segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

PMs não ganharão cestas de fim de ano

O Natal vai ser magro para os mais de 48 mil policiais militares do Rio. Pela primeira vez, os agentes vão ter que usar a criatividade e apertar os cintos para fazer a ceia, já que, às vésperas da data da celebração, nenhum vestígio de cesta de produtos ou vale-compras chegou à mesa dos agentes. E nem deve. Segundo informações dos policiais, não há verba para a compra do benefício, já que o orçamento da corporação com alimentação previsto para 2014 foi estourado com os gastos extras durante a Copa do Mundo. 
Desde o fim de maio até 13 de julho, todo o efetivo da PM e os recrutas recém-formados foram colocados de prontidão para os jogos, para dar conta da segurança da cidade durante o evento, que durou um mês. Neste período, os policiais recebiam lanches durante o expediente, que incluía sanduíches, suco, água, maçã, biscoito, barra de cereal e bolo. O custo extra com os lanches saiu do orçamento anual. 
Nenhum comunicado oficial sobre a falta da cesta de Natal foi feito aos policiais, mas a notícia já corre entre a tropa, que ficou desanimada. “Sempre recebemos cesta, mas ao longo do tempo foi minguando. Há dois anos, foi um vale-compras. Agora, nem sombra disso”, disse um cabo, que pediu para não ser identificado. Ainda segundo o policial, o vale era no valor de R$ 100, que saía no contracheque como auxílio natalino.
“Para a maioria dos policiais faz muita diferença receber essa ajuda no Natal, principalmente para quem tem família grande. Nosso salário já é apertado, e os produtos da ceia estão cada vez mais caros”, comentou um sargento, que é casado e tem três filhos. 
No ano passado, além de produtos tradicionais de uma cesta básica, o benefício que os PMs receberam tinha itens natalinos como frios, pêssego, frango e meio quilo de bacalhau. A distribuição dos kits ocorreu entre os dias 9 e 17 de dezembro para os policiais, mas o aviso foi dado já no boletim do dia 22 de novembro, para que as unidades fornecessem a lista com nomes e identidades de todos os beneficiários. 
Em nota, a assessoria da PM informou que “solicitou à Secretaria de Segurança que viabilizasse os recursos necessários junto à Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag) para a definição dos bônus de fim de ano.” A corporação ainda aguarda uma definição da secretaria. Já a assessoria da Seplag informou apenas que ainda não há resposta sobre o pagamento do benefício. 

Enquanto o problema da ceia da tropa não é solucionado, o Boletim Interno da PM de quarta-feira publicou um convite para uma confraternização natalina restrita a coronéis que ocupam cargos de comandante, subcomandante, chefe, subchefe e diretores de unidade. O almoço será realizado sexta-feira, na Academia de Polícia Militar Dom João VI, em Sulacap.


* Cerca de 1.600 servidores do Tribunal de Contas do Estado (TCE) receberam, na última quinta-feira, um cartão com gratificação natalina de R$ 2 mil. O benefício foi entregue a concursados ativos e comissionados do tribunal. 



7 comentários:

  1. BEM FEITO, NOSSA CLASSE DE POLICIA SÓ SABE FICAR RECLAMANDO NÃO FAZEM NADA PARA MELHORAR ESTÃO SATISFEITO COM META RAS E "TRÂNSITO" NÃO TIRAM A BUNDA DO SOFÁ, NEM DÃO APOIO A QUEM TIRA COM OS PROFESSORES, SAÚDE E OUTROS SERVIDORES,SE FIZÉSSEMOS COMO OS BOMBEIROS QUE TAMBÉM SÃO MILITARES TERÍAMOS TUDO!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É ISSO MESMO AMIGO, FALTA UNIAO NA POLICIA MILITAR

      Excluir
  2. POLICIAIS MILITARES ARRISCAM A PRÓPRIA VIDA POR MUITO POUCO

    A Polícia Militar precisa ser valorizada e fortalecida, pois POLICIAIS MILITARES DESMOTIVADOS significa SEGURANÇA PÚBLICA AMEAÇADA. Vale lembrar que o Rio de Janeiro sediará os Jogos Olímpicos de 2016, sendo o reconhecimento pecuniário indispensável, imprescindível para melhorar a qualidade do serviço policial-militar.

    Nas sociedades capitalistas é comum que o valor de um indivíduo seja aferido através do seu poder de compra, e isso tem muito a ver com seus rendimentos – a quantidade de dinheiro que ele consegue adquirir em determinado espaço de tempo. O salário do Policial Militar do Rio de Janeiro é incapaz de atender às suas necessidades vitais básicas (previstas no inciso IV do artigo 7º da Constituição Federal de 1988).

    Não é à toa que, falando de valorização dos policiais brasileiros, sempre se remete à questão salarial como um problema sério, pois além de garantir elementos essenciais para a sobrevivência, “ganhar bem” concede ao profissional um posicionamento social de relevância. Todo mundo quer maior qualidade na segurança pública, mas para melhorar a qualidade será imprescindível melhorar a questão salarial, ou seja, valorizar o Policial Militar com uma remuneração digna.

    A PMERJ pode reclamar bastante dos seus vencimentos, pois são inadequados para as funções exercidas. Os baixos salários desmotivam a tropa e criam desinteresse pela profissão. Um Soldado de Polícia Militar em início de carreira deveria receber vencimentos iniciais de R$ 8.612,50 (oito mil, seiscentos e doze reais e cinquenta centavos) mensais, para uma jornada de trabalho de até 144 horas mensais. A questão salarial impacta diretamente na autoestima dos Policiais e na valorização das Polícias.

    Os baixos salários fazem a PMERJ perder oficiais e praças. O idealismo vai esmorecendo, pois já não encontra-se mais comandantes com "C" maiúsculo, dignos de orgulho de seus comandados e os vencimentos não são suficientes para dar uma vida digna à família. A tropa da PMERJ está desmotivada, insatisfeita e tem VERGONHA DO SALÁRIO! Não há justificativa para os BAIXOS SALÁRIOS.

    "QUEM VIVE PARA PROTEGER, MERECE RESPEITO PARA VIVER." O Policial Militar precisa ser valorizado como herói! Em contrapartida, a Polícia Militar deveria acabar definitivamente com a Promoção de Praças por Tempo de Serviço! As Promoções devem ser conquistadas mediante aprovação em concursos internos para o CFC, o CFS e o CAS, bem como a conclusão de um Curso de Ensino Superior. Os Policiais Militares que já concluíram o 3º Grau deveriam receber um acréscimo no salário, como é feito na Guarda Municipal do Rio de Janeiro. Quem se qualificou tem que ser premiado. É a única forma de incentivar o estudo, a qualificação.

    ResponderExcluir
  3. SD, CB, 3º SGT, 2º SGT, 1º SGT, SUBTEN, 2º TEN, 1º TEN e CAP são tratados como lixo na PM!

    ResponderExcluir
  4. I R R E S P O N S A B I L I D A D E

    ResponderExcluir
  5. O salário do Policial Militar do Rio em início de carreira deveria ser de: R$ 8.793,81.

    Deveria ser exigido o Nível Superior completo e todos deveriam ingressar como Soldados.

    ResponderExcluir