quarta-feira, 1 de abril de 2015

Polícia Militar devolve 300 carros usados no policiamento da Baixada Fluminense

Batalhões da Polícia Militar na Baixada Fluminense tiveram que devolver cerca de 300 carros usados no policiamento nos últimos meses. Os batalhões mais prejudicados foram os de Mesquita, que perdeu 50 veículos. Após a redução, o policiamento na região está sendo realizado com 58 carros. Em Duque de Caxias, foram entregues 36 viaturas ficando 70 para o atendimento da população. De acordo com o relações públicas da PM, coronel Frederico Caldas, no contrato assinado entre o governo e a empresa já havia previsão para devolução dos veículos.
As regiões atendidas pelas unidades que devolveram os carros são recordistas em número de assassinatos. De acordo com o Instituto de Segurança Pública (ISP), o mês de fevereiro em Mesquita registrou 43 assassinatos, o maior número do estado. Em Duque de Caxias, foram 28 mortes.
O comando da PM informou que pretende compensar de alguma forma os batalhões mais atingidos pela devolução dos carros. Um estudo está sendo realizado com o objetivo de redistribuir a frota, usando veículos que eram consideradas reservas. " É claro que a necessidade sempre tem , porque há um desgaste natural da frota, mesmo com a renovação, mesmo com o trabalho de renovação desta frota, a gente paga pela manutenção dela, é claro que a gente sempre precisa de mais viaturas. Agora, as viaturas reservas e este remanejamento que está sendo feito, certamente vai melhorar a esta deficiência que houve nas unidades", disse Caldas.

3 comentários:

  1. CARGA HORÁRIA

    O Bol da PM nº 046, de 11 de Março de 2002, publicou a Resolução da Secretaria de Estado de Segurança Pública nº 510, de 26 de Fevereiro de 2002, que no Artigo 1º determina aos Comandantes, Chefes e Diretores das OPM que adotem todas as medidas necessárias ao fiel cumprimento do disposto no Parágrafo Segundo do Artigo 1º do Decreto nº 25.538, de 25 de agosto de 1999, que fixa a carga horária mínima semanal de trinta horas e máxima semanal de quarenta e quatro horas.

    Portanto, de acordo com o disposto no Parágrafo Segundo do Artigo 1º do Decreto nº 25.538, de 25 de agosto de 1999, bem como na Resolução SESP n.º 510, de 26 de fevereiro de 2002, a jornada dos policiais militares (todos) deve oscilar entre 30 e 44 horas semanais. O Inciso XIII do Artigo 7º da Constituição Federal de 1988 também fixa a carga horária máxima de quarenta e quatro horas semanais. Concluindo, quem trabalha 24 horas tem que obrigatoriamente folgar 72 horas.

    INSTRUÇÃO NORMATIVA PMERJ/EMG-PM/3 Nº 017 DE 02 DE FEVEREIRO DE 2015 (PUBLICAÇÃO CONTIDA NO ADITAMENTO AO BOLETIM DA POLÍCIA MILITAR N.º 027 - 12 DE FEVEREIRO DE 2015)

    Art. 10 – O efetivo da PMERJ deverá ser empregado de forma que sejam alocados e escalados os policiais militares devidamente capacitados para execução das atividades específicas a serem desempenhadas em conformidade com o planejamento estabelecido, sendo observado o seguinte:

    I. ...
    II. ...
    III. ...
    IV. ...
    V. Deve-se ter em mente que o policial militar será empregado segundo uma escala em que possa render o máximo, tendo, em contrapartida, tempo suficiente para recompor as energias durante a folga.

    ResponderExcluir
  2. Com o advento do RAS, quem trabalha na escala de 24x48 (24 horas de serviço por 48 horas de descanso) realiza 96 horas excedentes e tem direito de receber R$ 1.440,00 (mil, quatrocentos e quarenta reais) pelas horas extras trabalhadas.

    ResponderExcluir
  3. OS 300 ATE NO FILME TODOS FICAM NA MERDDDDD,AGORA O NOVO FILME SEM AS 300 VTRS,EO IMPOSTO DE RENDA VEM DESCONTADO NA FONTE DO CONTRA-CHEQUE,E O ESTADO SEMPRE NAO TEM DINHEIRO.

    ResponderExcluir