sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

Décimo terceiro: servidor pode optar por empréstimo ou parcelamento

O GLOBO 
Um decreto publicado pelo governo estadual, nesta sexta-feira, permite que servidores possam receber a segunda parcela do décimo terceiro por meio de um empréstimo bancário. O estado depositou quinta-feira o equivalente a 20% do vencimento. Segundo o secretário estadual da Casa Civil, Leonardo Espíndola, os funcionários que quiserem receber os 80% correspondentes ao pagamento de uma única vez poderão fazê-lo numa instituição financeira credenciada pelo estado ou no Bradesco, onde o governo paga os salários dos funcionários.

De acordo com o Leonardo Espíndola, aqueles funcionários que não quiserem fazer o empréstimo vão receber o décimo terceiro em mais quatro parcelas.

Ele explicou que cada funcionário terá que aderir a um plano de empréstimo com a garantia de que os juros de 1,93% ao mês será honrado pelo governo. O secretário ainda garantiu que as instituições financeiras vão aceitar conceder crédito mesmo para aqueles funcionários que estão com o nome inscrito em instituições de proteção ao crédito, como o Serasa.

— O pagamento será parcelado. O que o governo do estado está fazendo é facilitando para o servidor público uma taxa mínima para que ele possa captar numa instituição financeira credenciada pela secretaria de Planejamento, onde pode haver a indenização do servidor pelo custo financeiro dessa operação de antecipação do 13º salário — disse Espíndola. — O custo efetivo dessa operação será integralmente quitado pelo estado para que não haja nenhum prejuízo para o servidor público, tanto aposentado, quanto pensionista de todos os poderes.

Ele disse ainda que os servidores que optarem pelo parcelamento receberão ainda um abono correspondente ao pagamento de juros ao mês ao longo de quatro meses:

— Aquele servidor que não quiser antecipar o seu décimo terceiro salário, ele receberá uma indenização em razão do descumprimento do estado, que deveria pagar até dezembro de 2015. E não está fazendo em razão da crise que se abateu sobre o estado. Essas pessoas já receberam a primeira parcela ontem (quinta-feira) e receberão os outros vencimentos em janeiro, fevereiro, março e abril — disse o secretário.

De acordo com o secretário, os servidores de todos os poderes (executivo, judiciário e legislativo) poderão aderir ao plano. Ele afirmou ainda que não sabe se os funcionários do judiciário e legislativo já receberam o pagamento.

— Eu não sei. Acho que os ativos receberam. Mas todos aqueles que não receberam poderão fazer o empréstimo.

O estado estima que ao todo, os empréstimos devem somar cerca de R$ 500 milhões, dos quais o governo poderá gastar R$ 30 milhões com o pagamento de juros.

PUBLICIDADE
Perguntado sobre o risco de a operação ser questionada na Justiça, o secretário negou que possa haver qualquer tipo de irregularidade:

— O que o governo está fazendo é nada mais do que indenizar o servidor que não recebeu o pagamento no prazo indevido. O servidor não tem nenhum prejuízo ao contrair o empréstimo. Todo custo financeiro será custeado pelo estado.


9 comentários:

  1. VAIS CONFIAR EM CONVERSA DE POLÍTICO? TERÁS MAIS UM EMPRÉSTIMO DESCONTANDO EM SEU CONTRACHEQUE.

    ResponderExcluir
  2. ESSA PM SÓ TEM COVARDES, O GOVERNO E OS CORONEIS FAZEM O QUE QUEREM E TODOS FICAM CALADOS. NÃO VAI DEMORAR MUITO E A O CHICOTE VAI VOLTAR.

    ResponderExcluir
  3. 'Todo custo financeiro será custeado pelo estado'
    Então por que temos que assinar um empréstimo? Eles não podiam pegar o empréstimo e pagar? O que acho engraçado e que o Povinho lá de cima já recebeu até o décimo quarto pagamento . indignada!

    ResponderExcluir
  4. GOVERNADOR DESGRAÇADO , DEPUTADOS COMPRADOS QUE NÃO LUTAM PELO POVO.
    PODEM NÃO PAGAR AQUI NA TERRA , MAS VÃO PAGAR NO INFERNO , VENDO SEUS FAMILIARES QUE SE APROVEITAM DA CORRUPÇÃO SOFRENDO DE DOENÇAS E OUTROS MALES QUE O DINHEIRO ROUBADO NÃO VÃO AJUDAR.
    DURMAM TRANQUILOS , QUE QUALQUER DIA A POLÍCIA FEDERAL VAI BATER NAS SUAS PORTAS.

    ResponderExcluir
  5. A PMERJ pode reclamar bastante dos seus vencimentos, pois são inadequados para as funções exercidas. Os baixos salários desmotivam a tropa e criam desinteresse pela profissão. Um Soldado de Polícia Militar em início de carreira deveria receber vencimentos iniciais de R$ 8.712,50 (oito mil, setecentos e doze reais e cinquenta centavos) mensais, para uma jornada de trabalho de até 144 horas mensais. A questão salarial impacta diretamente na autoestima dos Policiais e na valorização das Polícias.

    ResponderExcluir
  6. “POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA SÓ É FEITA COM POLICIAIS BEM PAGOS” foi o que disse o então candidato ao Governo do Rio, Sérgio Cabral Filho.

    “O GOVERNANTE QUE DIZ QUE O ESTADO DO RIO NÃO TEM DINHEIRO PARA PAGAR MELHOR SEUS POLICIAIS ESTÁ MENTINDO!” (palavras de Sérgio Cabral em 2006)

    ResponderExcluir
  7. POLICIAIS MILITARES ARRISCAM A PRÓPRIA VIDA POR MUITO POUCO

    A Polícia Militar precisa ser valorizada e fortalecida, pois POLICIAIS MILITARES DESMOTIVADOS significa SEGURANÇA PÚBLICA AMEAÇADA. Vale lembrar que o Rio de Janeiro sediará os Jogos Olímpicos de 2016, sendo o reconhecimento pecuniário indispensável, imprescindível para melhorar a qualidade do serviço policial-militar.

    Nas sociedades capitalistas é comum que o valor de um indivíduo seja aferido através do seu poder de compra, e isso tem muito a ver com seus rendimentos – a quantidade de dinheiro que ele consegue adquirir em determinado espaço de tempo. O salário do Policial Militar do Rio de Janeiro é incapaz de atender às suas necessidades vitais básicas (previstas no inciso IV do artigo 7º da Constituição Federal de 1988).

    Não é à toa que, falando de valorização dos policiais brasileiros, sempre se remete à questão salarial como um problema sério, pois além de garantir elementos essenciais para a sobrevivência, “ganhar bem” concede ao profissional um posicionamento social de relevância. Todo mundo quer maior qualidade na segurança pública, mas para melhorar a qualidade será imprescindível melhorar a questão salarial, ou seja, valorizar o Policial Militar com uma remuneração digna.

    A PMERJ pode reclamar bastante dos seus vencimentos, pois são inadequados para as funções exercidas. Os baixos salários desmotivam a tropa e criam desinteresse pela profissão. Um Soldado de Polícia Militar em início de carreira deveria receber vencimentos iniciais de R$ 8.712,50 (oito mil, setecentos e doze reais e cinquenta centavos) mensais, para uma jornada de trabalho de até 144 horas mensais. A questão salarial impacta diretamente na autoestima dos Policiais e na valorização das Polícias.

    Os baixos salários fazem a PMERJ perder oficiais e praças. O idealismo vai esmorecendo, pois já não encontra-se mais comandantes com "C" maiúsculo, dignos de orgulho de seus comandados e os vencimentos não são suficientes para dar uma vida digna à família. A tropa da PMERJ está desmotivada, insatisfeita e tem VERGONHA DO SALÁRIO! Não há justificativa para os BAIXOS SALÁRIOS.

    "QUEM VIVE PARA PROTEGER, MERECE RESPEITO PARA VIVER." O Policial Militar precisa ser valorizado como herói! Em contrapartida, a Polícia Militar deveria acabar definitivamente com a Promoção de Praças por Tempo de Serviço! As Promoções devem ser conquistadas mediante aprovação em concursos internos para o CFC, o CFS e o CAS, bem como a conclusão de um Curso de Ensino Superior. Os Policiais Militares que já concluíram o 3º Grau deveriam receber um acréscimo no salário, como é feito na Guarda Municipal do Rio de Janeiro. Quem se qualificou tem que ser premiado. É a única forma de incentivar o estudo, a qualificação.

    ResponderExcluir
  8. Denúncia ao ministério público e se eles não resolverem ! Grava e postam nas redes sociais e na televisão.

    ResponderExcluir
  9. Cadê o Proeis SEEDUC? Outubro e Novembro atrasados!!

    ResponderExcluir