quarta-feira, 8 de abril de 2015

Fotógrafo do 'Extra' é ameaçado por foto que mostra PM com touca ninja

FONTE: G1
O fotógrafo Fabiano Rocha, que trabalha no jornal "Extra", foi ameaçado nesta terça-feira (7) nas redes sociais. Ele é o autor da foto que mostra um policial militar do Batalhão de Choque usando touca ninja em uma ação no Conjunto de Favelas do Alemão, na Zona Norte do Rio. A imagem foi publicada na capa da edição desta terça.


Uma portaria da Secretaria de Segurança, de 1995, proíbe o uso de máscaras em ações policiais no Rio. O jornalista foi o mesmo que mostrou, dias antes, a precária situação a qual estavam submetidos policiais de uma das bases da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do Alemão.
A Secretaria de Segurança já identificou perfis nos quais foram postadas as mensagens. O secretário José Mariano Beltrame determinou que a Delegacia de Repressão a Crimes de Informática analise as postagens e puna os autores das mensagens que contém ameaças.
Na página de um grupo, chamado PMERJ, havia diversas ofensas. Em uma delas, chegou-se a divulgar falsas informações sobre o fotógrafo e a família dele. A corregedoria da PM abriu uma investigação para identificar os autores das ameaças. O departamento jurídico do Grupo Globo já está tomando as medidas cabíveis.

UMA PERGUNTA QUE NÃO QUER CALAR: PORQUE NÃO DIVULGARAM NENHUM PRINT DAS AMEAÇAS, FOTOS OU TEXTOS?

6 comentários:

  1. Ora, ora, se não for verdade, que processem a Globo e ganhem dinheiro. A emissora não vai dar esse mole.

    Mas olha, eu não duvido que seja verdade. Soube de comentários pesados, palavrões em algumas páginas policiais. O exemplo era o blog do soldado pm ou blog da verdade que foi tirado do ar de tanta ameaça de morte, palavrões vindo de PMs, inclusive dos próprios donos e moderadores do blog. Lembram da confusão que tiveram com o Fábio Porchat?
    Com certeza o moderador do blog SOS PMERJ deve ter moderado muitas dessas coisas para não deixar a qualidade do blog cair. Infelizmente acontece, tem muita gente boba, do mal e infantil vestindo farda. Infelizmente todo ano são expulsos centenas, e muitas das vezes com razão.

    ResponderExcluir
  2. CARGA HORÁRIA



    O Bol da PM nº 046, de 11 de Março de 2002, publicou a Resolução da Secretaria de Estado de Segurança Pública nº 510, de 26 de Fevereiro de 2002, que no Artigo 1º determina aos Comandantes, Chefes e Diretores das OPM que adotem todas as medidas necessárias ao fiel cumprimento do disposto no Parágrafo Segundo do Artigo 1º do Decreto nº 25.538, de 25 de agosto de 1999, que fixa a carga horária mínima semanal de trinta horas e máxima semanal de quarenta e quatro horas.

    Portanto, de acordo com o disposto no Parágrafo Segundo do Artigo 1º do Decreto nº 25.538, de 25 de agosto de 1999, bem como na Resolução SESP n.º 510, de 26 de fevereiro de 2002, a jornada dos policiais militares (todos) deve oscilar entre 30 e 44 horas semanais. O Inciso XIII do Artigo 7º da Constituição Federal de 1988 também fixa a carga horária máxima de quarenta e quatro horas semanais. Concluindo, quem trabalha 24 horas tem que obrigatoriamente folgar 72 horas.



    INSTRUÇÃO NORMATIVA PMERJ/EMG-PM/3 Nº 017 DE 02 DE FEVEREIRO DE 2015 (PUBLICAÇÃO CONTIDA NO ADITAMENTO AO BOLETIM DA POLÍCIA MILITAR N.º 027 - 12 DE FEVEREIRO DE 2015)

    Art. 10 – O efetivo da PMERJ deverá ser empregado de forma que sejam alocados e escalados os policiais militares devidamente capacitados para execução das atividades específicas a serem desempenhadas em conformidade com o planejamento estabelecido, sendo observado o seguinte:

    I. ...
    II. ...
    III. ...
    IV. ...
    V. Deve-se ter em mente que o policial militar será empregado segundo uma escala em que possa render o máximo, tendo, em contrapartida, tempo suficiente para recompor as energias durante a folga.

    ResponderExcluir
  3. Salário Mínimo Necessário (Março/2015): R$ 3.186,92 (três mil, cento e oitenta e seis reais e noventa e dois centavos).

    http://www.dieese.org.br/analisecestabasica/salarioMinimo.html

    Amparo legal: Constituição da República Federativa do Brasil, art. 7o - IV e Decreto lei 399.

    O Salário Mínimo Necessário, calculado mensalmente como uma estimativa do que deveria ser o salário mínimo vigente é, também, um instrumento utilizado pelos sindicatos de trabalhadores para denunciar o descumprimento do preceito constitucional que estabelece as bases para a determinação da menor remuneração que vigora no país.

    ResponderExcluir
  4. Sou policial militar e penso que é importante que todos nós postemos nossos pontos de vista sobre as demandas de nossa instituição e até mesmo de outros órgãos e seguimentos da sociedade. Postar uma opinião não é crime, pelo contrário, é um direito Constitucional. No entanto, ofender pessoas, Instituições, ameaçar, além da falta de educação, muita das vezes configura crime.
    A PC é especialista em desvendar crimes cometidos por PM, só dos PMs. Observaram? Isso é uma critica que possui várias interpretações. Eu interpreto como uma critica construtiva, que pode fazer a PC a refletir e repensar seu papel social, uma vez que é ela a responsável em desvendar os crimes praticados por qualquer cidadão e, consequentemente, dar a sociedade a sensação de que não é saudável praticar crimes, pois estes serão desvendados e isso poderá levar a uma condenação e, posteriormente ao cumprimento de uma prisão. Existe crime em minha crítica? claro que não, este é o meu ponto de vista, é o que penso. No entanto, embora tenha a opinião de que a PC é como "água de salsicha", isso não me dá o direito de agredir nenhum funcionário da instituição, fazer ameaças, fazer ilações inverídicas sobre qualquer integrante desta, não tenho esse direito. Estou cansado de ouvir PC fazer crítica a PM, se não forem criticas pejorativas, sem problema.
    O fato de não expor o meu nome no site não quer dizer que esteja cometendo um crime, mesmo porque sei que basta um simples investigação e o Estado descobrirá minha identidade, descobrirá quem eu sou, onde trabalho, etc. Não posto o meu nome por questões pessoais e não por achar que sob o "manto" do anonimato.
    Nessa mesma linha de pensamento, vi a uns três dias atrás numa reportagem dois policiais fazendo gracinha dentro de uma VTR, acariciando um Fuzil, dizendo que "a bala ia cantar", etc. Ora, tal atitude, brincadeira, até seria razoável se os Pms estivessem sozinhos e de preferencia em outro lugar e de folga, sem que estivessem filmando tamanho absurdo. Essas atitudes em nada contribui para a Instituição, tampouco demonstra coragem, é, no minimo, falta de profissionalismo.

    ResponderExcluir
  5. E daí? ta mais que certo, mostrar a cara pra que? vagabundo pode pra poder se preservar porque policial também não? afinal o estado não protege seus policiais, ao mesmo tempo em que blinda os vagabundos...

    ResponderExcluir
  6. Não é salutar se comparar a um marginal ou a um cidadão qualquer. O policial militar precisa e deve se comportar como um servidor encarregado de cumprir a lei e fazê-la cumprir, jamais descer ao mesmo nível de um vagabundo, meu caro.
    O cidadão pode fazer ou deixar de fazer tudo o que não estiver prescrito em lei, você policial, só o que estiver prescrito em lei. Entende a diferença? Se não entende, te recomendo dar uma lida, tendo em vista que, embora não pareça, isso faz uma diferença muito grande em sua vida particular e profissional.
    Nós praças da PMERJ reclamos de tudo e de todos. É fato que muita das vezes temos até razão, entretanto, nem sempre as temos.
    Já trabalhei em DPO, PPC, CABINA, etc, e o que sempre observei é que alguns profissionais tem dificuldade em entender que o local onde trabalha necessita de limpeza, de higiene e que nós policiais militares não temos empregados para realizar essa limpeza, logo, é razoável que a façamos. Entretanto, não é isso que ocorre. Via de regra o profissional se quer dá descarga no sanitário que utiliza.
    As imagens postadas pelo policial nesse sítio de relacionamento sobre as condições de trabalho as quais passam, mostram o abandono do Estado para conosco, servidores públicos militares, mas, também demonstra a falta de educação dos policiais que trabalham naquele local. Lavar aquele banheiro não seria nada de mais. Cloro e sabão é barato, vassoura também. Se você é residente, nada te custa limpar o local onde você vive, é para você, não para a polícia.
    No que tange as questões estruturais, bom, ai sim nós temos razão em reclamar, uma vez que temos sim péssimas estruturas físicas não só nas UPPs, como também em todas as Unidades da PMERJ, no entanto, nada tem a ver com higiene, com regras básicas de conduta, de convivência.
    um abraço a todos!

    ResponderExcluir