quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Protesto reúne familiares e amigos de PM morto e pede fim da violência


Mais de 300 pessoas, entre familiares e amigos do soldado PM Neandro Santos de Oliveira — morto a tiros ao tentar fugir de uma falsa blitz de traficantes no Complexo do Chapadão, no dia 12 —, fizeram um protesto no final da manhã de quarta-feira em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. Vestidos com roupas brancas, eles cobravam o fim da violência contra PMs. O corpo dele foi encontrado carbonizado dentro de um carro na Via Light, principal estrada da cidade.

O grupo convocou manifestantes pela Internet na campanha ‘Somos todos Neandro.’ Grávida de quatro meses, a viúva Cristina Custódio estava inconsolável. No fim da manifestação, 63 cruzes foram colocadas na Praça dos Direitos Humanos, cada uma representando policiais militares e civis mortos este ano.

terça-feira, 27 de outubro de 2015

Folga para os PMs quando o RAS não for pago.

 
Representantes do comando da Polícia Militar estiveram, ontem, na Assembleia Legislativa do Rio para explicar denúncias de falta de pagamento das diárias previstas no Regime Adicional de Serviço (RAS) na Operação Verão. Segundo Flávio Bolsonaro (PP) e Wagner Montes (PSD), os oficiais afirmaram que a orientação é dar folga quando a RAS não for paga. Quem não conceder a folga deverá responder disciplinarmente. Os deputados vão oficiar a PM para que informe o número de PMs na operação, quantos tiveram folgas e se algum comandante está respondendo por ter negado folgas. Também vão propor que os PMs recebam verba para as refeições, hoje feitas de forma improvisada até no calçadão.


                    

Deputados questionam PM sobre gastos da Operação Verão


A Assembleia Legislativa do Estado do  Rio de Janeiro (Alerj) pedirá ao Comando da Polícia Militar informações sobre os gastos da “Operação Verão”, que visa aumentar a segurança nas orlas cariocas. A informação foi divulgada, nesta segunda-feira (26), após audiência dos deputados que acompanham os regimes de trabalho dos servidores de segurança pública.

De acordo com a Alerj, o objetivo da Casa é apurar informações sobre a falta de remuneração dos policiais que cumprem hora extra e trabalham na operação. O comando da PM informou que o orçamento do Estado não estipulou esses gastos.

O presidente da comissão, deputado Flávio Bolsonaro (PP), disse que recebeu reclamações de praças que não recebem o Regime Adicional de Serviço (RAS). “A recomendação do Ministério Público à PM, foi de que todo serviço extraordinário seja remunerado. Hoje, isso fica a critério do comandante de cada unidade, e muitos policiais são mobilizados durante suas folgas e não são compensados depois.” 

Já o gestor de pessoal da Coordenadoria do Programa Estadual de Integração na Segurança (CPROEIS), tenente-coronel Douglas Camargo, afirmou que os serviços-extras do RAS são divididos em dois tipos: voluntários, escolhidos semanalmente pelos próprios policiais, e compulsórios, que só ocorrem em ocasiões extraordinárias, como na Operação Verão e em eventos como Réveillon, carnaval, Rock In Rio ou as Olimpíadas.

Ainda segundo o Camargo, o procedimento padrão da PM hoje é contabilizar as horas trabalhadas a mais pelo policial em um banco de horas para que depois ele tire folgas. A escala de folga dos agentes será gerida pelo comandante de cada unidade. “O policial pode sim requerer essa folga, e a corporação tem mecanismos para fazer que o comandante cumpra sua função.”

Neste ano, a Operação Verão entrou em prática no mês de setembro e, segundo informação divulgada pela Alerj, conta com 500 policiais nos finais de semana. Os servidores têm de oito a doze horas de trabalho.

O tenente-coronel salientou que o pagamento do RAS voluntário conta com o orçamento anual do R$ 84 milhões. Porém, não existe previsão orçamentária para o RAS obrigatório.“É uma questão de gestão de recursos humanos. Se o policial não for tratado com dignidade pelo Estado, ele não dará retorno à população da forma que ela espera.”

 Na audiência, também foi apresentado um vídeo com os policiais da Operação Verão almoçando em marmitas na calçada. O deputado Bolsonaro chegou a questionar a forma como a alimentação é fornecida.

FOI INSTALADA NA ALERJ CPI PARA INVESTIGAR AS MORTES DE POLICIAIS


segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Ato pelo fim das mortes de Policiais


Quarta – Feira, dia 28 de outubro, às 10:00 horas da manhã em frente ao Top Shopping (Nova Iguaçu) iremos nos manifestar pelo fim das mortes de Policiais, a situação chegou a níveis insuportáveis, queremos os Policiais VIVOS!
CB Wagner Luis

domingo, 25 de outubro de 2015

Acusado de tráfico é preso fingindo ser PM


O comando do 41º BPM (Irajá) abriu um procedimento para apurar o possível envolvimento de um policial militar lotado na unidade com um homem preso acusado de tráfico de drogas e que se passava por PM. Ao ser levado para a 56ª DP (Comendador Soares), João Marcelo da Silva Meireles contou que as fardas, as armas e até a viatura que ostentava em fotos nas redes sociais eram de uso do tal militar.
De acordo com o registro de ocorrência do caso, João Marcelo foi preso na noite do dia 31 de agosto, no sentido Nova Iguaçu da Via Light, na Baixada Fluminense. Na ocasião, dois PMs da Corregedoria da corporação passaram pelo local e viram o rapaz em luta corporal com Anderson Melo da Silva, próximo a um Space Fox. Eles abordaram a dupla e Marcelo se identificou como policial, embora não tenha mostrado sua identidade funcional.
Com ele, foram encontrados uma réplica de pistola, maconha, cocaína, loló, além de R$ 1.195. Ele contou que todo o material foram apreendido por ele com um traficante no Complexo do Chapadão, na Zona Norte do Rio. Na delegacia, uma taxista contou, em depoimento, que João Marcelo se identificou como policial militar, lhe pediu para parar o veículo às margens da Via Light, entrou na comunidade e voltou com Anderson, dizendo que o homem fazia parte do “tráfico de drogas” da região.

João Marcelo foi indiciado por tráfico de drogas e sua prisão em flagrante foi convertida em preventiva pelo juiz da Vara Criminal de Mesquita. Ele havia passado no concurso para ingressar na PM, no entanto, ainda estava na fase de testes físicos.

terça-feira, 20 de outubro de 2015

Corpo encontrado no Chapadão é do PM Neandro


A Polícia Civil confirmou na tarde desta terça-feira que um dos corpos encontrados no Complexo do Chapadão, na semana passada, foi identificado como sendo do policial desaparecido Neandro Santos de Oliveira. De acordo com informações da polícia, ele foi identificado pela arcada dentária no Instituto Médico Legal (IML) de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense.

*O enterro será amanhã no Cemitério Jardim da Saudade na Sulacap, às 11h da manhã.

Amigos e familiares fazem campanha para achar PM desaparecido: "cadê o Neandro?"

sábado, 17 de outubro de 2015

CADÊ NEANDRO?


PMs e traficantes trocam tiros no Morro do Fogueteiro.

De acordo com a Coordenadoria de Polícia Pacificadora, policiais que faziam um patrulhamento foram recebidos a tiros por criminosos armados, por volta das 11h deste sábado, em local conhecido como Canal. Até às 14h50, porém, não havia registro de vítimas da troca de tiros.


Comando da PM poderá ser convocado para audiência pública na Alerj

Os deputados ligados a área de Segurança Pública farão uma reunião, no dia 26, para avaliar as denúncias de que policiais militares não estariam recebendo as diárias previstas no Regime Adicional de Serviço (RAS) durante a Operação Verão. No encontro, que deverá reunir Flávio Bolsonaro (PP) e Wagner Montes (PSD), será votada a realização de uma audiência pública para ouvir o Comando da PM.

No 2º Batalhão de Polícia Militar (Botafogo), por exemplo, policiais foram convocados para trabalhar nos dias de folga no evento-teste das Olimpíadas, na Marina da Glória. Mas não receberam o RAS porque foram convocados para “serviço extraordinário”, que não prevê o pagamento de diária.

Comissão quer saber se há ordem para não pagar diária

Segundo os deputados da comissão especial, existe uma recomendação do Ministério Público (MP) para que o policial que trabalha no dia de folga receba pelo dia trabalhado, mesmo se convocado para “serviço extraordinário”. “Temos recebido denúncias de que isso não está ocorrendo. Vamos convocar o Comando para saber se essa é uma recomendação do governo”, disse Bolsonaro.

quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Quatro PMs que participaram de greve em 2012 na Bahia são demitidos

O deputado estadual soldado Prisco, liderança grevista na ocasião, classificou a decisão do comandante geral da PM, Anselmo Brandão, como “temerária”.
“É temerária a decisão do Governo de ignorar documento assinado pelos representantes do Estado, garantindo a anistia aos militares. A tropa está insatisfeita. O que eles pretendem com tanta arbitrariedade?”, disse Prisco em nota.
Quatro policiais militares que participaram da greve da categoria em 2012 foram demitidos da corporação, segundo as informações divulgadas, nesta quarta-feira (14), pela Associação dos Policiais e Bombeiros Militares e seus Familiares do Estado da Bahia (Aspra), confirmadas pela corporação da PM.
A Aspra acusa que a PM ignorou o acordo com policiais militares firmado em 2014, que previa a anistia a todos os integrantes do movimento de 2012. Segundo a PM, as demissões ocorreram em 28 de setembro e na sexta-feira (9). Os atos foram divulgados no Boletim Geral Ostensivo (BGO), sistema de comunicação interna da corporação.
Por meio de nota, a Polícia Militar defendeu que as demissões publicadas não ferem o ajuste firmado em 2014, pois o acordo não abrangia os atos praticados com violência ou que faziam apologia à violência. Segundo a PM, os demitidos têm relação com os atos violentos praticados no período da greve. No entanto, a corporação não detalha como teriam sido as ações.
Segundo a PM, dos 36 policiais militares acusados de cometerem atos contra a administração da polícia do estado, quatro casos foram de maior gravidade e repercutiram de forma direta nos "preceitos da instituição".
O deputado estadual Marco Prisco (PSDB), líder do movimento e fundador da Aspra, negou que os quatro demitidos tenham relação com atos de violência. Entre eles, estão uma mulher e três homens, sendo que dois são diretores da Aspra - um de Salvador e um de Feira de Santana.
“Não teve ato [violento]. Inclusive um deles, uma policial militar estava em casa, não participou da greve. Ela é acusada de passar uma mensagem para mim. A alegação é que teria deixado público a fragilidade da segurança do quartel e isso foi a público porque o próprio governo divulgou na imprensa. Outro é acusado de tomar uma viatura, mas nem no local ele estava. Outra pessoa também acusada de tomar viatura, mas ele recolheu a viatura. E o último também não cometeu ato algum. Simplesmente participou de uma reunião com o coronel, quando outros PMs entraram nessa sala e o coronel [em Ilhéus] pediu que eles saíssem. Ele não acatou a ordem do coronel”, afirmou Prisco.

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Após confusão no Chapadão, policial é resgatado dentro de casa


Um subtenente reformado da Polícia Militar e a sua família tiveram que ser resgatados por agentes do 41º BPM (Irajá) na Rua Alcobaça, em Anchieta, nas imediações do Complexo do Chapadão, Zona Norte do Rio. O fato aconteceu na tarde desta quarta-feira (14). De acordo com o batalhão, ele viu criminosos cercando a sua residência e decidiu chamar reforço policial.



O conjunto de favelas do Chapadão vem registrando hoje diversas ocorrências. Mais cedo, três ônibus foram queimados por conta da morte de Maique da Silva de Souza, de 22 anos. Ele foi atingido por uma bala perdida na região Criança Esperança, que fica ao lado da comunidade Final Feliz. *Moradores dizem que o disparo partiu de policiais e que a vítima não tinha envolvimento com o tráfico.

Já segundo o subcomandante do 41º BPM (Irajá), Major José Matos, a PM não realizava operação nesta comunidade, no momento em que a Maike foi alvejado, apenas incursões nas favelas Gogó da Ema, Final Feliz e Parque Esperança, que ficam próximas.

“Não podemos afirmar, mas há grandes chances de a morte ter sido cometida por traficantes. Quando aos atos de vandalismo, devem ter articulação com o tráfico, pois pessoas de bem não fazem isso, não ateiam fogo em ônibus, não quebram o comércio”, afirmou o oficial.

O objetivo das ações era tentar encontrar o soldado Neandro Santos de Oliveira, que desapareceu na segunda-feira (12), após tentar fugir de uma blitz falsa nas imediações.

Em relação ao desaparecimento do PM Neandro, o Major acha pouco provável que ele seja encontrado vivo, pois já se passaram mais de 24 horas do seu desaparecimento, mas que a “esperança é a última que morre e que a polícia está fazendo de tudo para localiza-lo”. Ele não confirmou se um dos três corpos encontrados carbonizados, ontem (13), era do soldado, mas que a perícia foi realizada e que é preciso aguardar o resultado do laudo.

segunda-feira, 12 de outubro de 2015

PM de São Paulo captura criminoso da lista dos mais procurados do Rio


São José dos Campos

Foi preso na noite de quinta-feira, em um hotel na região central de São José dos Campos, Iverson Cleison Santana da Silva, conhecido como Pitbull. Ele é acusado de duplo homicídio qualificado pela Justiça do Rio de Janeiro, e estava entre os criminosos mais procurados do estado.
Ele foi capturado pela Polícia Militar de São José, que fazia patrulhamento pela região e recebeu uma denúncia anônima, por meio de seu setor de inteligência, de que um procurado pela Justiça estaria hospedado em um hotel na Avenida José Longo, além de informações sobre o veículo que o criminoso dirigia.
No local indicado, os policiais encontraram o foragido e revistaram o carro, onde encontraram duas identidades, uma em nome de Roberto Ferreira e outra em nome de Pedro Roberto da Silva, que o procurado usava como documento falso. 
Ele foi levado para o 1º DP (Departamento de Polícia), onde irá aguardar para ser levado para o Rio de Janeiro, onde estão registrados os processos contra ele.


Crime. Iverson era procurado desde abril de 2012, pelos assassinatos de Antônio Carlos Fernandes e de seu filho, Michael Douglas Fernandes, em Guadalupe, no subúrbio do Rio de Janeiro.
O crime teria sido motivado por um desentendimento entre o sobrinho de Michael, e o filho de Iverson, enquanto brincavam com bolinhas de gude. Iverson saiu de casa com uma pistola e atirou duas vezes em Michael e em Antônio Carlos, que tentava tirar a arma de sua mão.




domingo, 11 de outubro de 2015

Cabo da PM é morto em Del Castilho


Cabo da PM Gustavo Medeiros, de 29 anos, almoçava com a mulher, no bar e  restaurante Tamojunto, em Del Castilho, quando foi abordado por criminosos.Um grupo de homens entrou na varanda do estabelecimento e tentou arrancar um cordão do pescoço do policial, que estava armado e reagiu. Houve troca de tiros. Gustavo foi atingido no abdômen, e outros dois clientes do restaurante também ficaram feridos. Todos foram encaminhados ao Hospital Salgado Filho, no Méier. O PM não resistiu aos ferimentos.


Vamos pedir aos Deputados que o Colégio da Polícia Militar permaneça sob a administração da PMERJ e que receba mais recursos.


EVENTO : https://www.facebook.com/events/534611296692872/

Morre o policial militar Blaier Doacre

O soldado da Polícia Militar Blaier Monteiro Doacre,  que foi baleado em setembro ( leia ) durante uma tentativa de assalto, morreu após ficar internado em estado grave por um mês. Ele é viúvo da soldado Drielle Lasnor, que morreu após ser  baleada na cabeça, durante perseguição policial,  em Realengo em maio deste ano
.

Pagamento do bônus por cumprimento de metas


sábado, 10 de outubro de 2015

ESTADO AINDA NÃO SABE SE DARÁ CESTA DE NATAL AOS PMs


Beltrame é réu em escândalo de viaturas superfaturadas

Secretário de Segurança assinou contratos em que Estado pagou 3.300 reais por mês pela manutenção de cada carro da PM. MP pede a devolução de quase 135 milhões aos cofres públicos


Há quase nove anos no comando da Secretaria de Segurança Pública do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame vive uma espécie de inferno astral à frente do cargo. Antes aplaudido em restaurantes e escolhido como personalidade do ano - em especial após a tomada do Complexo do Alemão, em novembro de 2010 - o delegado federal começa a ver seu trabalho contestado nas redes sociais e tem sido alvo de duras críticas, não apenas de adversários políticos, mas do próprio prefeito da capital fluminense, Eduardo Paes. O esfacelamento de seu principal projeto de governo, as Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), e a explosão de violência pelas ruas do Rio, naturalmente, contribuem para o desgaste na sua imagem. Mas os problemas não param por aí. Desde 9 de setembro, Beltrame tem uma dor de cabeça a mais. O juiz da 7ª Vara de Fazenda Pública, Marcelo Martins Evaristo da Silva, transformou o secretário em réu em uma ação de improbidade administrativa na qual o Ministério Público pede a devolução de quase 135 milhões de reais aos cofres públicos.
A denúncia do promotor Rogério Pacheco Alves é referente ao superfaturamento em dois contratos de aquisição e manutenção de viaturas da PM. A Secretaria de Segurança do Rio divulgou nesta sexta-feira nota à imprensa na qual afirma que "o secretário de Estado de Segurança, José Mariano Beltrame, está à disposição para total esclarecimento dos fatos e aguarda notificação da decisão judicial".
No primeiro acordo, de número 30/2007, o montante no momento da assinatura, de 69,8 milhões de reais, logo ganhou um aditivo e saltou para 85,2 milhões de reais. Dessa quantia, a Secretaria de Segurança desembolsou 28,4 milhões de reais para adquirir os carros, e a manutenção custou outros 56,7 milhões de reais, o que levou o MP à conclusão de que, com este valor, seria possível adquirir mais dois carros zero quilômetro. continue lendo: Revista Veja 

quinta-feira, 8 de outubro de 2015

Polícia prende assassino de sargento morto em Cabo Frio


A Polícia Civil prendeu no fim da tarde de quarta-feira, 7 de outubro, o autor do assassinado do sargento Ronaldo do Nascimento. O policial militar foi morto quando estava de folga, na madrugada do último domingo, no bairro Jardim Esperança, em Cabo Frio, na Região dos Lagos. Ele era lotado do 25ºBPM (Cabo Frio). O suspeito foi preso em Itaboraí. A assessoria de imprensa da Polícia Civil ainda não tem detalhes da prisão e não divulgou o nome do autor do crime. 
A delegada de Cabo Frio, Flavia Goes Monteiro Romero de Barros, está a caminho de Itaboraí. O sargento foi surpreendido por atiradores que estavam em uma motocicleta e passaram atirando contra um bar, na Avenida Ézio Cardoso da Fonseca. Ronaldo do Nascimento reagiu e houve confronto com os bandidos. Ele e uma outra vítima foram atingidos pelos disparos. O policial foi socorrido e encaminhado ao Hospital Municipal do Jardim Esperança mas não resistiu aos ferimentos. 

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Preso um dos bandidos envolvidos na morte do policial militar


Um PM que estava de folga prendeu, na madrugada desta quarta-feira, Paulo Sergio Bernando de Souza, de 20 anos, suspeito de matar o soldado da Polícia Militar Alyson Leonardo Egidio Alves, no último dia 1º. Ele foi preso em Coelho da Rocha, mesmo distrito onde ocorreu o crime, em São João de Meriti, na Baixada, e foi reconhecido pela esposa da vítima, que presenciou o assassinato do marido dentro de um salão de beleza. 
 A prisão ocorreu pouco depois de 0h e o PM de folga pediu reforço dos policiais do 20 º BPM (São João de Meriti), que foram até o local e levaram o suspeito para a Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF), que investiga o crime. Ele foi autuado pelo crime de homicídio.

terça-feira, 6 de outubro de 2015

Presidio em Niterói recebe PMs internos do Batalhão Especial Prisional


Depois da desativação do Batalhão Especial Prisional (BEP), e a transferência dos PMs  para a Penitenciária Vieira Ferreira Neto, no Fonseca, em Niterói, o secretário estadual de Administração Penitenciária, Erir Ribeiro Costa Filho, deve se reunir quarta-feira (7) com o autor da ordem de transferência, o juiz Eduardo Oberg, titular da Vara de Execuções Penais (VEP), para discutir as novas diretrizes do regime da penitenciária.  

O objetivo da reunião é elaborar o regimento interno para a nova unidade prisional militar, que hoje abriga 221 policiais militares que aguardam julgamento, para tentar evitar novas confusões como a que ocorreu entre um grupo de detentos e a juíza Daniela Barbosa Assumpção de Souza, da VEP, enquanto fazia uma inspeção de rotina na penitenciária.  

No episódio, a magistrada e sua escolta foram atacados por um grupo de detentos enquanto ela vistoriava as instalações do BEP, após receber informações de possíveis regalias dentro da unidade.  

Após a deliberação, o acordo deve ser encaminhado para o comandante-geral de Polícia Militar, coronel Pinheiro Neto, para sua apreciação, uma vez que a penitenciária passará a ser uma cadeia exclusiva para receber policiais militares acusados de crimes. Os detentos deverão ter direito a uma TV, um rádio e um ventilador, porém não poderão ter telefones celulares.

domingo, 4 de outubro de 2015

Mulher morre baleada ao entrar por engano na em favela


Uma mulher morreu baleada na noite do último sábado (3), na comunidade do Caramujo, na Zona Norte de Niterói. De acordo com o comandante do 12º BPM (Niterói), coronel Fernando Salema, a empresária Regina Múrmura estava com o marido, Francisco Múrmura, quando aconteceu o crime. Eles seguiam de carro da Zona Sul do Rio para São Francisco, na Zona Sul de Niterói, mas erraram o caminho e entraram acidentalmente na comunidade, onde foram recebidos a tiros. 

Segundo o comandante, o casal seguia do Rio para Niterói e teriam usado o GPS para encontrar a Avenida Quintino Bocaiúva, em São Francisco. Segundo Salema, o aparelho indicou a Rua Quintino Bocaiúva que fica dentro da Comunidade do Caramujo. Em depoimento à polícia, Francisco contou que acelerou o carro e tentou fugir, mas entrou em uma rua sem saída. 

Depois do crime, Francisco dirigiu o carro com a mulher ferida até ao Hospital Estadual Azevedo Lima (Heal), no Fonseca, mas ela não resistiu aos ferimentos e morreu no hospital. Em nota, a direção do hospital afirma que ela já chegou com uma parada cardiorespiratória e não resistiu aos ferimentos. 

Policial militar morre baleado em Cabo Frio


Um policial militar foi baleado e morreu, na madrugada deste domingo, em Cabo Frio, Região dos Lagos do Rio. Lotado no 25º BPM (Cabo Frio), o sargento Ronaldo Ferreira do Nascimento, 39 anos, foi atingido por um tiro quando fazia um lanche numa conhecida barraca de churrasquinhos, na Avenida Ézio Cardoso da Fonseca, no bairro Jardim Esperança.

Dois homens em uma moto chegaram ao local, por volta de 1h, efetuando vários disparos. O sargento, que estava de férias, foi abordar os bandidos, mas acabou sendo atingido por um tiro. Outro disparo atingiu de raspão na barriga um homem, identificado como Alessandro da Silva Martins, 38 anos. Ele e o policial foram socorridos por populares a um hospital do bairro e depois foram encaminhados à UPA de Cabo Frio, mas o militar não resistiu aos ferimentos e já chegou morto à unidade.

O caso foi registrado na 126ª DP (Cabo Frio).

sexta-feira, 2 de outubro de 2015

UM PM MORREU E OUTRO FICOU FERIDO APÓS ASSALTO NA SULACAP

É estável o quadro de saúde do cabo da Polícia Militar Antônio Carlos Dias Leite, lotado no 16º BPM (Olaria). A informação foi confirmada pela Secretaria de Estado de Saúde. Antônio foi baleado após sofrer uma tentativa de assalto, na manhã desta sexta-feira (02), na Avenida Marechal Fontenelle, em Sulacap, na Zona Oeste do Rio.

Ele e o sargento Marcelo Moraes, também do 16º BPM, estavam em uma moto, quando foram abordados por criminosos. Os PMs reagiram e houve troca de tiros. Os dois foram baleados, mas o sargento não resistiu aos ferimentos e morreu na hora. Já o cabo está internado no Hospital Estadual Albert Schweitzer, em Realengo, onde passou por uma cirurgia.



 Um pedestre que passava pelo local, pegou a arma de um dos militares e atirou contra os bandidos. Um deles também morreu e o outro conseguiu fugir. Agentes da Divisão de Homicídios da Capital (DH) investigam o caso. O corpo do sargento Marcelo Moraes será enterrado neste sábado (03), às 11h, no Cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap. 

Vídeo mostra a ação dos bandidos que tiraram a vida do policial militar em São João de Meriti

O policial militar Alyson Leonardo Egidio Alves foi morto na frente da esposa, dentro de um salão de beleza na Rua Brilhante, em Coelho da Rocha, São João de Meriti. O crime foi na noite desta quinta-feira (01/10).

quinta-feira, 1 de outubro de 2015

PM é morto em São João de Meriti


Um soldado da Polícia Militar foi morto a tiros após uma suposta tentativa de assalto na Rua Brilhante, em Coelho da Rocha, São João de Meriti, ontem à tarde. Alyson Leonardo Egidio Alves, lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Salgueiro, estava no salão de beleza da esposa, quando foi surpreendido por pelo menos três criminosos armados em um carro vermelho.

De acordo com informações do 21º BPM (São João de Meriti), os bandidos viram a arma na cintura do PM e disparam três tiros contra ele. Dois tiros acertaram o rosto e um as costas do soldado, que foi socorrido para o Posto de Atendimento Médico (PAM) de São João de Meriti, mas não resistiu. A cunhada dele também foi atingida na perna. 

A esposa do PM, com quem já vivia há três anos, viu o crime. Antes de ingressar na corporação, Alyson serviu na Marinha. O fato vai ser investigado pela Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF). Agentes ouviram testemunhas que estavam no estabelecimento e vão tentar buscas câmeras de segurança da região para identificar os assaltantes.

Juiz determina fechamento do BEP após agressão a magistrada


Presos da Unidade Prisional (BEP) agrediram a juíza Daniela Barbosa Assumpção, da Vara de Execuções Penais do Tribunal de Justiça do Rio, e membros da escolta dela durante inspeção na unidade, na tarde desta quinta-feira, em Benfica. O alvo principal dos policiais militares presos era a magistrada, que teve a blusa rasgada, mas, cercada pelos seguranças, conseguiu escapar. Cinco agentes que protegiam a juíza foram espancados com pedaços de pau.
Após o incidente, o juiz Eduardo Oberg, titular da Vara de Execuções Penais, determinou o fechamento imediato do Batalhão Especial Prisional. O magistrado determinou que todos os 221 policiais militares presos na unidade sejam transferidos para o Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, em até 72 horas.

O deputado estadual Flávio Bolsonaro (PP) criticou a atuação da juíza Daniela Assumpção dentro do BEP. De acordo com o parlamentar, a juíza "interpelou de forma ríspida um dos presos que toma remédio controlado" e "se dirigiu de forma desrespeitosa a alguns policiais, chamando-os de vagabundos e milicianos". O deputado acrescentou que PMs vão fazer registro de ocorrência contra a magistrada.
— Tudo o que eles (os presos) têm aqui a VEP permite. A juíza está querendo demonstrar força e vaidade. Ao serem tratados como bandidos os policiais ficaram indignados e vão registrar ocorrências contra ela — afirmou Bolsonaro, que criticou a decisão de fechar a unidade: — A transferência dos presos para Bangu é absurda porque os militares têm a prerrogativa em lei de aguardarem pelo julgamento em unidades diferenciadas do preso comum. Levango eles para Bangu, os militares se juntariam a chefes de facções criminosas.
Presidente da Associação de Magistrados do Estado do Rio (Amaerj), o juiz Rossidélio Lopes rebateu as acusações de excessos por parte da juíza.
— É injustificável colocar a culpa na juíza diante desse desrespeito. Isso seria colocar em xeque todo o Estado Democrático de Direito. Esses presos não têm noção de hierarquia e se acham acima da lei. Ela (a juíza Daniela) ficou acuada e seus seguranças chegaram a receber pauladas. Então ela foi para uma sala, mas, depois, com reforço policial, voltou e conseguiu fazer a inspeção com cabeça erguida. A Daniela nesse momento representou toda a magistratura brasileira. E a magistratura não pode se curvar — disse Rossidélio.