do CBMERJ deveria ser de R$ 3.182,81 (três mil, cento e oitenta e dois reais e oitenta e um centavos).

    Caso o Governo do Estado queira cumprir o que determina a Carta Magna, o salário do SD PM será de R$ 3.182,81 (três mil, cento e oitenta dois reais e oitenta um centavos) mensais.

    ResponderExcluir
  5. Poucos tem coragem de expressar a realidade,facistas sao esses politicos que querem ser eleitos defendendo bandidos,amarildos e dgs,tudo ganso,ai qnd precisam da policia,querem ao seu lado,por mim pode tacar fogo na cara deles,companheiro,vamos votar certo para presidente jair bolsonaro,vice presidente flavio bolsonaro,governador do rio de janeiro cabo Daciolo,eu apoio

    ResponderExcluir
  6. No andar da carruagem a qualquer momento, o MP,REDE GLOBO,PSOL,PT, irão determinar que toda repartição pública tenha o RETRATO SÃO AMARILDO,santo canonizado pelos defensores de bandidos e a Estuprada!

    ResponderExcluir
  7. SE CONTINUAR ASSIM, PODERÁ CONTAR COM O MEU VOTO E O DA MINHA FAMÍLIA, E TAMBÉM FAREI CAMPANHA EM SEU FAVOR, POIS EU VOTEI NELE E NÃO ME ARREPENDO.

    ResponderExcluir
  8. Ta de parabens deputado daciolo vc por tefr falado a vedade e ta apoiando trabalhadores e nao bandido, mais ate issota incomodando o partido , o PSOL prefere ser solidario a familia citada acima de uma pessoa margilnal, quero ver e PSOL ser solidario as familias dos POLICIAIS que MORREM cumprindo seu dever.

    ResponderExcluir
  9. AI PERRGUNTO O QUE O PSOL TEM TANTO MEDO DE UM BOMBEIRO MILITAR,TODOS OS MILITARES TINHA QUE SER CANDIDATO NAS ELEIÇOES,QUERO VER O QUE ACONTECE VAMOS NOS ELEGER,NAS PROXIMAS ELEIÇOES.VALEU PSOL.EU VOU VIM DE VEREADOR,E QUEM QUISER VENHA TAMBEM.

    ResponderExcluir
  10. TO COM VOCES.ABRAÇO DO GAITEIRO,VAMOS ENCHER DE MILITAR NO CONGRESSO,NA CAMARA MUNICIPAL,FEDERAL E ATE MINISTRO VAMOS VER SE PAIS NAO MUDA.SELVA BRASIL.

    ResponderExcluir
  11. esse jovem parlamentar começou a incomodar os hipócritas fascistas de plantão e por ai vai isso simplesmente é :represalia

    ResponderExcluir
  12. QUANDO POLICIAIS MILITARES MORREM EM COMBATE A CRIMINALIDADE NINGUÉM VAI PRÊSO. MAIS QUANDO MORRE UM VAGABUNDO PRENDE DE CARA 25 POLICIAIS MILITARES. SÓ QUERIA VER ESTE RJ FICAR 48 HORAS SEM A POLICIA MILITAR NAS RUAS. O POVO DO RJ TEM QUE PARAR COM ESTA MANIA DE TUDO DE RUIM QUE ACONTECE CULPAREM A POLICIA MILITAR DO RJ.

    ResponderExcluir
  13. O Daciolo disse baseado na Lei e na constituição. Essa prisão preventiva já passou dos limites. e cadê o princípio da presunção da inocência? ou da não culpabilidade segundo o STF. o Próprio PSOL está dizendo que os policiais são acusados. ninguém pode ser considerado culpado até o transito em julgado. é a CF que prevê. Dacilo voce me representa. Sou Bombeiro revoltado com essa hipocrisia de partido que só defende a maconha

    ResponderExcluir
  14. O Daciolo nada perderá,que esse psol só defende bandidos fora marcelo freixo.

    ResponderExcluir
  15. A PSOL vai catar coquinho, para de fazer media e deixa o Cabo trabalhar.


    CFS 2006

    Irregularidades na PMERJ gera prejuízo

    Criado em Sábado, 28 Fevereiro 2015 13:16

    Jornal Tribuna de Petropolis.
    Renata Ferreira


    No ano de 2006 a Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro – PMERJ – disponibilizou aos seus Praças concurso interno para o Quadro de Sargentos – CFS 2006. A própria PMERJ foi responsável pela elaboração e aplicação.
    Inúmeras irregularidades foram surgindo com o passar dos anos.
    Alteração no edital do concurso ocorreu após a realização da prova, o que é ilegal.
    Em outubro de 2006 a PMERJ publica relação dos candidatos aptos para matrícula e início do curso. Nesta relação constam 1331 relacionados, contrariando o Edital que estipulou 300 vagas.
    Policiais que se sentiram prejudicados contestam junto à PMERJ através dos requerimentos questões que não faziam parte do edital. A PMERJ publica em agosto de 2006 a anulação de algumas questões porém nunca computou nem reclassificou os candidatos desta prova, onde ela mesma por boletim interno opta pela anulação das questões.
    Diversos candidatos em todo Rio de Janeiro obtiveram sucesso no Judiciário em relação à anulação das questões erradas da Prova CFS-2006, onde conseguiram a anulação das questões 5, 8, 10, 16, 18 e 20 da prova de Português e das questões 23, 27, 30, 34, 38 e 40 de Instrução Policial.
    O fato mais curioso dentre as irregularidades deste CFS-2006 é que alguns candidatos obtiveram nota abaixo de 7 nas três classificações publicadas pela própria PMERJ e, mesmo assim, foram aprovados no Concurso, seguiram carreira e atualmente são Subtenentes como os demais aprovados. Segundo denúncia apurada, ainda existe um candidato que por sua vez não consta na relação de inscritos da prova, não consta em nenhuma das classificações de 2006 e 2007, mas em outubro de 2006 ele foi incluído na relação de aprovados através de boletim interno, porém só constou como aprovado na publicação de janeiro de 2008 mesmo com nota zero em Redação.
    De janeiro de 2008 até o presente, a PMERJ não mais se pronunciou, a não ser nas publicações de decisões judiciais. No dia 23 de dezembro de 2014, através do Boletim nº 031, publicou que “tendo em vista a demanda de requerimentos por parte dos candidatos torna público que a administração anulou apenas as questões 30, 34 e 38 de Instrução Policial e que as questões 5, 8, 10, 16, 18, 20, 27 e 40 foram anuladas judicialmente e só computados os pontos das questões aos autores alusivos aos processos”.
    A PMERJ relata que apenas computou os pontos das questões anuladas pela Justiça àqueles que ingressaram com uma ação judicial ou ainda àqueles que ingressarão.
    No dia 10 de fevereiro deste ano, a advogada Renata Ferreira OABRJ 156164, ingressou com duas ações judiciais na 4ª Vara Cível da Comarca de Petrópolis, requerendo que a pontuação das questões anuladas fossem computadas em favor dos Policiais autores nos processos. No dia 12 de fevereiro, o titular da 4ª Vara Cível, Doutor Jorge Luiz Martins Alves, deferiu o pedido de tutela antecipada determinando que o Estado do Rio de Janeiro, no prazo de 5 dias, procedesse à recontagem dos pontos das questões anuladas assegurando aos Autores participação nas demais etapas do Concurso e, consequentemente, a promoção de Subtenente que é a graduação atual dos então aprovados no concurso na época, caso tenham alcançado pontuação necessária exigida.
    Essa primeira vitória conquistada deu aos Policiais Militares prejudicados pelas irregularidades do Concurso CFS 2006 novo ânimo e esperança de verem seus danos reparados.

    Jornal de Petrópolis.

    ResponderExcluir