domingo, 13 de março de 2016

DEPUTADO FLÁVIO BOLSONARO FALA EM IMPEACHMENT DO GOVERNADOR PEZÃO

8 comentários:

  1. ??????????????????????

    ResponderExcluir
  2. É deputado... só ouço sua voz nesse plenário!
    Cade aquele bando de hipócritas que se dizem defensores dos servidores da segurança pública?
    Já sei, só aparece nos pleitos eleitorais. Bando de canalhas!

    ResponderExcluir
  3. O Governo do Estado do Rio de janeiro precisa fazer algumas mudanças na Polícia Militar

    É necessário por fim ao perigoso projeto de inchar a tropa da PMERJ (policiais militares sendo contratados em grande quantidade e em curto espaço de tempo), pois trata-se de um grave erro político-estratégico. Na Polícia das sociedades modernas, cada vez mais complexas e exigentes, não há mais espaço para policiais militares de baixa qualidade, o que acaba ocorrendo sempre que há pressa na contratação e formação desses profissionais, é o chamado "comprometimento de qualidade".

    Prudentemente, a PMESP (Polícia Militar paulista) passou a formar seus soldados (policiais de base) em dois anos numa academia com certificação ISO 9001. Um psiquiatra norte-americano, ao estudar o fenômeno da socialização organizacional do novo policial, concluiu que a intensidade e profundidade da formação é fundamental para gerar padrões de comprometimento ético e social necessários à essa dificílima função pública.

    No Rio de Janeiro, há um verdadeiro festival de promoções de praças por tempo de serviço, que chegou ao exagero inconseqüente, com a incrível promoção além da previsão de vagas (não podem haver promoções sem a devida previsão de vagas). Os graduados (subtenentes, 1º, 2º e 3º sargentos) precisam ser concursados. A PMERJ tem o péssimo sistema de promover automaticamente o soldado a sargento, sem fazer concurso e seleção dos mais aptos para esse importantíssimo cargo de supervisão do policiamento.

    Após os Jogos Olímpicos, a segurança do Rio de Janeiro acentuará a crise, com essa balofa estrutura policial criada entre tantas insanidades. Será fundamental reintroduzir a exigência de seleção para formar 3º sargentos, introduzir exigências de cursos para as promoções a 2º e a 1º sargentos e a subtenente, permitindo a promoção exclusivamente pelo critério de existência de vagas (QAA e QAM), como ocorre em praticamente todas as demais Polícias (atualmente, mesmo sem existência de vagas para a função, o soldado é promovido automaticamente a sargento). Seria melhor dar melhores condições de trabalho e salário aos policias militares do que promover toda a tropa, inchando a pirâmide hierárquica. SERÁ NECESSÁRIO ACABAR COM A PROMOÇÃO DE PRAÇAS POR TEMPO DE SERVIÇO NA PMERJ!

    É uma pena que uma profissão tão digna e essencial para a população seja tratada com tanto descaso por nossos governantes. Já passou do tempo do governo valorizar os policiais e bombeiros, afinal a população precisa muito deles. Eles precisam ter um salário digno, que, segundo pesquisa do DIEESE, não pode ser inferior a R$ 3.795,24 (três mil, setecentos e noventa e cinco reais e vinte e quatro centavos), conforme determina o inciso IV do artigo 7º da Constituição Federal. A questão salarial impacta diretamente na autoestima dos Policiais e na valorização das Polícias.

    "UMA POLÍCIA BOA E BARATA, NÃO EXISTE!" (frase dita por Monique Vidal, Delegada do RJ). O Policial Militar é o operador do direito mais importante. Ele é quem faz a triagem do fato e leva ao conhecimento de outras autoridades. ara termos uma boa segurança, devemos primeiramente valorizar o Policial Militar.

    A PROFISSÃO PRECISA SER VALORIZADA! Quanto mais desvalorizada a Polícia, mais insegurança nós teremos! Quem zela pela segurança do cidadão precisa ser muito bem remunerado, para que sua renda seja suficiente para pagar o sustento da família e o mesmo possa trabalhar tranquilo com relação ao bem estar de seus dependentes.

    ResponderExcluir
  4. NÃO PRECISA SER GÊNIO PARA VER QUE NÃO DÁ PARA AUMENTAR A CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA DOS POLICIAIS MILITARES, POIS OS SALÁRIOS ESTÃO MUITO BAIXOS!

    Os direitos constitucionais dos Policiais Militares do Rio de Janeiro estão sendo desrespeitados, pois a remuneração dos Soldados está em desacordo com o Inciso IV do Artigo 7º da Constituição Federal de 1988. O Soldado da PMERJ tem um Vencimento abaixo do Salário Mínimo Necessário, que foi estimado pelo DIEESE no valor de R$ 3.795,24 (três mil, setecentos e noventa e cinco reais e vinte e quatro centavos), ou seja, tem uma remuneração incapaz de atender às suas necessidades vitais básicas. A questão salarial impacta diretamente na autoestima dos Policiais e na valorização das Polícias. POLICIAIS MILITARES DESMOTIVADOS SIGNIFICA SEGURANÇA PÚBLICA AMEAÇADA.

    Nas sociedades capitalistas é comum que o valor de um indivíduo seja aferido através do seu poder de compra, e isso tem muito a ver com seus rendimentos – a quantidade de dinheiro que ele consegue adquirir em determinado espaço de tempo. Não é à toa que, falando de valorização dos policiais brasileiros, sempre se remete à questão salarial como um problema sério, pois além de garantir elementos essenciais para a sobrevivência, “ganhar bem” concede ao profissional um posicionamento social de relevância. Todo mundo quer maior qualidade na segurança pública, mas para melhorar a qualidade será imprescindível melhorar a questão salarial, ou seja, valorizar o Policial Militar. QUEM VIVE PARA PROTEGER, MERECE RESPEITO PARA VIVER.

    A PMERJ pode reclamar bastante dos seus vencimentos, pois são inadequados para as funções exercidas. Os baixos salários desmotivam a tropa e criam desinteresse pela profissão. Um Soldado de Polícia Militar em início de carreira deveria receber vencimentos iniciais de no mínimo R$ 7.190,98 (sete mil, cento e noventa reais e noventa e oito centavos) mensais, para uma jornada de trabalho de até 144 horas mensais. A tropa da PMERJ está desmotivada, insatisfeita e tem VERGONHA DO SALÁRIO!

    O Governo do Estado do Rio de Janeiro está sendo perverso com os SERVIDORES públicos! Em contrapartida, oferece isenções fiscais de R$ 138 bilhões, segundo relatório do TCE! Benefícios têm relação com crise fiscal. O governador Luiz Fernando Pezão precisa urgentemente avaliar a pertinência da continuidade dessa política, pois mergulhou numa crise fiscal que já afeta a prestação de serviços básicos nas áreas da saúde, educação e segurança pública.

    ResponderExcluir
  5. "Não se faz política de segurança pública apenas com tecnologia, com armas e com automóveis. Se faz política de segurança pública com servidor público estimulado, bem pago, bem treinado e desejoso, cada vez mais, de combater a criminalidade. Não se faz apenas com frota, com tecnologia e com armamento. Isso é importante! Nós temos que ter o servidor público comprometido com essa luta." (Sérgio Cabral Filho).

    “POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA SÓ É FEITA COM POLICIAIS BEM PAGOS.” foi o que disse o então candidato ao Governo do Rio, Sérgio Cabral.

    “O GOVERNANTE QUE DIZ QUE O ESTADO DO RIO NÃO TEM DINHEIRO PARA PAGAR MELHOR SEUS POLICIAIS ESTÁ MENTINDO!” (palavras de Sérgio Cabral Filho em 2006).

    ResponderExcluir
  6. Até que enfim alguém fala alguma coisa certa. Porque já estava cheio de ouvir baboseiras. Agora vamos ver se apoiam o cara e façamos passeata pedindo a saída do Pezão.

    ResponderExcluir
  7. Já são 17 (dezessete) Policiais Militares mortos este ano no Rio.
    O Rio de Janeiro é o Estado onde mais PPMM são mortos no Brasil!!
    Em dois meses e meio, quase vinte Policiais Militares morreram...
    E o Governador ainda quer prejudicar a tropa cortando benefícios!

    ResponderExcluir
  8. ATE QUE ENFIM ALGUEM TEM AGUA NO CEREBRO,E NÃO AGUA DE SALSICHA.

    ResponderExcluir