segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Furtos, arrastões, correria, e confusão em vários bairros da Zona Sul do Rio de Janeiro

Decisão judicial proíbe PM de apreender jovens sem flagrante no Rio.
Leia: JORNAL O DIA 



Após arrastões no Rio, grupos na internet articulam ações de vingança: Leia: G1


PM cobra apoio na prevenção 
De acordo com o coronel Cláudio Lima Freire, chefe do Estado-Maior Operacional da Polícia Militar do Rio de Janeiro, a corporação não vai conseguir coibir sozinha que estes arrastões se repitam na cidade. Ele destacou que os policiais estão cumprindo uma decisão da Justiça de que a PM só pode apreender menores em flagrante e que não cabe mais a ela dizer se uma criança ou adolescente está ou não em situação de vulnerabilidade.
“Não é a Polícia Militar que vai dar conta do recado sozinho nesta operação praia, os outros órgãos que estão elencados na decisão judicial eles têm que estar presentes. Polícia Militar, Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, Guarda Municipal, Secretaria Municipal de Ordem Pública e Polícia Civil. São os órgãos que foram elencados na sentença do juiz com cada grau de responsabilidade que cada um deveria fazer no evento praia”, destacou o coronel.

4 comentários:

  1. Bem feito, esse povinho do RJ tem mais é que se ferrar com a vagabundagem mesmo, principalmente os alienados que foram as ruas contra a redução da maior idade penal...
    Se o RJ está dessa forma a culpa não é da policia, a culpa é do povo safado e omisso que vive lá.

    ResponderExcluir
  2. Eu não sou racista, mas nota-se que os negros são excluídos da sociedade. Vejam a cor da pele da maioria desses deliquentes.

    ResponderExcluir
  3. No dia em que a policia conseguir agradar a vitima e o seu agressor, aí sim teremos uma policia perfeita nos moldes da justiça.

    ResponderExcluir
  4. A valorização dos profissionais de segurança pública é essencial!

    Ao escolher a profissão de Policial Militar, coloca-se em risco o bem mais precioso que o ser humano tem, a própria vida.

    Todo mundo quer maior qualidade na segurança pública, mas para melhorar a qualidade será imprescindível melhorar a questão salarial, ou seja, valorizar o Policial Militar com uma remuneração digna. Os Policiais Militares do Rio de Janeiro morrem por um vencimento inferior ao Salário Mínimo Necessário!

    O Salário Mínimo Necessário foi calculado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) em R$ 3.377,62 (três mil, trezentos e setenta e sete reais e sessenta e dois centavos) no mês de Maio de 2015, de acordo com o inciso IV do artigo 7º da Constituição Federal de 1988 ("salário mínimo, fixado em lei, nacionalmente unificado, capaz de atender a suas necessidades vitais básicas e às de sua família com moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social, com reajustes periódicos que lhe preservem o poder aquisitivo").

    http://www.dieese.org.br/analisecestabasica/salarioMinimo.html

    O adicional de periculosidade para profissionais de segurança pública foi aprovado!

    A Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado da Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei 193/15, que garante aos integrantes do sistema de segurança pública de todo o País o adicional de periculosidade. Pelo texto, cada estado vai estabelecer o valor do adicional, desde que observado um percentual mínimo de 30% sobre a remuneração total. Acrescido dos 30% de Adicional de Periculosidade (R$ 1.013,28), o valor do Piso Salarial da categoria deveria ser fixado em R$ 4.390,90 (quatro mil, trezentos e noventa reais e noventa centavos). O menor vencimento deve ser igual ou superior ao referido valor.

    "QUEM VIVE PARA PROTEGER, MERECE RESPEITO PARA VIVER." NÃO HÁ JUSTIFICATIVA PARA OS BAIXOS SALÁRIOS DOS SERVIDORES MILITARES NO RIO DE JANEIRO! POLICIAL MILITAR DESMOTIVADO SIGNIFICA SEGURANÇA PÚBLICA AMEAÇADA.

    Diante do exposto, fica evidente a necessidade de garantir um salário inicial no valor de R$ 5.000,00 (Cinco mil reais) aos Soldados das Polícias Militares do Brasil.

    ResponderExcluir