sábado, 30 de janeiro de 2016

Dois policiais morrem em tentativas de assalto na Baixada Fluminense

Dois policiais militares morreram, na madrugada deste sábado, durante duas diferentes tentativas de assalto na Baixada Fluminense. De folga, o cabo Leandro da Silva Pimenta, da UPP Arará/Mandela, estava lanchando com outro agente na Via Light, na altura de Nova Iguaçu, quando suspeitos chegaram em um carro anunciando o roubo. Na ocasião, houve troca de tiros e PM foi baleado e morto. Além disso, um dos assaltantes morreu na hora e outras duas pessoas ficaram feridas.
Já em Nilópolis, o sargento Fabio de Oliveira, do 22º BPM (Maré), foi morto na Rua Darcy Vargas, no centro de Nilópolis, após reagir o assalto. Ele chegou a ser socorrido e levado para a UPA de Nilópolis, mas não resistiu aos ferimentos.

11 comentários:

  1. POLICIAIS MILITARES ARRISCAM A PRÓPRIA VIDA POR MUITO POUCO

    A Polícia Militar precisa ser valorizada e fortalecida, pois POLICIAIS MILITARES DESMOTIVADOS significa SEGURANÇA PÚBLICA AMEAÇADA. Vale lembrar que o Rio de Janeiro sediará os Jogos Olímpicos de 2016, sendo o reconhecimento pecuniário indispensável, imprescindível para melhorar a qualidade do serviço policial-militar.

    Nas sociedades capitalistas é comum que o valor de um indivíduo seja aferido através do seu poder de compra, e isso tem muito a ver com seus rendimentos – a quantidade de dinheiro que ele consegue adquirir em determinado espaço de tempo. O salário do Policial Militar do Rio de Janeiro é incapaz de atender às suas necessidades vitais básicas (previstas no inciso IV do artigo 7º da Constituição Federal de 1988).

    Não é à toa que, falando de valorização dos policiais brasileiros, sempre se remete à questão salarial como um problema sério, pois além de garantir elementos essenciais para a sobrevivência, “ganhar bem” concede ao profissional um posicionamento social de relevância. Todo mundo quer maior qualidade na segurança pública, mas para melhorar a qualidade será imprescindível melhorar a questão salarial, ou seja, valorizar o Policial Militar com uma remuneração digna.

    A PMERJ pode reclamar bastante dos seus vencimentos, pois são inadequados para as funções exercidas. Os baixos salários desmotivam a tropa e criam desinteresse pela profissão. Um Soldado de Polícia Militar em início de carreira deveria receber vencimentos iniciais de no mínimo R$ 3.518,51 (três mil, quinhentos e dezoito reais e cinquenta e um centavos) mensais, para uma jornada de trabalho de até 144 horas mensais. A questão salarial impacta diretamente na autoestima dos Policiais e na valorização das Polícias. O referido valor foi estimado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), trata-se do Salário Mínimo Necessário referente ao mês de Dezembro/2015, de acordo com o inciso IV do artigo 7º da Carta Magna.

    Os baixos salários fazem a PMERJ perder oficiais e praças. O idealismo vai esmorecendo, pois já não encontra-se mais comandantes com "C" maiúsculo, dignos de orgulho de seus comandados e os vencimentos não são suficientes para dar uma vida digna à família. A tropa da PMERJ está desmotivada, insatisfeita e tem VERGONHA DO SALÁRIO! Não há justificativa para os BAIXOS SALÁRIOS.

    "QUEM VIVE PARA PROTEGER, MERECE RESPEITO PARA VIVER." O Policial Militar precisa ser valorizado como herói! Em contrapartida, a Polícia Militar deveria acabar definitivamente com a Promoção de Praças por Tempo de Serviço! As Promoções devem ser conquistadas mediante aprovação em concursos internos para o CFC, o CFS e o CAS, bem como a conclusão de um Curso de Ensino Superior. Os Policiais Militares que já concluíram o 3º Grau deveriam receber um acréscimo no salário, como é feito na Guarda Municipal do Rio de Janeiro. Quem se qualificou tem que ser premiado. É a única forma de incentivar o estudo, a qualificação.

    “POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA SÓ É FEITA COM POLICIAIS BEM PAGOS” foi o que disse o então candidato ao Governo do Rio, Sérgio Cabral Filho.

    “O GOVERNANTE QUE DIZ QUE O ESTADO DO RIO NÃO TEM DINHEIRO PARA PAGAR MELHOR SEUS POLICIAIS ESTÁ MENTINDO!” (palavras de Sérgio Cabral em 2006)

    ResponderExcluir
  2. O SD PMERJ precisa ter ' D I G N I D A D E '

    O Salário Mínimo Necessário, referente ao mês de Dezembro/2015, foi estimado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) no valor de R$ 3.518,51 (três mil, quinhentos e dezoito reais e cinquenta e um centavos), valor superior ao vencimento bruto de um Soldado da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro.

    http://www.dieese.org.br/analisecestabasica/salarioMinimo.html

    ResponderExcluir
  3. PMERJ
    GABINETE DO COMANDO GERAL
    SEÇÃO JURÍDICA
    Bol da PM n.º 027 - 08 Fev 12
    MUDANÇA DE ESCALA DE SERVIÇO NA CORPORAÇÃO -DETERMINAÇÃO
    Considerando a intenção do Senhor Comandante Geral de humanizar e padronizar as
    escalas de serviço em todas as unidades da PMERJ em face do desgaste intrínseco à
    atividade policial;
    Considerando ainda que as novas escalas devam proporcionar ao Policial Militar uma
    folga suficiente para seu descanso e a sua recuperação física e psicológica,
    proporcionando assim uma melhor qualidade de vida.
    Este Comando determina que doravante as escalas de serviço em suas diversas formas
    de policiamento sejam as elencadas abaixo, orientando ainda aos Comandantes a
    suprimirem os postos menos prioritários ou reduzirem o efetivo de equipes que forem
    possíveis:
    1 – 1º, 2º, 3º e 4º COMANDOS DE POLICIAMENTO DA ÁREA.
    Radio patrulhas, cabinas e interdições – Escala 12x48 (doze horas de serviço por
    quarenta e oito horas de folga);
    Grupo de Ações Táticas – GAT, Auto Patrulha de Trânsito – APTran, Postos de
    Policiamento – PP, Postos de Policiamento Comunitário – PPC, Destacamento de
    Policiamento Ostensivo – DPO, Guarda do Quartel, Oficial de Dia, Adjunto ao Oficial
    de Dia e Quartilheiro – Escala 24x72 (vinte e quatro horas de serviço por setenta e duas
    horas de folga) tendo a garantia de 06 horas de descanso durante o serviço;
    Policiamento Ostensivo de Trânsito – POTran e Policiamento Ostensivo Geral à Pé –
    POG à Pé – Escala 4x2 (quatro serviços de 07 horas por 02 dias de folga);
    Auto Patrulha de Trânsito – APTran (nos locais onde o comando da unidade entenda
    não haver necessidade deste serviço por 24 horas) e Patrulhamento Motorizado Especial
    – PAMESP – Escala 10x38 (dez horas de serviço por 38 horas de folga).
    2 – 5º, 6º e 7º COMANDO DE POLICIAMENTO DA ÁREA.
    As escalas deverão seguir o mesmo padrão da carga horária acima especificada,
    podendo, de acordo com a distância do local de serviço haver um aumento proporcional
    das horas de serviço e folga.
    Exemplo de Escala de Destacamento de Policiamento Ostensivo no interior – 48x144.
    3 – UNIDADES POLICIAIS ESPECIAIS.
    As unidades policiais especiais deverão utilizar uma das escalas acima elencadas, tais
    como:
    12x48 – 24x72 – 4x2 – 10x38
    É necessário que seja respeitada a carga horária mensal entre 144 e 150 horas mensais
    considerando o mês de 30 dias.
    (Nota n° 0143 - 08 Fev 2012 – GCG)

    ResponderExcluir
  4. PELA PRIMEIRA VEZ NA HISTÓRIA OS SERVIDORES DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RECEBERÃO APÓS O CARNAVAL

    Com a mudança do calendário de pagamento, do segundo dia útil para o sétimo dia útil, Policiais, bombeiros, médicos, professores e demais servidores públicos estaduais receberão o salário após o carnaval, algo que nunca aconteceu.
    A época em que Policiais e Bombeiros tem as férias interrompidas, pelo gigantesco volume de ocorrências a serem atendidas, coincide com o fato de estarem sem os devidos salários, que só serão depositados no dia 11 de fevereiro (um dia após a Quarta – Feira de cinzas, isso se o salário não atrasar mais ainda como especulou o secretário de fazenda do Estado).
    Policiais Militares que estão sem o pagamento integral do 13º salário, aguardam também o pagamento de 3 meses de RAS e CPROEIS, além das metas de dois semestres.
    Uma pequena modificação na marchinha de Homero Ferreira “Me dá um dinheiro ai”, para “Me dá O MEU dinheiro ai” é bem pertinente para mais esse histórico capítulo do “pão e circo” carnavalesco.
    “Ei, você ai...”

    ResponderExcluir
  5. Salários estão muito aquém do esperado, das necessidades desses profissionais, em função da relevante missão constitucional e institucional da PMERJ. A de "polícia ostensiva/ preservação da ordem pública" e de "servir e proteger" a população.

    Haverá um dia em que o reconhecimento pecuniário, salários compatíveis com a missão, deixará de ser um sonho, de ser a luta de muitos, porque viver de forma digna vai além (de colocar comida no prato), considerando a certeza de que acaso esses homens e mulheres podem não mais voltar para casa!

    ResponderExcluir
  6. ATÉ QUANDO?
    ATÉ QUANDO?
    ATÉ QUANDO?
    ATÉ QUANDO?

    ResponderExcluir
  7. Já está mais do que provado que não existe e nunca existirá "pacificação" no Rio.

    ResponderExcluir
  8. SERVIDORES UNIDOS: ATO DIA 3 DE FEVEREIRO DE 2016 NA ALERJ

    Diante do atual quadro de insegurança financeira que vivem os servidores do Estado, o SIND-DEGASE conclama a categoria a participar em massa, vestida de preto, ao ato programado para o dia 03 de fevereiro, às 15h, em frente à Alerj, para mostrarmos que não aceitaremos passivamente esta situação. Neste ato, haverá o indicativo para que todas as categorias realizem assembleias próprias para deliberarmos o início de uma paralisação geral no estado, até que o governo passe a respeitar os servidores e a população.

    O movimento contará com a presença de faixas, cartazes, além de som em trio elétrico, sendo organizado pelo MUSPE – Movimento Unificado dos Servidores do Estado do Rio de Janeiro, composto pelos seguintes sindicatos: Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário do Estado do RJ; Associação dos Servidores da Defensoria Pública do Estado do RJ; Associação dos Servidores do Ministério Público do Estado do RJ; APMERJ (Associação de Policiais Militares do Estado do RJ); ABMERJ (Associação dos Bombeiros Militares do Estado do RJ); Sindicato dos Profissionais de Educação da Faetec; Associação dos Servidores do Ministério Público do Estado do RJ; Sindicato dos Trabalhadores das Universidades Públicas Estaduais – RJ; Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação do RJ; Sindicato dos Policiais Civis do Estado do RJ; Sindicato dos Servidores do Departamento Geral de Ações Socioeducativas; Associação dos Executivos Públicos do Estado do RJ; Associação dos Servidores da Procuradoria Geral do Estado do RJ; Sindicato dos Funcionários do Departamento de Trânsito do Estado do RJ; Associação dos Servidores da Junta Comercial do Estado do RJ; Sindicato dos Trabalhadores nas Empresas de Saneamento Básico e Meio Ambiente do RJ e Região; Associação dos Servidores da Fundação Cecierj; Sindicato dos Servidores do DER – RJ; e Associação dos Advogados Públicos Autárquicos e Fundacionais do Estado do Rio de Janeiro.

    Seremos milhares de servidores juntos por pleitos comuns a todos, tais como:
    - Retorno do calendário de pagamento para o segundo dia útil;
    - Não ao parcelamento de salários;
    - Contra a reforma da previdência;
    - Pelo cumprimento da data-base dos servidores (Lei 1.608/90).

    CONTAMOS COM A PRESENÇA DE TODOS! JUNTOS SOMOS FORTES... FORÇA E HONRA!

    ResponderExcluir
  9. "QUEM VIVE PARA PROTEGER, MERECE RESPEITO PARA VIVER."

    Um Soldado de Polícia Militar em início de carreira deveria receber vencimentos iniciais de R$ 8.712,50 (oito mil, setecentos e doze reais e cinquenta centavos) mensais, para uma jornada de trabalho de até 144 horas mensais. A questão salarial impacta diretamente na autoestima dos Policiais e na valorização das Polícias. Além de garantir elementos essenciais para a sobrevivência, “ganhar bem” concede ao profissional um posicionamento social de relevância. Todo mundo quer maior qualidade na segurança pública, mas para melhorar a qualidade será imprescindível melhorar a questão salarial, ou seja, valorizar o Policial Militar com uma remuneração digna.

    “POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA SÓ É FEITA COM POLICIAIS BEM PAGOS” foi o que disse o então candidato ao Governo do Rio, Sérgio Cabral Filho.

    “O GOVERNANTE QUE DIZ QUE O ESTADO DO RIO NÃO TEM DINHEIRO PARA PAGAR MELHOR SEUS POLICIAIS ESTÁ MENTINDO!” (palavras de Sérgio Cabral em 2006)

    ResponderExcluir
  10. O BRASIL ESTÁ EMBURRECIDO

    "O Brasil emburreceu nesses anos de inacreditável submissão ao lulopetismo. É triste constatar, mas ficou com a cara e os vícios do seu execrável líder e da sua sucessora, enfiada por ele goela abaixo de um povo iludido.

    Temos uma governante(?), sem qualquer exagero, incapaz de articular uma frase que seja compreensível ou provida de lógica.

    As nossas instituições, para pior dos males, foram juntas. Calaram-se, tornaram-se menos inteligentes; e também omissas.

    Onde a voz da Igreja, das Forças Armadas, das Universidades, da Comunidade Científica, dos Intelectuais, dos poucos Políticos com “P” que eventualmente ainda restem? Desistiram? Será que ainda podemos vê-los como forças vivas da nação? Nossos formadores de opinião? Há dúvidas. E o Povo, onde está?

    Bem representativo do momento pobre e triste que vivemos foi a descoberta do “Fantástico”, programa dominical da Rede Globo, da “nova cara do Brasil”, uma meia dúzia de jovens da classe média paulista, entre 16 e vinte anos, desafiando a polícia em protestos contra o aumento de R$0,30 nas passagens dos coletivos urbanos.
    Seria até compreensível a cobertura e apoio a tal movimento:

    – se os pais daqueles jovens não estivessem às voltas para pagar as contas dos serviços públicos, da energia elétrica, por exemplo, que sobem a cada mês em valores absurdos, por absoluta incompetência do governo central;
    – se não vivêssemos o caos a que foi conduzido o sistema de saúde, literalmente paralisado em várias cidades;
    – se não tivesse quebrado, fruto do roubo e da corrupção oficial, a nossa maior empresa estatal com prejuízos irrecuperáveis;
    – se não estivéssemos com a inflação fora do controle e diante do aumento geométrico do número de desempregados.
    Dentro de uns poucos dias estarão de volta os parlamentares e integrantes do judiciário, depois do longo recesso a que fazem jus. Mas chegam já de olho nos dias de folia carnavalesca, pois ninguém é de ferro. E prontos para entrarem em clima de Olimpíadas. É tudo festa para eles.
    Enquanto isso, o País continuará sangrando. Se enganando, protelando decisões, empurrando com a barriga, mas, sinceramente, não vemos como ter fôlego para alcançar 2018.
    Vamos acordar, gente, esse governo cometeu crimes muito graves, por mais que fumaça política procure encobrir. A conduta da presidente Dilma deu suficientes motivos jurídicos e políticos para o seu afastamento pelo Congresso. E isso não pode passar em branco. Razões para protestos o Povo tem de sobra, mas pelos R$0,30 de aumento dos coletivos? Nesse momento?"

    Gen Div Gilberto Rodrigues Pimentel – Presidente do Clube Militar

    ResponderExcluir
  11. Cadê os DIREITOS HUMANOS agora???

    ResponderExcluir