sábado, 30 de janeiro de 2016

Imagens mostram momento exato em que policial militar é assassinado no Rio

Imagens  mostram o momento em que o cabo da PM Michel Lopes Cardoso foi baleado com um tiro de fuzil,  em troca de tiros com criminosos, na tarde desta quinta-feira (28), em uma avenida da Pavuna, Subúrbio do Rio.
No vídeo, traficantes armados em dois carros escoltam um caminhão com carga de cigarros. Um terceiro carro aparece logo atrás, também com bandidos fortemente armados e as portas abertas. Também é possível ver os motoristas, que assustados dão marcha à ré. Alguns chegam a abandonar os carros para fugir. O policial troca tiros com os criminosos perto do Morro da Pedreira e é possível ver que ele  recebe um tiro no peito e um colega dele se aproxima para tentar o socorro.

2 comentários:

  1. MAIS UM POLICIAL MILITAR ASSASSINADO. ATÉ QUANDO?

    Mais um Policial Militar foi assassinado no Rio de Janeiro "pacificado"!!!

    Já está mais do que provado que não existe e nunca existirá "pacificação" no Rio.

    ResponderExcluir
  2. "QUEM VIVE PARA PROTEGER, MERECE RESPEITO PARA VIVER."

    Um Soldado de Polícia Militar em início de carreira deveria receber vencimentos iniciais de R$ 8.712,50 (oito mil, setecentos e doze reais e cinquenta centavos) mensais, para uma jornada de trabalho de até 144 horas mensais. A questão salarial impacta diretamente na autoestima dos Policiais e na valorização das Polícias. Além de garantir elementos essenciais para a sobrevivência, “ganhar bem” concede ao profissional um posicionamento social de relevância. Todo mundo quer maior qualidade na segurança pública, mas para melhorar a qualidade será imprescindível melhorar a questão salarial, ou seja, valorizar o Policial Militar com uma remuneração digna.

    “POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA SÓ É FEITA COM POLICIAIS BEM PAGOS” foi o que disse o então candidato ao Governo do Rio, Sérgio Cabral Filho.

    “O GOVERNANTE QUE DIZ QUE O ESTADO DO RIO NÃO TEM DINHEIRO PARA PAGAR MELHOR SEUS POLICIAIS ESTÁ MENTINDO!” (palavras de Sérgio Cabral em 2006)

    ResponderExcluir