segunda-feira, 30 de novembro de 2015

PM exonera comandante do 41º BPM


O comando-geral da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro exonerou na manhã desta segunda-feira (30) o tenente-coronel Marcos Netto, comandante do 41º BPM (Irajá).De acordo com a PM, ele foi afastado em razão da morte de cinco amigos, fuzilados por agentes na região de Costa Barros no sábado (28).
"O comandante geral exonera o tenente coronel Marcos Netto do Comando do 41°BPM, em razão dos últimos lamentáveis acontecimentos envolvendo policiais sob o seu comando que conflitam com as orientações do Comando da Corporação.  A exoneração é resultado do esforço que a Corporação já vinha  desenvolvendo ultimamente no sentido de mudar padrões operacionais de Unidades em áreas conflagradas", diz nota da PM sobre a exoneração.
"Tudo isso será esclarecido com o Inquérito Policial Militar e também no inquérito instaurado na Polícia Civil. Temos a certeza do que eles fizeram e serão responsabilizados por isso, não há dúvida", disse o coronel Marcos Netto.
Ainda segundo a PM, o comando do 41º BPM (Irajá) será assumido pelo tenente-coronel Jorge Fernando de Oliveira Pimenta, que comanda o 32º BPM (Macaé).

PMs presos por morte de jovens no Rio dizem que foram checar roubo

Os policiais militares presos pelo fuzilamento de cinco jovens em Costa Barros, no Subúrbio do Rio, disseram em depoimento que foram checar uma denúncia de roubo de caminhão quando criminosos atiraram contra eles. Para a Polícia Civil, no entanto, essa versão é mentira.
Os quatro policiais estão presos e podem ser expulsos da PM.  O soldado Antônio Carlos Gonçalves prestou depoimento no domingo à tarde. Ele disse que ele, o cabo Fabio Pizza Oliveira da Silva, o soldado Thiago Viana Barbosa e o sargento Marcio Darcy dos Santos foram checar uma denúncia de roubo de caminhão de bebidas na rua José Arantes de Melo, perto do Morro da Lagartixa, em Costa Barros. E que, quando chegaram lá, foram recebidos a tiros. O caminhão estava sendo saqueado.
Ainda de acordo com o soldado Antonio Carlos, dois homens, numa moto, atiraram de fuzil contra os PMs, que revidaram. Em um carro, o carona estava armado e também disparou contra os policiais. Os dois homens na moto conseguiram fugir. Um deles era irmão de Wilton Junior, um dos cinco rapazes mortos. A perícia encontrou a arma citada no depoimento do policial perto dos corpos.
Os quatro policiais militares foram presos em flagrante e levados pro Batalhão Prisional, em Niterói. Três deles vão responder por homicídio doloso, quando há intenção de matar. E todos por fraude processual, por alterar a cena do crime.
O secretário de estado de Segurança, José Mariano Beltrame, condenou a atitude dos policiais. “A ação que esses policiais fizeram é uma ação trágica, indefensável, que transcende qualquer capacitação. É uma demonstração do caráter que eles têm. Desnecessária e exagerada e essas pessoas já estão presas, vão responder criminalmente e administrativamente e acredito que, pelo que está no indiciamento, possivelmente, tem processo todo aí, poderão sem dúvida nenhuma ser excluídos da corporação”, disse o secretário.

3 comentários:

  1. Tá certo. Tem que começar a punir quem está no ápice. É muito fácil a corda estourar para o lado mais fraco.
    Se PMs estão despreparados, é porque o comando não orienta bem, é porque o Secretário de Estado de Defesa, Deputados e Governadores são omissos e incompetentes.

    PMs não são bem remunerados, não são bem preparados, quase não fazem reciclagem, não fazem exame toxicológico, não fazem exame de alcoolemia, não fazem exame de sanidade mental e ainda entram por meio de um concurso público fraco.

    Nesse blog mesmo descobri que quem tira nota 2 em matemática e português entra na PM.

    Como isso é possível? Enquanto no TJ ou no MP se tirar nota 8 quase não entra.

    Quem meche com arma tem que ter nível intelectual maior. Queremos qualidade, não apenas quantidade.
    Então a culpa também vem lá de cima, principalmente.

    ResponderExcluir
  2. A Polícia Militar precisa ser valorizada e fortalecida, pois POLICIAIS MILITARES DESMOTIVADOS significa SEGURANÇA PÚBLICA AMEAÇADA. Vale lembrar que o Rio de Janeiro sediará os Jogos Olímpicos de 2016, sendo o reconhecimento pecuniário indispensável, imprescindível para melhorar a qualidade do serviço policial-militar.

    Nas sociedades capitalistas é comum que o valor de um indivíduo seja aferido através do seu poder de compra, e isso tem muito a ver com seus rendimentos – a quantidade de dinheiro que ele consegue adquirir em determinado espaço de tempo. O salário do Policial Militar do Rio de Janeiro é incapaz de atender às suas necessidades vitais básicas (previstas no inciso IV do artigo 7º da Constituição Federal de 1988).

    Não é à toa que, falando de valorização dos policiais brasileiros, sempre se remete à questão salarial como um problema sério, pois além de garantir elementos essenciais para a sobrevivência, “ganhar bem” concede ao profissional um posicionamento social de relevância. Todo mundo quer maior qualidade na segurança pública, mas para melhorar a qualidade será imprescindível melhorar a questão salarial, ou seja, valorizar o Policial Militar com uma remuneração digna.

    A PMERJ pode reclamar bastante dos seus vencimentos, pois são inadequados para as funções exercidas. Os baixos salários desmotivam a tropa e criam desinteresse pela profissão. Um Soldado de Polícia Militar em início de carreira deveria receber vencimentos iniciais de R$ 8.612,50 (oito mil, seiscentos e doze reais e cinquenta centavos) mensais, para uma jornada de trabalho de até 144 horas mensais. A questão salarial impacta diretamente na autoestima dos Policiais e na valorização das Polícias.

    Os baixos salários fazem a PMERJ perder oficiais e praças. O idealismo vai esmorecendo, pois já não encontra-se mais comandantes com "C" maiúsculo, dignos de orgulho de seus comandados e os vencimentos não são suficientes para dar uma vida digna à família. A tropa da PMERJ está desmotivada, insatisfeita e tem VERGONHA DO SALÁRIO! Não há justificativa para os BAIXOS SALÁRIOS.

    "QUEM VIVE PARA PROTEGER, MERECE RESPEITO PARA VIVER." O Policial Militar precisa ser valorizado como herói! Em contrapartida, a Polícia Militar deveria acabar definitivamente com a Promoção de Praças por Tempo de Serviço! As Promoções devem ser conquistadas mediante aprovação em concursos internos para o CFC, o CFS e o CAS, bem como a conclusão de um Curso de Ensino Superior. Os Policiais Militares que já concluíram o 3º Grau deveriam receber um acréscimo no salário, como é feito na Guarda Municipal do Rio de Janeiro. Quem se qualificou tem que ser premiado. É a única forma de incentivar o estudo, a qualificação.

    ResponderExcluir
  3. Me digas com quem andas quê direis tem tu és...mataram cinco só que dois não eram santo...um com passagem por roubo e o outro por tráfico.

    ResponderExcluir