quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Após confusão no Chapadão, policial é resgatado dentro de casa


Um subtenente reformado da Polícia Militar e a sua família tiveram que ser resgatados por agentes do 41º BPM (Irajá) na Rua Alcobaça, em Anchieta, nas imediações do Complexo do Chapadão, Zona Norte do Rio. O fato aconteceu na tarde desta quarta-feira (14). De acordo com o batalhão, ele viu criminosos cercando a sua residência e decidiu chamar reforço policial.



O conjunto de favelas do Chapadão vem registrando hoje diversas ocorrências. Mais cedo, três ônibus foram queimados por conta da morte de Maique da Silva de Souza, de 22 anos. Ele foi atingido por uma bala perdida na região Criança Esperança, que fica ao lado da comunidade Final Feliz. *Moradores dizem que o disparo partiu de policiais e que a vítima não tinha envolvimento com o tráfico.

Já segundo o subcomandante do 41º BPM (Irajá), Major José Matos, a PM não realizava operação nesta comunidade, no momento em que a Maike foi alvejado, apenas incursões nas favelas Gogó da Ema, Final Feliz e Parque Esperança, que ficam próximas.

“Não podemos afirmar, mas há grandes chances de a morte ter sido cometida por traficantes. Quando aos atos de vandalismo, devem ter articulação com o tráfico, pois pessoas de bem não fazem isso, não ateiam fogo em ônibus, não quebram o comércio”, afirmou o oficial.

O objetivo das ações era tentar encontrar o soldado Neandro Santos de Oliveira, que desapareceu na segunda-feira (12), após tentar fugir de uma blitz falsa nas imediações.

Em relação ao desaparecimento do PM Neandro, o Major acha pouco provável que ele seja encontrado vivo, pois já se passaram mais de 24 horas do seu desaparecimento, mas que a “esperança é a última que morre e que a polícia está fazendo de tudo para localiza-lo”. Ele não confirmou se um dos três corpos encontrados carbonizados, ontem (13), era do soldado, mas que a perícia foi realizada e que é preciso aguardar o resultado do laudo.

2 comentários:

  1. Para pagar salários dignos à tropa da PMERJ eles alegam não ter dinheiro, mas um mendigo ganha mais do que um Soldado da PMERJ. Moradores de rua recebem em torno de R$ 150 por dia (R$ 4.500 por mês) pedindo esmola.

    ResponderExcluir
  2. Inversão de valores, hoje no Rio de Janeiro o policial bom é o policial morto, quando o policial mata um bandido mesmo no exercício de suas funções, é considerado violento. ( HIPOCRISIA DO CARALHO ).

    ResponderExcluir